Você está aqui:Home » Apologética geral » A importância do aramaico nos estudos do Novo Testamento

A importância do aramaico nos estudos do Novo Testamento

Todos sabemos que o Novo Testamento não foi escrito em português, nem mesmo pensado em português. O Novo Testamento é uma coleção de escritos do século I centrados em Jesus de Nazaré (ou, em aramaico:  Yeshua d’Nasrath). Jesus e Seus discípulos eram judeus em Israel, principalmente da região da Galileia (Judas Iscariotes provavelmente foi o único discípulo de Judá). A linguagem do século I de Israel não era nem mesmo grego nem hebraico, mas aramaico.

Estudos em hebraico e grego abundam, pois o Antigo Testamento (ou Tanakh) foi escrito em hebraico (com uma parte em aramaico) e o Novo Testamento é geralmente presumido ter sido escrito em grego. Entretanto, o hebraico não era falado entre o povo comum, nem o grego. O aramaico é a língua em que Jesus provavelmente ensinava e falava diariamente. A fim de compreender plenamente a mensagem de Jesus e os apóstolos, você deve entender a língua aramaica. Infelizmente, o aramaico é quase ignorado pelos estudiosos atuais, que em vez disso se concentram nos escritos gregos do Novo Testamento.

Mesmo o Novo Testamento grego é escrito em um estilo muito semítico, sugerindo a ideia de que ele foi traduzido de uma fonte aramaica anterior. A Septuaginta (a tradução grega da Tanakh) tem um estilo muito semelhante ao Novo Testamento grego. Se você compara a gramática do Novo Testamento grego e o Novo Testamento da Peshitta aramaica usando um interlinear, você vai descobrir que há muitas semelhanças entre os dois. Muitos idiomas semíticos também são comumente usados no grego do Novo Testamento (veja  http://www.bible-researcher.com/hebraisms.html para mais informações sobre isso), sugerindo uma fonte semítica por trás do grego. Palavras em aramaico transliteradas, como rabbi, Patskha, Qorban, Rakha, Mamom  (“meu grandioso”, “Páscoa”, “oferta”, “cuspir”, “riqueza”) também são encontrados em nosso Novo Testamento grego.

Às vezes, os idiomas utilizados no Novo Testamento são fáceis de entender mal, ou de outra forma vai lhe deixar perplexo. Um exemplo é o “mau olhado” de que fala Jesus em Mateus 7,23 e 20,15. De acordo com o Dr. George Lamsa (tradutor da Bíblia Sagrada do texto Oriental Antigo) e David H. Stern (tradutor da Bíblia judaica completa), esta é uma linguagem para a ganância. Geralmente, em nossa mente ocidental, nós associaríamos isso com a magia negra ou o oculto, mas ao examinar o contexto você pode dizer o que Jesus está falando. Um “mau-olhado” em aramaico é anak bisha.

Não coloquem para si mesmo tesouros na terra, onde a traça e a ferrugem corroem e onde os ladrões arrombam e furtam. Mas acumulem para si tesouros na alçada onde nem a traça nem a ferrugem consomem, e onde os ladrões não arrombam e roubam. Porque onde estiver o seu tesouro eis aí também o teu coração, a lâmpada do corpo é o olho, se o teu olho é simples, também todo o teu corpo é luz, mas se o teu olho for mau, todo o teu corpo será escuro. Em ti está a escuridão, quão grande será a tua escuridão. Ninguém pode servir a dois senhores, porque ou odiará a um e amará o outro, ou ele honrará o um e tratará o outro com desprezo. Você não é capaz de servir a Deus e a Mamom.”- Mateus 6,19-24

Um fato que não é amplamente conhecido é que até o século 14, a maior parte da Igreja foi composta de falantes de aramaico. Enquanto Paulo estava trazendo o Evangelho para o Ocidente, Pedro levava para o Oriente. Mesmo na Grécia, houve uma diáspora de língua aramaica de judeus e sírios. Se não houvesse falantes de aramaico nessas igrejas, por que Paulo usa palavras e frases como Maran atha  (I Cor. 16,22, o que significa “Senhor nosso, vem”), satana ( “o acusador” ou “Satanás”), ou amém (“verdadeiramente”)? Os judeus que falavam grego são referidos como “helenistas” nos escritos do Novo Testamento, e eram considerados uma classe diferente de pessoas (Atos 9,29). Observe como Paulo sempre foi às sinagogas primeiro e se o Evangelho era rejeitado, ele então ia para os gentios (que não só incluía gregos europeus como gregos e romanos, mas também gentios semitas como assírios e arameus). Paulo poderia claramente tratar em grego se ele estava debatendo com helenistas, mas também havia o bilíngue Lucas, que era um sírio de Antioquia, em que tanto o grego e o aramaico foram amplamente falados.

