Você está aqui:Home » Teísmo/Ateísmo » Refutações » Resposta ao Salatiel Junior sobre vídeo do Ravi Zacharias

Resposta ao Salatiel Junior sobre vídeo do Ravi Zacharias

O ateísta Salatiel Junior fez este vídeo acima tentando responder a um vídeo do Ravi Zacharias sobre o problema do mal em resposta a um ateu. O vídeo do Ravi é rápido e sucinto e há outros vídeos expondo a questão de forma mais profunda. Com relação ao vídeo do ateísta Salatiel, veremos como suas respostas são simplistas, superficiais e não contra-argumentam o vídeo e a questão. Já íamos responder a outros vídeos dele e outros mas temos muito trabalho com o Logos. Portanto, podemos responder a esses críticos tanto aqui como no canal do Youtube do Logos.

Não é à toa que o Youtube abunda desses vídeos de ateístas de “filosofia de buteco” e “senso comum”, muitas vezes “pregando para o coro” e somente falando coisas que outros gostariam de ouvir. É por isso que esses canais têm audiência, pois passam um argumento ralo para atender a uma audiência já predisposta a aceitar o que vão falar. Vamos analisar cada ponto das alegações do Salatiel Junior. As alegações dele estão em azul e minhas respostas em preto.

Salatiel Júnior: “Ele [Ravi Zacharias], basicamente, parte de duas premissas. Uma delas é falsa: a premissa de que existe livre arbítrio. […] Biblicamente, isso [o livre arbítrio] é uma piada. […] A Bíblia mesmo contradiz essa ideia errônea: O Faraó no Egito, Deus endurecendo o coração; Jonas e a baleia.”

 

Segundo Salatiel, não existe livre arbítrio e a Bíblia confirma isso na história do Faraó e de Jonas. Porém, isso não é verdade. Vamos analisar abaixo ambos os casos.

O coração endurecido de Faraó

Primeiro, é importante entendermos os termos envolvidos e como os ateus definem “livre-arbítrio”. Alguns filósofos caracterizam o livre arbítrio como a capacidade irrestrita de fazer uma escolha quando um “poderia ter feito o contrário”. Mas o que eles realmente significam quando dizem: “Nós poderíamos ter feito o contrário”? Muitos pensadores argumentam que isso simplesmente significa “eu poderia ter feito uma escolha alternativa se eu quisesse “. Enquanto nossas escolhas são limitadas por nossos desejos e desejos fundamentais, desde que possamos fazer o que queremos , podemos dizer que atuar livremente. Sob essa definição, realmente não importa se meus desejos ou desejos iniciais foram determinados por processos físicos; Se minhas escolhas estão alinhadas ao mínimo com esses desejos, pode-se dizer que estou “fazendo o que eu quero” livremente. Os ateus, muitas vezes, defendem o determinismo.

O determinismo é a doutrina de que os eventos são determinados por causas naturais .

  • O determinismo é a doutrina filosófica de que todo evento no universo é a conseqüência inevitável de uma causa anterior.

O incompatibilismo considera que está em conflito com a doutrina do livre arbítrio , enquanto o compatibilismo não vê nenhum conflito entre os dois.

Alguns textos falam realmente que “o Senhor endureceu o coração de Faraó” (Êx 4,21; 7,3; 9,12; 10,1, 20, 27; 11,10; 14,4, 8). Outros afirmam que o próprio Faraó “endureceu o seu coração” (Êx 8,32; 9,34-35; 13,15). E há um terceiro grupo de textos que declaram simplesmente que “o coração de Faraó se endureceu” (Êx 7,13; 7,22; 8,15-19; 9,7). Tal endurecimento, portanto, é melhor compreendido como a entrega da pessoa a si mesma: “Por isso também Deus os entregou às concupiscências de seus corações” (Rm 1,24).

Mas de acordo com 1 Samuel 6,6, Deus não endureceu o coração de Faraó; O faraó fez isso por si mesmo “(Wells, 2001). Kendall Hobbs, em um ensaio intitulado “Por que eu não sou mais cristão” “Acrescentou a história de Faraó a uma lista de alegadas atrocidades cometidas pelo Deus da Bíblia. “Há muitas outras atrocidades cometidas por Deus ou a seu comando”, comenta Hobbs, e enumera “a história do Êxodo quando o faraó egípcio estava repetidamente pronto e disposto a deixar Moisés e seu povo ir até Deus endurecer seu coração e então Deus o puniu por seu coração endurecido enviando pragas ou matando crianças em todo o Egito “(Hobbs, 2003).

