Você está aqui:Home » Apologética geral » J. R. R. Tolkien fala a verdade

J. R. R. Tolkien fala a verdade

Entrevista com o autor Joseph Pearce sobre “O Senhor dos Anéis”

NOVA YORK, NOV. 15, 2001 (Zenit.org) .- O convertido católico Joseph Pearce é autor de dois livros populares sobre JRR Tolkien, “Tolkien: Man and Myth” (Tolkien: O homem e o mito) e “Tolkien: A Celebration” (Tolkien: Uma celebração, ambos pela Ignatius Press).

Com o lançamento do filme O Senhor dos Anéis” programado para o próximo mês, Pearce meditou sobre Tolkien (1892-1973) e seu trabalho nesta entrevista com o ZENIT.

P: Houve críticas de algumas histórias de fantasia por causa de sua orientação supostamente pagã. Você vê as obras de Tolkien como parte desse gênero ou é diferente?

Pearce: Tolkien falou de mitos e histórias de fadas, em vez de “fantasia”. Ele foi um católico e devoto praticante de toda a vida que acreditava que a mitologia era um meio de transmitir certas verdades transcendentes que são quase inexprimíveis dentro dos limites factuais de um romance “realista”.

Para entender a “filosofia do mito” de Tolkien, é útil começar com uma máxima de GK Chesterton: “não são os fatos primeiro, a verdade primeiro”. Tolkien e Chesterton tiveram a intenção de diferenciar entre fatos, que são puramente físicos e verdade, que é metafísico.

Assim, um mito ou uma história de fadas pode transmitir amor e ódio, egoísmo e auto-sacrifício, lealdade e traição, bem e maldade – todas as quais são realidades metafísicas, ou seja, mesmo se transmitidas em um cenário mitológico ou de conto de fadas.

Não há necessidade de os cristãos se preocuparem com o papel da “história” como um transmissor da verdade. Afinal, Cristo foi o maior contador de histórias de todos. Suas parábolas podem não ser factuais, mas são sempre verdadeiras.

Pegue, por exemplo, a parábola do filho pródigo. Provavelmente, Cristo não estava se referindo a um filho particular, nem a um pai indulgente particular, nem a um irmão envidioso particular. O poder da história não reside em ser factual, mas em ser sincero.

Não importa que o filho pródigo nunca tenha existido como uma pessoa real; Ele existe em cada um de nós. Somos todos, de uma vez ou outra, um filho pródigo, um pai indulgente ou um irmão invejável. É “aplicável” a todos nós. É a verdade da história, não são fatos, isso importa.

Este era o ponto de Tolkien. Além disso, há mais verdade em “O Senhor dos Anéis” do que em muitos exemplos de realismo fictício.

P: Nos últimos anos, a magia em diversas formas, como jogos, programas de TV, etc., tem sido muito popular entre os jovens. Dada a forma como os poderes mágicos são apresentados no “Senhor dos Anéis”, você acha que poderia haver perigos para os jovens?

Pearce: Há muito pouco do que poderia ser chamado de magia em “O Senhor dos Anéis”. Há muito que é sobrenatural, mas apenas no sentido de que Deus é sobrenatural, ou que Satanás é sobrenatural, ou que o bem e o mal são sobrenaturais.

Seria mais preciso descrever a chamada magia em “O Senhor dos Anéis” como milagrosa, quando serve o bem e demoníaco, quando serve ao mal.

A Terra Média de Tolkien, o mundo em que “O Senhor dos Anéis” está definido, está sob o poder supremo do Deus Único. Também está sob a influência corruptora de Melkor, o anjo caído, o Satanás de Tolkien.

O maior dos servos de Satanás, Sauron, é o Senhor das Trevas, que é o inimigo em “O Senhor dos Anéis”. Em outras palavras, a Sociedade do Anel está em uma luta até o final com os servos de Satanás.

Como os cristãos podem eventualmente se opor a uma missão, cujo objetivo é frustrar os maus projetos do inimigo demoníaco? Longe de ser uma “fantasia”, “O Senhor dos Anéis” é um thriller teológico.

