Você está aqui:Home » Apologética geral » Os cristãos e o Halloween

Os cristãos e o Halloween

halloweenHalloween. É uma época do ano quando o ar fica mais nítido, os dias ficam mais curtos, e para muitos jovens americanos a excitação cresce em antecipação ao feriado mais escuro e assustador do ano. Os varejistas também se alegram em aquecer suas caixas registadoras para receber uma média de US$ 79,82 por família em decorações, trajes, doces e cartões. O Halloween fez girar aproximadamente US$ 8 bilhões este ano.

É uma boa aposta que os varejistas não aceitarão grandes expectativas de conseguir $79,82 por agregado familiar do mercado cristão. Muitos cristãos se recusam a participar de Halloween. Alguns estão cautelosos com as suas origens pagãs; outros de suas imagens obscuras e macabras; outros ainda estão preocupados com a segurança dos seus filhos. Mas outros cristãos optam por participar das festividades, seja participando de atividades escolares, doces ou travessuras, ou uma alternativa ao Halloween em sua igreja.

A pergunta é: Como os cristãos devem responder ao Halloween? É irresponsável que os pais deixem seus filhos brincarem de doces ou travessuras? E sobre os cristãos que se recusam qualquer tipo de celebração durante a temporada-que eles estão exagerando?

A origem pagã do Halloween
O nome “Halloween” vem da celebração do Dia de Todos os Santos da primitiva igreja cristã, um dia reservado para a lembrança solene dos mártires. All Hallows Eve, a noite anterior do Dia de Todos os Santos, começou o tempo de recordação. “All Hallows Eve” acabou por ser contratado para “Hallow-e’en”, que tornou-se “Halloween”.

À medida em que o cristianismo expandiu-se pela Europa colidiu com culturas pagãs nativas e confrontou costumes estabelecidos. Feriados pagãos e festivais eram tão enraizados que os novos convertidos viram ser um obstáculo à sua fé. Para lidar com o problema, a Igreja organizada comumente movia um feriado distintamente cristão para um lugar no calendário que desafiava diretamente um feriado pagão. A intenção era combater influências pagãs e fornecer uma alternativa cristã. Mas na maioria das vezes a Igreja só conseguiu “cristianizar” um ritual pagão – 0 ritual era ainda pagão, mas misturado com o simbolismo cristão. Isso é o que aconteceu com All Saints Eve, a alternativa original do Halloween!

Os povos celtas da Europa e Grã-Bretanha foram druidas pagãos cujas celebrações principais foram marcadas pelas estações do ano. No final do ano no norte da Europa, as pessoas faziam os preparativos para garantir a sobrevivência no inverno pela colheita das culturas e o abate de gado, abatendo animais para alimentar as pessoas. A vida tornava-se mais lenta à medida que o inverno trazia a escuridão (encurtando dias e noites mais longas), pousio, e morte. As imagens da morte, simbolizada por esqueletos, crânios, e a cor preta, continua a ser destaque nas celebrações do Halloween atualmente.

O festival pagão do Samhain (pronuncia-se “sou” “rên”) celebrava colheita final, a morte e o início do inverno, durante três dias, em 31 de outubro a 2 de novembro. Os celtas acreditavam que a cortina dividindo os vivos e os mortos era levantada durante o Samhain para permitir que os espíritos dos mortos caminhassem entre os vivos – fantasmas que assombravam a terra.

Alguns abraçaram a temporada de assombro por se envolver em práticas ocultas como adivinhação e comunicação com os mortos. Eles procuraram espíritos “divinos” (demônios) e os espíritos de seus antepassados sobre previsões do tempo para o próximo ano, as expectativas da colheita, e até mesmo perspectivas românticas. Sacudir maçãs foi uma prática dos pagãos usada para adivinhar “bênçãos” do mundo espiritual sobre o romance de um casal.

Para outros, o foco sobre a morte, ocultismo, adivinhação, e o pensamento de espíritos voltando a assombrar os vivos, alimentava uma superstição ignorante e os medos. Eles acreditavam que os espíritos estavam presos à terra até que recebiam uma despedida adequada com certas oferendas – posses, riqueza, comida e bebida. Os espíritos que não eram devidamente “tratados” poderiam “enganar” quem os havia negligenciado. O medo de assombração só se multiplicavas se o espírito havia sido ofendido durante a sua vida natural.

Acreditava-se que os espíritos brincalhões tinham aparências grotescas. Algumas tradições acreditavam que vestir um traje para se parecer com um espírito iria enganar os espíritos errantes. Outros acreditavam os espíritos poderiam ser repelidos pela escultura de um rosto grotesco em uma cabaça ou raiz (os escoceses usavam nabos) e colocar uma vela no interior de uma abóbora.