A resposta calvinista protestante ao cético é simplesmente dizer que Deus pode fazer o que Ele escolhe fazer e que os humanos não têm o direito de questionar Deus. Para ele, a resposta é “não retrair a soberania das eleições de Deus, nem tentar dar uma explicação racional aos homens duvidosos” (Palmer, 1972, p.33). Uma vez que o calvinismo dominou em grande parte a paisagem protestante nos últimos cinco séculos, a maioria dos céticos desprezou o cristianismo como absurdo e desviou-se com todo o desgosto para abraçar o ateísmo. O calvinista presunçoso declara: “Então seja! Você tem o problema! “

Mas por que muitas pessoas que pensam direito rejeitam a marca calvinista do cristianismo?A sua rejeição deve ser necessariamente devido ao desejo de estar livre das restrições morais e sociais que vêm com a aceitação da religião cristã? A incredulidade do incrédulo deve inevitavelmente ser o resultado de uma falta de vontade de aceitar a verdade ? Embora seja verdade que a maioria dos seres humanos na história rejeitou o caminho correto na vida devido ao orgulho teimoso, ao egoísmo e ao desejo de satisfazer os desejos carnais (ver Mateus 7,13-14; 1 João 2,15-17) Há exceções. Algumas pessoas rejeitam o cristianismo porque foram apresentadas com pseudo-cristianismo – uma versão católica ou protestante disso – o que Paulo chamou de “um evangelho diferente” (Gálatas 1,6), isto é, uma forma diluída e distorcida de cristianismo.

Voltando ao livro do Êxodo, a maioria dos leitores da Bíblia deve admitir que eles ficaram pelo menos um pouco assustados na primeira vez em que lêem sobre Deus endurecendo o coração de Faraó, e depois punindo este mesmo faraó por esse mesmo coração duro. Ao lidar com essas alegações, três declarações distintas são feitas no que diz respeito ao endurecimento do coração de Faraó. Primeiro, o texto afirma que Deus endureceu o coração de Faraó (7, 3; 9,12; 10,1.20,27; 11,10; 14,4,8), e os corações dos egípcios (14,17). Em segundo lugar, diz-se que Faraó endureceu seu próprio coração (8,15,32; 9,34), que ele se recusou a se humilhar (10,3), e que ele era teimoso (13,15). Em terceiro lugar, o texto usa a forma passiva para indicar que o coração de Faraó foi endurecido, sem dar nenhuma indicação quanto à fonte (7,13,14,22; 8,19; 9,7,35). As questões que surgem a partir deste estado de coisas são: (1) Deus endureceu o faraó em algumas ocasiões, enquanto o faraó endureceu-se nos outros? (2) Deus fez todo o endurecimento de Faraó, com as referências ao faraó endurecendo-se sendo o resultado de Deus forçando-o a fazê-lo contra a sua própria vontade? (3) Todas as três declarações dadas no texto realmente expressões paralelas significam a mesma coisa? (4) As três declarações são distintas umas das outras em seu significado, mas todas verdadeiras em seus próprios aspectos? O Deus da Bíblia é um Ser injusto e cruel?

 

Estão disponíveis duas excelentes explicações que explicam as declarações do Êxodo, cada uma perfeitamente plausível e suficiente para demonstrar que as interpretações cépticas e calvinistas estão incorretas. Ambas as explicações referem-se ao fato de que cada idioma tem sua própria maneira de usar certos tipos de palavras e frases que podem parecer estranhas para uma pessoa que não está familiarizada com o idioma. Por exemplo, suponha que uma pessoa comentou que seu chefe ficou bravo e “mordeu a cabeça”. Alguém pensaria que o falante realmente teve a cabeça mordida? Claro que não! Pessoas de língua inglesa entendem esse exemplo de fala figurativa. Ou suponha que uma pessoa tenha ido procurar um emprego, e alguém disse que estava “batendo nas ruas”. Ela não estava literalmente batendo nas ruas com os punhos. A maioria dos ingleses entenderia o idioma. Do mesmo jeito, as linguás bíblicas tinham idiomas, coloquialismos, semitismos e usos de palavras peculiares a eles, que os familiarizados com o idioma entenderiam.

Em seu trabalho copioso sobre figuras de discurso bíblicas, EW Bullinger enumerou várias formas em que as línguas hebraica e grega usavam verbos para significar algo diferente de seu uso estrito e literal. Ele listou vários versículos que mostram que as línguas “usaram verbos ativos para expressar a intenção do agente ou tentaram fazer qualquer coisa, mesmo que o fato não fosse realmente feito” (1898, página 821). Para ilustrar, ao discutir os israelitas, Deuteronômio 28,68 afirma: “Vós sereis vendidos (isto é, colocados à venda) para seus inimigos … e nenhum homem deve comprá-lo”. Os tradutores da Versão King James reconheceram a expressão e traduziram o verso, “vós sereis oferecidos para venda”. O texto indicava claramente que eles não seriam vendidos, porque não haveria comprador, mas o verbo ativo hebraico para “vendido” foi usado. No Novo Testamento, um exemplo claro deste tipo de uso é encontrado em 1 João 1,10, que afirma: “Se dissermos que não pecamos, fazemos Dele [Deus- KB / DM ] um mentiroso.” Ninguém pode fazer de Deus um mentiroso, mas a tentativa de negar o pecado é o equivalente a tentar fazer de Deus um mentiroso, que é traduzido com um verbo ativo como se realmente acontecesse. Os verbos, portanto, podem ter usos idiomáticos que podem transmitir algo além de um significado estrito e literal.

