Você está aqui:Home » Teísmo/Ateísmo » Lawrence Krauss: o garotinho propaganda do cientificismo

Lawrence Krauss: o garotinho propaganda do cientificismo

Lawrence Krauss: o garotinho propaganda do cientificismo

krauss1028Esta semana declaramos ser a “Semana Lawrence Krauss” aqui no site. Krauss está se tornando o garoto-propaganda do moderna cientificismo neo-ateísta, envolvendo-se em um triunfalismo adolescente sobre a ciência que está fazendo até mesmo com que alguns dos seus colegas ateus se sintam desconfortáveis.

Quero dizer, quando você força Jerry Coyne a se distanciar de você, você sabe o quão radioativo está se tornando. Seria como ter Jerry Springer dissociado de si por razões de mau jornalismo.

Krauss, para aqueles de nossos leitores não familiarizados com os exemplares mais exóticos do cientificismo, é um físico na Case Western Reserve cujo novo livro, Um Universo do Nada: por que existe algo em vez de nada (ao qual iremos fazer críticas aqui no Logos), marca um novo ponto baixo na literatura neo-ateísta caracterizada por não ser muito boa.

A ruptura com a razão mais recente de Krauss ocorreu em uma recente entrevista com The Atlantic, no qual ele detrata a disciplina de filosofia. Pelo menos os ateus antigos sabiam melhor do que repudiar todo um campo de estudo, simplesmente porque eles não entendem.

Aqui está Krauss, na entrevista do The Atlantic, mostrando sua total falta de compreensão do que ele está criticando:

A filosofia é um campo que, infelizmente, me lembra aquela velho piada de Woody Allen: “aqueles que não podem fazer, ensinam, e aqueles que não podem ensinar, ensinam ginástica.” E a pior parte da filosofia é a filosofia da ciência. As únicas pessoas que, tanto quanto eu posso dizer, que leram a obra de filósofos da ciência são outros filósofos da ciência. Não tem nenhum impacto sobre a física e eu duvido que outros filósofos a leiam porque ele é bastante técnica. É por isso que é muito difícil de entender o que a justifica. Então eu diria que essa tensão ocorre porque as pessoas se sentem ameaçadas sobre a filosofia, e elas têm todo o direito de se sentirem ameaçadas, porque a ciência avança e a filosofia não.

Declaração estúpida # 1: Os “apenas as pessoas que lêem filosofia da ciência” são “filósofos da ciência”? Antes de tudo isso é uma declaração completamente imprecisa. Acontece que eu tenho no meu leitor de mp3 neste momento duas séries de palestras publicadas pelos grandes cursos sobre o assunto. Não só eu não sou um filósofo da ciência, mas a empresa que os produz ganha dinheiro com as pessoas que os compram, e não posso imaginar que há filósofos da ciência suficientes lá fora para constituir um mercado se for a única gente que os compre.

Mas por que isso importa? Talvez Krauss poderia informar o público de quem mais além de físicos de partículas leem os complicados artigos periódicos que aparecem em revistas de física dessa especialidade particular. Quantos você acha que são cosmólogos? Se a legitimidade de uma especialidade em uma disciplina deve ser julgada por quantas pessoas de fora dessa especialidade leem em voz baixa, então qual é o destino da cosmologia?

Declaração estúpida # 2: “Não tem nenhum impacto sobre a física e eu duvido que outros filósofos a leiam porque ele é bastante técnica. É por isso é muito difícil de entender o que a justifica.” Hein? Isso é um argumento? Por que a filosofia da ciência tem que ter um “impacto sobre a física?” e como ter um” impacto na ciência” justifica a filosofia da ciência ? O ponto da filosofia da ciência não é ter um “impacto sobre a física”, em primeiro lugar. É para oferecer uma crítica racional da ciência. Se nenhum cientista quer ouvir (na verdade, muitos deles), então esse não é o problema da filosofia da ciência, é problema com a ciência.

Declaração estúpida # 3: “Então eu diria que essa tensão ocorre porque as pessoas se sentem ameaçadas sobre a filosofia, e elas têm todo o direito de se sentirem ameaçadas, porque a ciência avança e a filosofia não.” Que provas ele tem que pessoas na filosofia da ciência estão ameaçadas? Como ele sabe quais são suas motivações?  Por que não acreditamos em vez disso que ele se sente ameaçado pela filosofia da ciência? E de que forma a filosofia da ciência não evoluiu? Ele realmente pensa que não há uma maior compreensão sobre quais critérios devem ou não devem ser empregados em demarcar a ciência da não-ciência hoje do que há 100 anos? Ou sobre o modo como a ciência explica? Ou sobre causalidade? Ou sobre probabilidade? Ele nunca ouviu falar de Leibniz? Berkely? Hume? Bayes? Whewell? C. S. Pierce? Bertrand Russell? Rudolf Carnap? Kurt Gödel? Karl Popper? Thomas Kuhn? Karl Hempel? Nelson Goodman? Ernest Nagel? Saul Kripke? Paul Feyerabend? Bas van Fraasen? Tenham essas pessoas realmente têm não feito nenhuma contribuição para qualquer progresso no entendimento da ciência – o que é, como ele explica, e como ele justifica-se?

Este é apenas um parágrafo, pessoal, e não existe nada melhor. Se Krauss não tomar cuidado, ele vai dar à incompetência intelectual um mau nome.

Por
Tradução: Emerson de Oliveira

Comentários

Comentários

Sobre o autor

Número de entradas : 1207

© 2011 Powered By Wordpress, Goodnews Theme By Momizat Team

Voltar para o topo