Nesse mundo supersticioso e pagão, Deus misericordiosamente brilhou a luz do Evangelho. Os cristãos recém-convertidos armaram-se com a verdade e não mais temiam uma assombração de espíritos dos mortos que retornam à terra. Na verdade, eles denunciaram seu antigo espiritismo pagão de acordo com Deuteronômio 18:

Não se achará entre ti alguém … que usa adivinhação, aquele que pratica bruxaria, ou aquele que interpreta presságios, ou um feiticeiro, ou aquele que lança um feitiço, ou um meio, nem mágico, nem quem consulte-se o morto. Pois quem faz tal coisa é abominação ao Senhor ( Deuteronômio 18, 10-13 ).

No entanto, os cristãos convertidos viam que a influência familiar e cultural era difícil de suportar; eles foram tentados a voltar as festas pagãs, especialmente o Samhain. O Papa Gregório IV reagiu ao desafio pagã movendo a celebração do Dia de Todos os Santos no nono século – ele definiu a data em 1 de novembro, bem no meio do Samhain.

Ao longo dos séculos, o Samhain e o All Hallows Eve foram misturados. Por um lado, as superstições pagãs deram lugar a superstições “cristianizados” e forneceram mais apoio para o medo. As pessoas começaram a compreender que os espíritos ancestrais pagãos eram demônios e os adivinhos estavam praticando bruxaria e necromancia. Por outro lado, o tempo de festa fornecia uma maior oportunidade para a folia. A brincadeira do doces ou travessuras tornou-se um momento em que bandos itinerantes de jovens arruaceiros iam de casa em casa juntando comida e bebida para suas festas. Os chefes de família que se negavam a doar alguma coisa corriam o risco de um “truque” que estava sendo jogado em sua propriedade pelos jovens bêbados.

O Halloween não se tornou um feriado americano até a imigração das classes trabalhadoras das Ilhas Britânicas no final do século XIX. Enquanto os primeiros imigrantes podem ter acreditado nas tradições supersticiosas, foram os aspectos perniciosos do feriado que atraiu os jovens americanos. As gerações mais jovens emprestaram ou adaptaram muitos costumes sem referência a suas origens pagãs.

Hollywood tem acrescentado à “brincadeira” uma ampla variedade de caracteres ficcionais – demônios, monstros, vampiros, lobisomens, múmias e psicopatas. Isso certamente não está melhorando a mente americana, mas com certeza está dando muito dinheiro a alguém.

A resposta cristã para o Halloween
Hoje o Halloween é quase exclusivamente um feriado secular americano, mas muitos que comemoram não têm noção de suas origens religiosas ou herança pagã. Isso não quer dizer que o Halloween tornou-se mais saudável. As crianças se vestem com trajes de brincadeira, vagam pelo bairro em busca de doces, e contam histórias assustadoras de fantasma; mas os adultos muitas vezes se envolvem em atos vergonhosos de embriaguez e devassidão.

Então, como os cristãos devem responder?

Primeiro, os cristãos não devem responder ao Halloween como superstição pagão. Os pagãos são supersticiosos; os cristãos são iluminados pela verdade da Palavra de Deus. Os espíritos malignos não são mais ativos e sinistros no Halloween do que são em qualquer outro dia do ano; na verdade, qualquer dia é um bom dia para Satanás e ele perambula buscando a quem possa tragar (1 Pedro 5,8 ). Mas “maior é aquele que está em vós do que aquele que está no mundo” (1João 4,4 ). Deus para sempre “desarmou os principados e potestades” por meio da cruz de Cristo e “fez um espetáculo público deles, triunfando sobre eles através de [Cristo]” (Colossenses 2,15).

Em segundo lugar, os cristãos deveriam responder ao Halloween com a sabedoria e advertência. Algumas pessoas temem a atividade de satanistas ou bruxas pagãs, mas os incidentes reais de crime associados ao satanismo são muito baixos. A ameaça real no Halloween é a partir dos problemas sociais de comportamentos pecaminosos –  dirigir bêbado, baderneiros, vândalos e crianças sem supervisão.

Como qualquer outro dia do ano, os cristãos devem ter cautela como mordomos sábios de suas posses e protetores de suas famílias. Jovens cristãos devem ficar longe das festas seculares do Halloween uma vez que esses são motivos férteis para problemas. Os pais cristãos podem proteger seus filhos, mantendo-os bem supervisionados e restringindo ameaças de consumos para aqueles presentes recebidos de fontes confiáveis.