Uma segunda explicação igualmente legítima para o texto do Êxodo é que as alusões a Deus que endurecem o coração de Faraó são uma forma de fala figurativa, muito intimamente associada à metáfora, conhecida como “metonímia”, onde um nome ou palavra é empregada para outra. Por exemplo, quando falamos de “ler Shakespeare”, queremos dizer que lemos seus escritos ou peças. Deus endurecendo o coração de Faraó seria “metonímia do assunto”, isto é, o assunto é anunciado, enquanto se entende alguma propriedade ou circunstância que o pertence. Especificamente, sob esta forma da figura, “às vezes diz-se que uma ação foi realizada, quando tudo o que se entende por ela é que uma ocasião foi dada” (Dungan, 1888, p. 287, ver Bullinger, 1898, página 570).

A Bíblia está repleta de exemplos que ilustram essa figura de discurso. João relatou que “Jesus fez e batizou mais discípulos do que João” (João 4,1). Na realidade, Jesus não batizou pessoalmente a ninguém (João 4,2). Mas seu ensinamento e influência fizeram com que ele fosse feito. Jesus, o assunto, é mencionado, mas é a circunstância de Sua influência que é pretendida. Seu ensino foi responsável por pessoas sendo batizadas. Repetidamente no livro de 1 Reis, vários reis de Israel dizem ter “andado no caminho de Jeroboão … que fez Israel pecar” (ex., 1 Reis 16, 19,26; 22,52). Mas Jeroboão não forçou nem os seus contemporâneos nem os seus sucessores a pecar. Em vez disso, ele deu um exemplo que eles escolheram seguir. Judas foi dito ter comprado um campo com o dinheiro que obteve traindo Cristo (Atos 1,18). Mas, na realidade, ele devolveu o dinheiro aos principais sacerdotes e depois se pendurou. O dinheiro do sangue foi então usado para comprar o campo (Mateus 27,5-7). Por metonímia do assunto, Judas foi dito ter feito o que sua ação ocasionou. Paulo advertiu os cristãos romanos: “Não destruam com a sua comida aquele por quem Cristo morreu” (Romanos 14,15). O que ele queria dizer é que eles não devem dar um exemplo que atrai irmãos mais fracos para fazer o que eles consideram errado. Paulo disse aos cristãos coríntios que eles estavam em posição de “salvar” seus cônjuges incrédulos (1 Coríntios 7,16). Ele disse a Timóteo que ele estava em posição de “salvar” aqueles que ouviram seus ensinamentos (1 Timóteo 4,16). Em ambos os casos, Paulo quis dizer que o ensino adequado e um exemplo apropriado poderiam influenciar os destinatários a obedecer a vontade de Deus para suas vidas.

No caso de Faraó, “Deus endureceu o coração de Faraó” no sentido de que Deus providenciou as circunstâncias e a ocasião para o faraó se forçar a tomar uma decisão. Deus enviou Moisés para colocar suas demandas diante do faraó. Moisés apenas anunciou as instruções de Deus. Deus até acompanhou a Sua Palavra com milagres – para confirmar a origem divina da mensagem (cf. Marcos 16,20). O faraó resolveu resistir às exigências de Deus. Por sua própria vontade, ele se recusou obstinadamente a cumprir. Claro, Deus providenciou a ocasião para o faraó demonstrar sua atitude inflexível. Se Deus não tivesse enviado Moisés, Faraó não teria enfrentado o dilema de libertar os israelitas. Então, Deus certamente foi o instigador e o iniciador. Mas ele não era o autor do desafio de Faraó.

Sobre a história de Jonas. Vamos definir o que é livre arbítrio: Consiste unicamente em tomar a decisão de obedecer ou não a vontade de Deus. Uma pergunta: Jonas foi para Nínive assim que Deus ordenara? É claro que não. Se ele não foi para Nínive como Deus mandou, como Salatiel pode dizer que ele não exerceu uma livre escolha?

Como eu disse, Jonas não tinha escolha onde a baleia o pegou, mas ele tinha TODAS as opções para 

a) entrar na cidade de Nínive (que estava a centenas de quilômetros da costa mais próxima em qualquer caso – então ele conscientemente tomou a decisão de ir lá ) 

Eb) pregar aos Ninivitas 

Mas isso nenhum ateísta vai falar, ainda mais Salatiel, nesse vídeo simplista e raso, de profundidade tão profunda quanto um pires. Raramente se vê algo de análise honesta nesses vídeos de neo-ateus de Youtube.

Salatiel Júnior: “Eu separei um trechinho, que vocês estão vendo aí: Uma parte onde ele [Ravi Zacharias] fala: ‘E o objetivo supremo de Deus para você e eu é que o amemos de todo coração, e amemos nosso próximo como a nós mesmos. Se Ele violar nosso livre arbítrio, Ele estaria violando um componente necessário para que o amor floresça e se expresse.’

Então o próprio cara já assumiu que Deus, realmente, Ele violou isso. Você pega lá em Jonas, por exemplo, Jonas não queria ir para Nínive. Mas o que que Ele [Deus] fez? Fez com que a baleia engolisse ele e levasse para onde Deus queria. Ou seja, [Deus] interferiu no livre arbítrio de Jonas. E Deus também interferiu no livre arbítrio do Faraó quando endureceu o coração. O Faraó, de acordo com os textos lá [na Bíblia], queria realmente libertar o povo do Egito, mas Deus endureceu o coração pra foder com tudo.”