Pedro, Jacó (ou “Tiago”), Judas e João eram judeus israelenses da Galiléia e passavam suas vidas principalmente pregando o Evangelho a seus irmãos judeus. Pedro realmente passou um tempo na Babilônia com João Marcos, o autor do Evangelho de Marcos (I Pedro 5,13). Babilônia tinha a maior população de judeus fora de Israel, então era um lugar lógico para ele ir. É improvável que esses homens que ministraram aos judeus de língua aramaica na Ásia e no Oriente Médio escrevessem a essas pessoas em grego, mas em sua língua aramaica comum.

Tenha as Melhores Oportunidades no Ensino Religioso, Estudando Ciências da Religião em Sua Casa e no Seu Tempo Livre… Dedicando Apenas Algumas Horas Por Semana!

** AGORA VOCÊ PODE ESTUDAR TEOLOGIA À DISTÂNCIA COM QUALIDADE! *

Outra vantagem de estudar o Novo Testamento em aramaico é ver muitas nuances que só podem ser vistas no aramaico e são totalmente perdidas no grego. A Peshitta tem muitos jogos de palavra e poesia. Aqui está um exemplo de jogo de palavras no texto aramaico de João 1,18 que está totalmente perdido no grego:

Alaha la khaza Nash memtun ikhidaya Alaha haw d’itaw b’uba d’Awuh haw eshtai.
“O homem nunca viu a Deus. O Deus unigênito, aquele que está no seio de seu pai, é quem o tem declarado”.

As versões gregas deste verso rezam:

Theon oudeis heoraken papote monogenes Theos ho on eis ton kolpon tou Patros ekeinos exegesato.

O Novo Testamento aramaico também tem algumas formas únicas de revelar a divindade de Jesus. A palavra MARYA é um composto da palavra Mar (“Senhor”) e Ya  (ou “Yah”, abreviado para “Senhor” e visto no Salmo 68,4). Marya é usado de Jesus Cristo em vários lugares, como Atos 2,38 e Filipenses 2,11. Outra parte única da Peshitta é seu uso da frase aramaica Ena ‘na (‘eu sou’) que, na Peshitta Tanakh é usada 97% do tempo pelo próprio Deus (este é o equivalente aramaico ehyeh Asher ehyeh, Ou “Eu sou o que sou”). Paul Younan afirma: “No pensamento semita, a frase ‘Ena-na’ (eu sou) transmite um pensamento de existência eterna reservada apenas para Deus”. As sete declarações “Eu sou” no Evangelho de João (6,35; 8,12; 10,9; 10,11; 11,25-26; 14,6; 15,5) usam esta frase em particular. Apenas um lugar em toda o Novo Testamento da Peshitta tem ena ‘na sendo usado por um mero ser humano (João 9,9).

Em vez de trazer o Novo Testamento aos nossos dias, devemos voltar ao tempo do Novo Testamento ao estudá-lo. Somente através das lentes da língua aramaica podemos verificar a mensagem bíblica em sua totalidade. Infelizmente, nem todos nós temos o tempo ou a capacidade de aprender aramaico. Felizmente, temos muitas ferramentas que podem ser usadas para estudar o Novo Testamento aramaico da Peshitta. Várias traduções, interlineares, comentários e dicionários foram publicados para que possamos examinar o Novo Testamento em seu contexto semítico original.

Aqui estão alguns lugares onde você pode estudar a Peshitta e a língua aramaica:

https://aramaico.wordpress.com/ –  Um excelente site para estudos sobre a Igreja Siríaca Ortodoxa, do aramaico e outras línguas orientais.

http://www.nyudraa.com.br/ – Um excelente site com amplos recursos, cursos e treinamentos em aramaico.

http://nyudraa.blogspot.com.br/– Outro endereço do Nyudraa, com ótimos recursos para o aprendizado.

http://www.aramaicpeshitta.com – Este é um site que tem alguns artigos sobre a Peshitta e sua relação com o grego do Novo Testamento, assim como o Velho versões siríacas. Quatro traduções do Peshitta estão disponíveis também: John Wesley Etheridge, James Murdock, George Lamsa, e o interlinear aramaico-inglês de Paul Younan.