Em terceiro lugar, os cristãos devem responder ao Halloween com compaixão do Evangelho. O mundo descrente, que rejeita Cristo, vive no medo perpétuo da morte. Não é apenas a experiência da morte, mas sim o que a Bíblia chama de “uma certa expectativa terrível de julgamento, e a fúria de um fogo que consumirá os adversários [de Deus]” (Hebreus 10,27). Bruxas, fantasmas e espíritos malignos não são terríveis; A ira de Deus desencadeada nos pecadores impenitentes é que é verdadeiramente aterradora.

Os cristãos devem usar o Halloween e tudo o que ele traz para o imaginário – imagens de morte, superstição e expressões de folia, como uma oportunidade para envolver o mundo incrédulo com o Evangelho de Jesus Cristo. Deus deu a todos uma consciência que responde a Sua verdade (Romanos 2,14-16), e a consciência é aliada do cristão no empreendimento evangelístico. Os cristãos devem ter tempo para informar as consciências dos amigos e familiares com a verdade bíblica sobre Deus, a Bíblia, o pecado, Cristo, o julgamento futuro e a esperança da vida eterna em Jesus Cristo para o pecador arrependido.

Existem várias maneiras diferentes dos cristãos se envolver no evangelismo no Halloween. Alguns vão adotar uma política de “nenhuma participação”. Como pais cristãos, eles não querem que seus filhos participando espiritualmente em atividades de ouvir histórias de fantasmas e colorir imagens de bruxas. Eles não querem que seus filhos se vistam com fantasias para o doces ou travessuras ou até mesmo participem de alternativas do Halloween.

Essa resposta, naturalmente, causa apreensão e proporciona uma boa oportunidade para compartilhar o Evangelho àqueles que pedem. Também é importante que os pais expliquem sua posição aos seus filhos e lhes prepare para enfrentar a provocação ou ridículo de seus pares e da desaprovação ou desprezo dos seus professores.

Outros cristãos vão optar por alternativas ao Halloween chamadas de “festivais da colheira” ou “Festivais  da Reforma” – as crianças vestem-se como agricultores, personagens bíblicos, ou heróis da Reforma. É irônico quando se considera o começo do Halloween como uma alternativa, mas pode ser um meio eficaz de chegar às famílias do bairro com o Evangelho. Algumas igrejas deixam o prédio da igreja para trás e executam atos de misericórdia na sua comunidade, “tratando” famílias carentes com cestas de alimentos, cartões de presente, e a mensagem do Evangelho.

Essas são boas alternativas; há outras que não são tão boas. Algumas igrejas estão usando um tipo de estratégia de evangelismo de colocar medo para chocar os jovens e assustá-los a se tornarem cristãos. Eles levam as pessoas através de salas padronizadas em casas estilo assombradas e colocam cartazes mostrando cenas pecaminosas – mulheres submetidas a abortos, pessoas sacrificadas em um ritual satânico, consequências do sexo antes do casamento, perigos de festas rave, possessão demoníaca, e outras tragédias.

Aqui está o problema com este tipo de evangelismo: para chocar uma cultura não chocante, você tem que usar muito material visual chocante. Exposições gráficas do pecado e suas consequências são desnecessárias – os descrentes já estão cheios de tais imagens. O que eles precisam ver é uma vida verdadeiramente transformada pelo poder de Deus, e o que eles precisam ouvir é a verdade de Deus em uma apresentação precisa do Evangelho. Essa é uma estratégia barata e impróprio para embaixadores de Cristo.

Há outra opção aberta para os cristãos: limitar-se a participação, não-comprometedora no Halloween. Não há nada inerentemente mau em doces, trajes, ou doces e travessuras. Na verdade, tudo isso pode proporcionar uma oportunidade especial do Evangelho com os vizinhos. Mesmo distribuir doces para as crianças da vizinhança – desde que você não seja mesquino – pode melhorar a sua reputação entre as crianças. Enquanto as roupas são inocentes e o comportamento não desonre a Cristo, os doces e travessuras podem ser usado para promover os interesses do Evangelho.

Em última análise, a participação cristã no Halloween é uma questão de consciência diante de Deus. Seja qual for o nível de participação que você escolher, você deve honrar a Deus, mantendo-se separado do mundo e mostrando misericórdia para com os que estão perecendo. O Halloween fornece ao cristão a oportunidade de realizar ambas as coisas no Evangelho de Jesus Cristo. É uma mensagem que é santa, separada do mundo; é uma mensagem que é a misericórdia de um Deus que perdoa. Qual a melhor época do ano para compartilhar essa mensagem do Halloween?

Fonte: http://www.gty.org/resources/articles/A123/christians-and-halloween
Tradução: Emerson de Oliveira

Comentários

Comentários

Sobre o autor

Número de entradas : 1279

© 2011 Powered By Wordpress, Goodnews Theme By Momizat Team

Voltar para o topo