Primeiro, Ravi não assumiu que Deus realmente violou o livre arbítrio de alguém. Ravi disse apenas que SE Deus violasse o nosso livre arbítrio, Ele estaria violando um componente necessário para que o amor floresça e se expresse.

Com exceção de apenas uma coisa:  um elemento da criação que flagrantemente desobedece as ordens de Deus: o homem Jonas.

(Agora volto para os meus pensamentos.) No entanto, mesmo aqui, tudo está bem: Deus consegue tomar Jonas e ainda cumprir o Plano dele. Todo mundo sabe disso , mas aqui é algo que só me ocorreu nesta leitura: há mais para Jonas do que simplesmente: “Ele desobedece a Deus”. Não, veja, Jonas conhece o Senhor. Ele entende bem a Sua natureza, como ele discute em vários pontos ao longo do livro. E não porque ele está pregando, mas ele diz isso com naturalidade: aos marinheiros no início da história e a Deus no final.

Além disso, Jonas é muito teimoso, e ele não pensa muito nos outros. Então ele é apenas o tipo de cara que o Senhor precisa enviar Sua mensagem para Nínive. Mas primeiro, ele precisava reforçar Jonas, para lhe dar uma confiança absoluta e não ter medo de ser ridicularizado e muito menos espancado e morto, enquanto caminhava pelas ruas de Nínive.

Salatiel Júnior: “Existem várias definições de amor. […] Eu acredito que você deva concordar comigo que, para se existir amor, você tem que se colocar no lugar da pessoa. […] E, acima de tudo, você, quando ama alguém de verdade, você deseja o máximo de bem-estar para ela. Você quer que ela seja feliz. Então, basicamente, esses dois elementos são fundamentais para que nós possamos dizer que realmente amamos alguém: você se coloca no lugar da pessoa e você deseja o máximo de bem-estar [a ela]. […] Portanto, isso é muito contraditório. O cara [Ravi Zacharias], no vídeo, fala que Deus ama as pessoas, que Deus ama muito, que Ele preza pelo livre arbítrio, o amor.  Pera aí, se Ele realmente amasse, se Ele realmente se colocasse no lugar da pessoa que tá lá com a arma na cabeça, se Ele realmente se preocupasse com o bem-estar daquele indivíduo, Ele não ia deixar que ele fosse assassinado.”

Novamente, o Salatiel vem com essa definição neo-ateia de “amor e sofrimento”, como o Yuri Grecco tinha feito e já tinha respondido. É a teoria do “bem-estar”. Todos os meus amigos ateus e familiares acreditam em “amor”. Mas o que é amor? Aqui está uma pergunta:

Se os seres humanos não têm alma e são meramente animais evolutivos avançados, o “amor” é algo mais do que instinto ou hormônios?

Como um ateu pode dizer que ele ama alguém e não significa nada mais do que instinto e hormônios? Gostaria especialmente de ouvir a resposta de ateias. O amor é apenas uma resposta física?

De uma perspectiva moral, metafísica e espiritual, os ateístas têm uma incapacidade de explicar satisfatoriamente a existência do amor.

O Dr. Taylor Marshall escreveu sobre ateísmo e amor :

Todos os meus amigos ateus e familiares acreditam em “amor”. Mas o que é amor? Aqui está uma pergunta:Se os seres humanos não têm alma e são meramente animais evolutivos avançados, o “amor” é algo mais do que instinto ou hormônios ?

… se o amor não é exclusivamente religioso, então, o que é? Vamos explorar as duas formas mais básicas de amor: amor de um pai para uma criança e amor nupcial entre marido e mulher.

Quando mamãe diz a seu bebê de um ano, “eu te amo”, o ateu diz que não está expressando nada metafísico ou espiritual. Na verdade, diz o ateu, a mãe está verbalizando o instinto para preservar sua espécie, assim como a zebra de uma mãe protege e promove o crescimento da zebra do bebê. É isso aí. Nada mais. É instinto combinado com tags verbais. Quando um pai “ama” seu filho, ela está apenas adicionando uma sugestão verbal para um instinto evolutivo avançado para continuar com a espécie.

A mesma realidade empírica é verdadeira entre dois amantes. Para o ateu, nada de sacramental, metafísico ou espiritual está acontecendo em um relacionamento amoroso. Os dois não se “tornam uma só carne”, como dizemos na linguagem bíblica e matrimonial, mais do que um galo e uma galinha “tornam-se uma só carne”.

Quando um homem diz: “Eu amo você”, para sua esposa, ele simplesmente está expressando algo sobre seus níveis hormonais em relação a ela como uma companheira. O que ele realmente está dizendo é: “Meus hormônios aumentam para você”, não “Você é minha alma gêmea”, porque o ateu não acredita em almas ou conexões metafísicas entre humanos.

Aliás, os hormônios de um homem podem começar a subir para outra mulher (ou várias mulheres) em algum momento. O mesmo homem também pode estar pronto para dizer, “eu amo você”, também para essas novas mulheres.