P: Você acha que essa foi a intenção de Tolkien?

Pearce: Não há dúvida de que “O Senhor dos Anéis” é um mito profundamente cristão, mas isso não é o mesmo que dizer que é uma alegoria.

Tolkien não gostou da alegoria porque a via como uma forma literária bastante grosseira. Em uma alegoria, o escritor começa com o ponto que ele deseja fazer e depois faz uma história para fazer o seu ponto de vista. A história é muito pouco mais do que um meio de ilustrar a moral.

Tolkien acreditava que um mito não deveria ser alegórico, mas que deveria ser “aplicável”. Em outras palavras, a verdade que emerge na história pode ser aplicada à verdade que emerge na vida.

Há, portanto, uma grande quantidade de verdade em “O Senhor dos Anéis”, embora seu autor nunca tenha intencionalmente apresentá-lo alegoricamente. Esta é, talvez, uma distinção sutil, mas que Tolkien acreditava ser importante.

P: Que valores você acha que “O Senhor dos Anéis” tem que nos ensinar?

Pearce: Os valores que surgiram em “O Senhor dos Anéis” são os valores que emergem nos Evangelhos.

Na caracterização dos Hobbits, os heróis mais relutantes e os mais improváveis, vemos a exaltação dos humildes. Na figura de Gandalf, vemos o arquétipo de um patriarca do Antigo Testamento, seu cajado aparentemente tendo o mesmo poder que o possuído por Moisés.

Na sua aparente “morte” e “ressurreição”, vemos-o emergir como uma figura semelhante a Cristo. Sua “ressurreição” resulta em sua transfiguração.

Antes de deixar a vida por seus amigos, ele era Gandalf o Cinzento; Depois, ele se torna Gandalf o Branco. Ele é lavado em branco na pureza de seu auto-sacrifício e emerge mais poderoso em virtude do que nunca.

O personagem de Gollum é degradado pelo seu apego ao Anel, o símbolo do pecado do orgulho. O possuidor do Anel é possuído por sua posse e, em conseqüência, é despojado de sua alma. O usuário do Anel sempre se torna invisível para aqueles que são bons, mas ao mesmo tempo torna-se mais visível aos olhos do mal.

Assim, vemos que o pecador se excomunata da sociedade do bem e entra no mundo de Satanás.

Em última análise, o porte do Anel por Frodo e sua luta heróica para resistir à tentação de sucumbir aos seus poderes doentios, é semelhante ao Levar da Cruz, o supremo ato de abnegação.

Em todo o “O Senhor dos Anéis”, as forças do mal são vistas como poderosas, mas não todas-poderosas. Há sempre a sensação de que a providência divina está do lado da Sociedade e que, em última análise, prevalecerá contra todas as probabilidades. Como Tolkien colocou sucintamente, “Acima de todas as sombras, está o sol”.

P: Muitos lamentam a depravação nos meios de comunicação hoje. O que podemos aprender com Tolkien sobre melhorar a qualidade do entretenimento?

Pearce: A maior lição que aprendemos de Tolkien é a natureza objetiva da verdade. O mal é real; Assim como o bem.

A bondade é a presença real de Deus; O mal é a sua verdadeira ausência. Tolkien não tem tempo para o relativismo amoral que é tão prevalente em grande parte do que passa como entretenimento moderno.

O fato de que o mito de Tolkien contém mais verdade do que a maioria do que passa como realismo serve como uma acusação condenatória da visão falsa que está sendo apresentada pelos meios de comunicação de hoje.
————————————————– ——————————
© Innovative Media, Inc.
Reimpresso com permissão.

Fonte: http://www.catholicqanda.com/LOTR2.html
Tradução: Emerson de Oliveira

 

Comentários

Comentários

Sobre o autor

Número de entradas : 1306

© 2011 Powered By Wordpress, Goodnews Theme By Momizat Team

Voltar para o topo