http://lamsabible.com/ – Este é um site onde você pode ler A Bíblia Sagrada do texto Oriental antigo, do Dr. George Lamsa, ou como é mais comumente conhecido “A Bíblia Lamsa”. Esta é a única tradução completa da Bíblia Peshitta. O Dr. Lamsa foi um falante nativo de língua aramaica e um membro da Igreja Assíria do Oriente, que tem preservado a Peshitta desde os tempos antigos. O Dr. Lamsa escreveu muitos comentários e livros que mostram a importância de compreender a cultura semítica antiga. Sua tradução é geralmente precisa, mas às vezes tem lugares onde viés teológico aparece, bem como lugares onde a tradução se prende com o grego e a versão King James mais do que o texto oriental Peshitta.

http://www.peshitta.org – Este é o site de Paul Younan, e também tem o seu interlinear aramaico-inglês do Novo Testamento. Infelizmente, ele está atualmente incompleto e vai apenas para Atos 16. Os quatro Evangelhos em um formato aramaico-inglês interlinear acessível é em si um feito monumental. O fórum aqui é grande, e você pode aprender muito sobre a história da Peshitta, bem como o da língua aramaica. Paul Younan é também um orador aramaico nativo e membro da Igreja Assíria do Oriente.

http://www.va.com/ – Este é o site de falante aramaico nativo e da Igreja do Oriente, Victor Alexander, que traduziu o Novo Testamento da Peshitta, que é intitulado Escritura Aramaica. Também estão disponíveis suas traduções de versões da Peshitta Tanach de Gênesis, Êxodo, Isaías, Jeremias, Daniel, Jonas, Zacarias, Malaquias, Eclesiastes, Provérbios, bem como Salmos 1 e 22.

http: // dukhrana.com/ – Este site é uma fonte indispensável para a comparação de traduções (especialmente a KJV, Lamsa, Etheridge, e traduções Murdock), o grego, e outras versões do Novo Testamento com relação ao original aramaico. Você também pode olhar e comparar vários manuscritos aramaicos, incluindo o famoso Codex Khabouris. Os vários léxicos aqui são extremamente úteis.

http://cal1.cn.huc.edu/ – Este é o léxico compreensivo aramaico, que é provavelmente o melhor léxico disponível para não só o siríaco (o dialeto aramaico da Peshitta), mas também vários outros dialetos (incluindo babilônico, da Judéia, Galileu e Samaritano). Você pode estudar a Bíblia Peshitta, os Targums, e vários outros textos aramaicos aqui.

http://aramaicnt.org/ – Este é o site de Steve Caruso, que é um especialista em aramaico, especialmente o próprio dialeto galileu de Jesus. Steve está trabalhando na tradução de todas as partes dos Evangelhos, onde alguém fala o dialeto aramaico em que teria sido falado e que ele tem até agora é muito interessante. Você também pode aprender o aramaico galileu aqui. Vou começar a estudar aqui muito em breve.

http://learnassyrian.com/ – Aqui você pode aprender neo-aramaico assírio, que é muito semelhante ao dialeto sírio visto na Peshitta. Eu fiz o download da versão em PDF do seu curso para o meu tablet.

Estes são, na minha opinião, as melhores traduções da Peshitta:

Uma tradução literal do Novo Testamento da Peshitta, por John Wesley Etheridge.

O Novo Testamento siríaco, por James Murdock.

Interlinear aramaico-inglês do Novo Testamento, por Andrew Gabriel Roth

Tradução do Novo Testamento aramaico da Peshitta e Interlinear Vertical do Novo Testamento da Peshitta (3 volumes), por Janet Magiera

Interlinear aramaico-Inglês do Novo Testamento (3 volumes), por The Way International.

O Novo Testamento original em aramaico em inglês e o Interlinear aramaico-inglês do Novo Testamento por Glenn David Bauscher.

As citações bíblicas foram tiradas do Interlinear aramaico-Inglês do Novo Testamento (3 volumes), por The Way International. Http://www.bible-geeks.com

Fonte: http://theoscholar.blogspot.com.br/2014/05/the-importance-of-aramaic-in-new_8.html
Tradução: Emerson de Oliveira

Comentários

Comentários

Sobre o autor

Número de entradas : 1297

Deixe um comentário

© 2011 Powered By Wordpress, Goodnews Theme By Momizat Team

Voltar para o topo