 

Como Ravi Zacharias explicou no vídeo, o objetivo supremo de Deus para nós é que O amemos de todo o nosso coração, de todo a nossa alma e de todo o nosso entendimento, e amemos o nosso próximo como a nós mesmos (Mt 22,37-39; Lc 10,27). E, uma vez que é impossível amar verdadeiramente sem ser livre (pois se não temos livre arbítrio, somos apenas robozinhos controlados por Deus, e, no máximo, podemos consentir, mas não escolher expressar a realidade do amor), se Deus violasse o nosso livre arbítrio, Ele estaria violando um componente necessário para que o amor floresça e se expresse. E foi por isso que Ele não impediu o assassinato do judeu: porque Ele não quis violar o livre arbítrio do assassino. Mas que Deus amou e desejou o máximo de bem-estar ao judeu, isso é indiscutível, pois senão não teria enviado o Seu Filho Unigênito para salvá-lo.

 Salatiel Júnior: “E não foi assim na Bíblia? Não foi dessa forma que Deus, supostamente, fez quando o povo de Israel saiu do Egito? Chegou no mar, fodeu. O que Ele fez? Não houve uma intervenção lá? Ele não teve que abrir o mar? Ué, e o livre arbítrio das pessoas de escolher morrer afogado ou morrer assassinado pelo exército do Faraó? Era a escolha deles, Deus não deveria ter colocado o dedinho lá. Ele violou o livre arbítrio das pessoas, Ele manipulou, mexeu na realidade, Ele não deixou acontecer.”

Essa é uma das falas mais hilárias de Salatiel no vídeo! Por quê? Simplesmente porque Deus abrir o Mar Vermelho não consiste numa intervenção do livre arbítrio dos hebreus: Eles ainda podiam escolher atravessar o Mar e se salvar, se jogar na água e morrerem afogados ou ficar e esperar que o exército do Faraó os assassinasse. Mas eles livremente escolheram atravessar.

Os calvinistas parecem tentar fazer esse ponto com freqüência. Se o exército de Faraó está atravessando o Mar Vermelho e Deus os impede batendo as ondas sobre eles de todos os lados, isso é reivindicado como uma “violação do livre arbítrio”. Como Deus está matando pessoas, ele não está deixando que eles usem sua “vontade livre” para atravessar o Mar Vermelho.

Ao contrário do que os calvinistas afirmam, isso não é absolutamente uma violação do livre arbítrio; O livre arbítrio envolve a supressão da vontade interna de alguém, a fim de anular o seu pensamento interno. O livre arbítrio não é sobre restrições físicas ou mentais impostas pela realidade. Só porque a gravidade existe, não significa que a “vontade livre” de querer ser sem peso é substituída. Minha “vontade” de ser sem peso existe se posso ou não conseguir uma realidade.

Salatiel Júnior: “Olha só que interessante. Tem outra coisa que ele [Ravi Zacharias] fala. Aí ele vai discursando: ‘Se você está pedindo que Deus sempre pare o gatilho, por que Deus não deveria parar tudo? Por mais maravilhoso que, ao parar isso, pareça que Ele está protegendo você daquilo que é destrutível,’. Então, veja só, aqui a tradução não tá lá grande coisa, tá meio ‘zoadona’, mas não tem problema. O que ele quer dizer é o seguinte: Por que que Deus não deveria parar tudo? Isso significa que o modelo que Ele criou, o modelo que foi criado por Deus, é uma bosta. Até o cara mesmo admite.”

A ignorância patética do Salatiel (típica de neo-ateus e saloios em geral) é visível aqui. Em primeiro lugar, a tradução não está “zoadona”. O problema é que Salatiel parou de ler na vírgula e não no ponto; ele não leu o trecho completo, por isso não entendeu o que Ravi quis dizer. Além disso, isolou dois trechos, ignorando o contexto. Então vamos transcrever a fala de Ravi completa abaixo, deixando em negrito os trechos que Salatiel citou:

“Se você está pedindo que Deus sempre pare o gatilho, por que Deus não deveria parar tudo? E, na próxima vez que você segurar um copo de água fervendo, Ele congela a água. Na próxima vez que você cruzar a rua e vai ser atropelado, Ele puxa sua perna para trás. O que você está pedindo é uma entidade diferente da humanidade! Por mais maravilhoso que, ao parar isso, pareça que Ele está protegendo você daquilo que é destrutivo, a grande negação que você está pedindo é a do seu livre arbítrio; a de poder escolher amar a seu Deus com todo o seu coração e com toda a sua alma.”

Perceba que o argumento de Ravi é: Se Deus tem que parar o gatilho, por que Ele não deveria parar tudo? Então, por mais que, ao parar coisas ruins, pareça que Deus está nos protegendo do que é destrutível, Ele estaria, na verdade, violando completamente o nosso livre arbítrio, e, portanto, impedindo que sintamos e expressemos o verdadeiro amor.

Em seguida, Salatiel diz: “Isso significa que o modelo que Ele criou, o modelo que foi criado por Deus, é uma bosta. Até o cara mesmo admite.” Isso é apenas uma falácia do espantalho. Como acabamos de ver acima, o argumento de Ravi é outro. É incrível como esses ateístas são desonestos.

