Você está aqui:Home » Seitas/heresias » Testemunhas de Jeová » Respostas às “51 questões para os que crêem na Trindade” – 1

Respostas às “51 questões para os que crêem na Trindade” – 1

TrindadeVamos nesta série responder às TJ na postagem “51 questões para os que crêem na Trindade”, publicado aqui.

24. Se a tradução correcta de João 1:1 é Deus e não “um deus”, simplesmente porque não existe “um” no texto grego antes do substantivo anartro (substantivo sem artigo), então o mesmo é verdade em Actos 28:6. Porque é que todas as traduções acrescentam “um” nesta passagem que mostra Paulo como “um deus” em vez de Deus, quando o artigo “um” não existe no texto grego? Será porque o contexto indica que essa é a tradução mais correcta? Leia atentamente para o contexto de João 1:1.

Michael Van Buskirk também documentou o engano da Torre de Vigia em detalhes em seu livro A Desonestidade acadêmica da Sentinela observando que eles também citam errado a Gramática de A. T. Robertson e outras fontes também. Eles ainda afirmam: “Em Atos 28: 6 temos um caso paralelo com a de João 1: 1 com exatamente a mesma construção do predicado, ou seja, com uma anartro [isto é, não há nenhum artigo definido] OEOS [theos]” (The Kingdom Interlinear, p. 1160). Isto, à primeira parece ser verdade, pois não há artigo definido em Atos 28:6. O que as Testemunhas de Jeová não mencionam é que em João 1:1 o predicado nominativo (theos) precede o verbo; aqui em Atos segue-se o verbo e, portanto, não é aplicável. A Regra de Colwell (que está em questão aqui) afirma que um predicado nominal definido tem o artigo quando se segue o verbo e não tem o artigo quando a precede:

Deve dizer-se com toda a franqueza que, se as Testemunhas de Jeová levam essa tradução a sério, eles são politeístas. Tendo em vista a luz adicional que está disponível durante esta idade da Graça, tal representação é ainda mais condenável do que os pagãos, erros politeístas em que a antiga Israel estava tão propensa a cair. Por uma questão de fato sólido, no entanto, tal tradução é uma tradução assustadoramente errada. Isso passa por cima inteiramente uma regra de gramática grega estabelecida que exige a tradução, “… e o Verbo era Deus.” Alguns anos atrás, o Dr. Ernest Cadman Colwell, da Universidade de Chicago apontou em um estudo com o artigo definido grego que, “Um predicado definido  nominativo tem o artigo quando se segue o verbo; ele não tem o artigo quando ele precede o verbo”… Em um longa apêndice na tradução das Testemunhas de Jeová, que foi adicionado para suportar o erro de tradução de João 1:1, são citados trinta e cinco outras passagens em João onde o substantivo predicado tem o artigo definido no grego. Estes destinam-se a provar que a ausência do artigo em João 1:1 “um deus” 1 exige que OEOS [theos] deve ser traduzido como “um deus”. Nenhum dos trinto e cinco casos é paralelo, no entanto, para cada caso em que o substantivo predicado está depois do verbo, e assim, de acordo com a regra de Colwell, tem adequadamente o artigo. Até agora, portanto, longe de serem provas contra o costume da tradução de João 1: 1, essascitações adicionam confirmação para a enunciação completa da regra do artigo definido grego. Além disso, as referências adicionais citadas na Tradução do Novo Mundo a partir do grego da tradução da Septuaginta do Antigo Testamento, a fim de dar mais apoio àtradução errônea no versículo da abertura de João, estão exatamente em conformidade com a regra de Colwell, e, portanto, são adicionados a prova da exatidão da regra. As outras passagens apresentadas no apêndice, por uma razão ou outra, não se aplicam à questão em causa (particularmente inadequada é a referência a Atos 28:6 “um deus”, pois ninguém jamais sustentou que os nativos pagãos de Malta consideravam Paulo como algo diferente de)

Van Buskirk aponta que as Testemunhas de Jeová têm tentado negar regra de Colwell, citando o artigo de Phillip B. Harner no Journal of Biblical Literature: “os qualitativos anartros de substantivos predicados: Marcos 15:39 e João 1: 1”. (Vol 92, 1973, p . 87). No entanto, um ano antes, o Dr. Mantey enviou uma carta à Sociedade Torre de Vigia exigindo que eles deixassem de citar erroneamente seus artigos, dizendo que não só citaram errado a regra de Colwell, mas que é impossível citar Harner negando Colwell já que o próprio Harner apoia a regra e nega a possibilidade de uma tradução “um deus”. Van Buskirk observa:

A mente cambaleia nas profundezas em que alguém vai afundar para provar seu ponto. No caso da Torre de Vigia, tanto Colwell e Harner mostram que em João 1: 1 “um deus” não é uma tradução autorizada. No entanto, sem piscar um olho eles vão citar, fora de contexto, o homem que os refuta. O artigo de Harner em nada conclui que a Torre de Vigia torna concluir, em sua carta.

Para saber mais:

  • Citado em The Facts On Jehovah’s Witnesses, p. 48.
  • Bruce Metzger, “The Jehovah’s Witnesses and Jesus Christ,” rpt. of April 1953, Theology Today (Princeton, NJ: Theological Book Agency, 1953), pp. 75-76.
  • Michael Van Buskirk, The Scholastic Dishonesty of the Watchtower (Santa Ana, CA: Christian Apologetics and Research Information Service, 1976), p. 16.
  • Robert Countess, The Jehovah’s Witness New Testament (Phillipsburg, NJ: Presbyterian and Reformed, 1983), Chapter 4, pp. 54-55; Appendix Table 5.

 

Comentários

Comentários

Sobre o autor

Número de entradas : 1297

© 2011 Powered By Wordpress, Goodnews Theme By Momizat Team

Voltar para o topo