Salatiel Júnior: “Aí, para fechar o vídeo com chave de ouro, o cara ainda me diz essa: ‘Por que você não espera até estar diante de Deus, face a face, e vai descobrir que havia razões porque Ele não parou aquele gatilho?’ Ou seja, vamos aceitar o mundo do jeito que é, vamos aceitar isso, Deus permite o mal mesmo, Deus não tá nem aí e depois que a gente morrer, depois que você morrer, aí sim nós vamos saber, depois da morte… Eu não quero esperar até a morte para descobrir que Deus não existe. Eu não sou obrigado e nem deveria ser obrigado a aceitar atrocidades, aceitar a violação da liberdade sob o pretexto de ‘ah, não, depois que você morrer Deus vai explicar, depois da morte. Isso é mistério.’ Enquanto isso as pessoas vão ser torturadas, mortas. Não, não. Isso é desculpa esfarrapada. Isso é fugir da realidade.”

Notem a profundidade filosófica digna de um pires aqui. Mas é claro que Salatiel não é obrigado a aceitar a violação da liberdade, afinal ele tem livre arbítrio! Mas agora ficamos com uma dúvida: Que liberdade Deus ou qualquer outra pessoa pode violar se essa tal liberdade, segundo Salatiel, não existe? Nossa, essa fala fez o neoateu se contradizer, tendo sua “argumentação” caído por terra!

Deus também faz isso. O rei Nabucodonosor era um grande e poderoso rei. Daniel 4 descreve um exemplo em que Deus quer humilhar o rei Nabucodonosor:

Daniel 4:,4 esta é a interpretação, ó rei, e este é o decreto do Altíssimo, que veio sobre o rei meu senhor.
Dan 4,25 Eles o expulsarão dos homens, a sua morada será com os animais de O campo, e eles te farão comer grama como bois. Eles o molharão com o orvalho do céu, e sete vezes passarão sobre você, até que você saiba que o Altíssimo governa no reino dos homens e o entrega a quem Ele escolher.
Dan 4,26 “E, na medida em que deram o comando de deixar o tronco e as raízes da árvore, seu reino será assegurado a você, depois de ter conhecimento do céu.

Deus não pode simplesmente anular a vontade de Nabucodonosor. Seria infinitamente mais fácil para Deus simplesmente “reforçar” a Sua vontade, substituindo a vontade humana. Deus não precisa “afogar os egípcios” (Ex 14), “fazer Zacarias mudo” (Lc 1), ou “enviar espíritos mentirosos para convencer falsos profetas” (1Re 22). Se Deus altera as vontades, Deus poderia apenas “fazer os egípcios decidirem se virar”, “Zacarias nomear seu filho João” e “fazer Acabe decidir-se a ir à batalha”. Mas a Bíblia não descreve isso. Deus, em vez disso, usa seus recursos para parar e manipular pessoas físicas e mentalmente. Deus aflige Nabucodonosor tanto fisicamente como mentalmente, transforma-o em uma besta psicótica, para fazê-lo humilde. Isso funciona, e Nabucodonosor é muito mais humilde do que antes da humilhação.

Isso contrasta com um robô. Um robô não tem livre arbítrio. É o sonho de todos os programadores simular o livre arbítrio. Um robô não pode realmente escolher executar uma ação. Em vez disso, cada decisão é determinada pela codificação. Mesmo o número “aleatório” gerado por computador não é realmente números aleatórios, mas em vez disso é determinado por fórmulas complexas. Computadores, mesmo que não fisicamente ou mentalmente impedidos, não têm livre arbítrio.

O livre arbítrio não é limitado por impedimentos físicos e mentais. O livre arbítrio é a nossa decisão interna, além das capacidades e limitações físicas e mentais. Quando os calvinistas vêem Deus matando alguém como “limitando a vontade dessa pessoa” devemos corrigi-los. Deus impede indivíduos, mas nenhum lugar da Bíblia “limita sua vontade”.

Salatiel Júnior: “Deus, Ele é sim o criador do mal, por dois motivos […]:

Primeiro, foi Ele que colocou a árvore do conhecimento do bem e do mal. Isso em Adão e Eva. O conhecimento da maldade tava em Deus. Deus colocou lá na árvore. Foi Ele que fez aquela porra lá.”

Já comentamos sobre essa questão aqui. Note a típica boçalidade e baixo nível dos ateístas ao comentarem. Como não conseguem alcançar um grau maior de argumentação, acham que falar expressões chulas ajuda.

Desde as primeiras idades da história humana, as pessoas tentaram desculpar suas ações erradas e, assim, evitar sua responsabilidade pessoal. No início, o homem usou suas habilidades mentais para “engenhosamente” criar a primeira desculpa que o absolveria de sua culpa por quebrar a lei de Deus. Ele declarou em sua própria defesa: “A mulher que você deu para estar comigo, ela me deu da árvore e eu comi” (Gênesis 3,12). A mulher, seguindo o “exemplo astuto” de seu companheiro, que pensou que ele colocou a culpa sobre ela, rapidamente refletiu: “A serpente me enganou e comi” (Gênesis 3,13).

O relato da criação de Gênesis é uma das narrações mais sublimes registradas na Bíblia. A obra-prima do Criador é uma sinfonia harmoniosa que delicia nossos ouvidos. Há apenas uma coisa que chora no nosso tímpano – algo que impediu muitos de acreditar no Criador – a criação de uma árvore específica. Para muitos, a questão, “Por que Deus criou essa árvore”, é irrelevante, uma vez que não conseguem conciliar a idéia de um Deus benevolente com o fato da criação de algo que resultou na queda do homem. Como um escritor sugeriu:

Este versículo pode ser interpretado como se Deus também criasse o mal … Muitas vezes, os crentes afirmam que todo o bem vem de Deus e o mal vem do homem, mas parece que, no momento da leitura da Bíblia, eles esquecem que o mesmo Deus que criou o bem, também criou o mal … que necessidade Deus teve que plantar esta árvore cujos frutos eram frutos do mal? E aqui se coloca um dilema, ou Deus não sabia o que aconteceria com essa pequena árvore incômoda, ou se Ele soubesse, então, por que Ele fez a árvore? Se Ele não soubesse, então Ele não era sábio, e se Ele soubesse que ele era perverso (Alba, María (sem data), “Génesis 2: El Hombre no Huerto del Edén”, on-line, URL : http://www.sindioses.org/genesis/genesis2.html., nd, grifo nosso.)

No entanto, assumindo que a árvore do conhecimento do bem e do mal era má é o principal erro que uma pessoa faz ao querer (ou não querer, como a citação acima é óbvia) para entender os caminhos de Deus. Gênesis 1,31 registra: “Então Deus viu tudo o que Ele havia feito, e de fato foi muito bom.” As escrituras declaram claramente que tudo o que Deus criou não só era bom, mas “muito bom . Êxodo 20,11 registra que tudo foi criado nos seis dias da atividade criativa divina; Assim, nada foi criado depois desses dias. A conclusão verdadeira e inevitável, então, é que a árvore do conhecimento do bem e do mal era de fato “muito boa”.

“Segundo, Isaías deixa bem claro: ‘Eu, o Senhor, crio o mal’.”

Já explicamos isso também. Salatiel é deliberadamente ou não desonesto. Como não conhece hebraico e somente depende do português para tentar analisar, parte para conclusões absurdas. Isaías 45,7 contrasta opostos. A escuridão é o oposto da luz. No entanto, o mal não é o oposto da paz. A palavra hebraica traduzida como “paz” é Shalom, que tem muitos significados, principalmente relacionadas ao bem-estar dos indivíduos. ra’ah , a palavra hebraica traduzida por “mal” na Almeida muitas vezes refere-se a adversidade ou calamidade. Existem duas formas da palavra. O termo H7451a no dicionário Strong na maioria das vezes refere-se ao mal moral, enquanto H7451b de Strong (a forma usada aqui) na maioria das vezes refere-se a calamidade ou de emergência. Obviamente, “calamidade” é melhor antônimo de “paz” do que “o mal”.

Em primeiro lugar, o versículo não pode fazer referência ao mal moral (maldade), pois isso se opõe à natureza infinitamente santa de Deus (Isaías 6,3). Jeová é um “Deus de fidelidade e sem iniqüidade” (Deuteronômio 32, 4). Ele não é “um Deus que tem prazer na iniqüidade” (Salmo 5,4). Também não se pode supor que este versículo tenha a ver com a criação original de Jeová, pois, no término da semana da criação, o Senhor viu “tudo o que tinha feito, e eis que era muito bom” (Gênesis 1,31).

Deus nos deu o livre-arbítrio (Deuteronômio 30,19; 1 Coríntios 6,12). Ou seja, somos livres para praticar tanto o bem quanto o mal. Quem pratica o mal moral somos nós, não Deus. O mal surge quando o ser humano usa a sua liberdade para fazer o mal, e não o bem.

“Se uma pessoa for livre com respeito a uma dada ação, então, tem a liberdade de realizá-la ou não, nenhuma das condições anteriores e/ou leis causais determinam que ela realizará ou não a ação. Ela tem o poder, no momento em questão, para realizar a ação, e tem poder para não a realizar … Ora, Deus pode criar criaturas livres, mas não pode causar ou determinar que façam apenas o que é correto. Afinal, se o fizer, então elas não são afinal significativamente livres; não fazem o que é livremente correto. Para criar criaturas com capacidade para o bem moral, portanto, Deus tem de criar criaturas com capacidade para o mal moral, e não pode dar a essas criaturas a liberdade de executar o mal, e ao mesmo tempo, impedi-las de executá-lo. E aconteceu, infelizmente, que algumas das criaturas livres que Deus criou erraram no exercício da sua liberdade, essa é a fonte do mal moral.” (PLANTINGA, Alvin. Deus, a liberdade e o mal. p. 46-47.)

Salatiel Júnior: “É óbvio que se Ele [Deus] é o criador de tudo, Ele criou o mal também. É uma questão lógica.”

Argumento ateísta: “Partindo da premissa de que Deus criou todas as coisas que existem, Ele também deve ter criado o mal.” Esse argumento é incrivelmente simples de refutar. Observe:

  1. Deus é o criador de todas as coisas;
  2. Deus criou agentes morais livres (nós), isto é, seres dotados de vontade própria e capacidade de tomar decisões (livre arbítrio);
  3. Deus é bom, portanto não pode ser o criador o mal;
  4. O mal existe;

Logo, o mal só pode ser consequência de escolhas erradas (pecaminosas) dos seres livres (nós) que Deus criou.

Ou

“O cristianismo ensina que Deus, que é todo-poderoso e amoroso, criou o universo. Na definição cristã tudo é criado por Deus. Tudo inclui o mal e os pecados. Portanto, é uma dedução lógica que o mal e os pecados são criações de Deus”.O problema aqui é que você tem uma premissa defeituosa. O mal e os pecados não são “coisas” em si mesmos. Eles não existem de forma autônoma. Pelo contrário, eles são a ausência do perfeito que Deus fez. Isso se torna complicado, então deixe-me dar-lhe alguns exemplos. Eu tenho a capacidade de criar um vácuo de espaço. Agora, eu faço isso não fazendo algo com materiais, mas removendo todo o ar e partículas desse espaço. O vazio que resta é o que escolhemos para rotular o vácuo. Não é uma coisa em si, mas é um termo que usamos para afirmar que tudo o resto se foi. Da mesma forma, usamos o termo frio para descrever uma temperatura mais baixa. Qualquer homem do condicionador de ar pode dizer-lhe que para arrefecer algo, você não fica frio, mas você tem que tirar o calor! O frio é a ausência de energia que causa calor.

O pecado e o mal são considerados os mesmos. Essas coisas não podem existir como “coisas” que são independentes das circunstâncias, mas são os rótulos atribuídos a ações ou características que não atendem ao objetivo da perfeição. Agora, você pode dizer “Aha! Se essas coisas são ações que podem ser realizadas, então elas devem existir de forma autônoma”. Isso não é verdade.

Assim como o braço quebrado, o mal e o pecado são os resultados dolorosos de uma queda. O mundo e tudo o que nele está criado foram perfeitos, mas a queda do homem criou ramificações e consequências com as quais ainda estamos lutando hoje. Não são habilidades ou objetivos a serem alcançados, mas são os termos que usamos para transmitir a idéia de ausência de justiça. É por isso que, quando alguém lê que Deus não pode mentir e eles tentam afirmar que Deus não poderia ser onipotente porque ele não tem algo, eles estão enganados. O ato de mentir é realmente um ato de não poder dizer a verdade. Quando você pergunta por que Deus permitiu que os humanos tenham capacidade para o mal, você não está enquadrando sua pergunta de forma justa. Você também pode perguntar por que Deus nos criou com articulações que poderiam ser quebradas. Ele não queria que estivéssemos quebrar suas regras, mas uma vez que quebramos (e cada um de nós tem) Ele teve que tomar medidas para reparar o estado em que estamos.

O cristianismo é vital desta maneira. Estamos em uma condição espiritual muito mais severa e perigosa do que um braço quebrado. Estamos morrendo de uma doença chamada pecado. Deus nos mostrou o Seu amor enquanto estávamos nesse estado pecaminoso. Ele enviou uma cura para a humanidade ao permitir que Seu Filho perfeito morra por nós para que possamos viver. Ele mesmo fez o tratamento o mais simples possível. Tudo o que devemos fazer é confiar e confiar em Jesus, acreditar que Ele morreu por nossos pecados e optar por segui-Lo. Desta forma, poderíamos nos libertar dos efeitos do pecado para sempre sem perder nossa livre vontade. Espero que esta discussão o tenha ajudado a ver as coisas numa perspectiva que talvez você não tenha visto antes. Por favor, deixe-me saber o que você pensa.

“Construíram o alto de Tofete no vale de Ben-Hinom, para queimarem em sacrifício os seus filhos e as suas filhas, coisa que nunca ordenei e que jamais me veio à mente.” (Jeremias 7:31)

“Construíram nos montes os altares dedicados a Baal, para queimarem os seus filhos como holocaustos oferecidos a Baal, coisa que não ordenei, da qual nunca falei nem jamais me veio à mente.” (Jeremias 19:5)

“’Construíram o alto para Baal no vale de Ben-Hinom, para sacrificarem a Moloque os seus filhos e as suas filhas, coisa que nunca ordenei, prática repugnante que jamais imaginei; e, assim, levaram Judá a pecar.’” (Jeremias 32:35)

[É claro que Deus sabia disso tudo de antemão, afinal Ele é presciente. Dizer que nunca isso Lhe veio à mente, que jamais imaginou tamanha iniquidade, foi apenas a maneira que Deus encontrou de expressar toda a Sua indignação diante do pecado dos homens.]

(Perceba que nesses textos as pessoas fizeram coisas que Deus nunca ordenou, ou seja, foram elas que, de livre e espontânea vontade, o fizeram.)

“Mas os fariseus e os peritos na lei rejeitaram o propósito de Deus para eles, não sendo batizados por João.” (Lucas 7:30)

Poderíamos citar ainda muitos outros exemplos, mas esses já são o suficiente. Então, se Salatiel quiser nos fazer acreditar que biblicamente livre arbítrio não existe, ele terá muito trabalho pela frente…

Comentários

Comentários

Sobre o autor

Número de entradas : 1307

© 2011 Powered By Wordpress, Goodnews Theme By Momizat Team

Voltar para o topo