Você está aqui:Home » Apologética geral » Identificada ferida de lança no corpo envolto na mortalha e o sudário

Identificada ferida de lança no corpo envolto na mortalha e o sudário

( ACI / InfoCatólica ) O Sudário de Turim e o Sudário de Olviedo não só envolveram a mesma pessoa, mas também “sofreu uma ferida” sobre o seu lado quando já era um cadáver, o que é consistente com o Evangelho de São João quando ele narra o momento em que um centurião romano perfurou o lado de Cristo, relatou a Universidade Católica de Murcia (Espanha).

A Universidade Católica de Murcia (UCAM), disse em 31 de março que a esta conclusão chegou o estudo médico-forense liderado por Alfonso Sánchez Hermosilla , um pesquisador nesta escola.

Sánchez Hermosilla é médico forense do Instituto de Medicina Legal de Murcia, diretor da equipe de pesquisa do Centro Espanhol de Sindonologia (EDICES) e conselheiro científico do Centro Internacional de Sindonologia Turim.

Rosto de Jesus como o Santo Sudário

O estudo foi “conduzido conjuntamente no Sudário de Olviedo e no Síndone de Turim” e “não só reafirmou-se que ambas as peças envolveram a mesma pessoa, mas também que quando ele já estava morto e estando em posição vertical, sofreu um ferimento que perfurou o peito direito, com entrada através do quinto espaço intercostal e saia pelo quarto, ao lado da coluna e ombro direito, deixando marcas de coágulos de sangue e líquido pleuro-pericárdico em ambas as peças de vestuário (no Sudário, por seu contato com a entrada e a saída, e a mortalha com o de saída). “

Isto, disse o UCAM, “é consistente com o que é refletido no Evangelho de João, que no capítulo 19, versículos 33-34 diz: ‘mas quando eles chegaram perto de Jesus, viram que já estava morto, não lhe quebraram as pernas; mas um dos soldados lhe furou o lado com uma lança, e no momento saíram sangue e água”.

Para chegar a essa conclusão “foram feitos estudos antropométricos anatômicos patológicos, criminologia, anatômica e Sudário e o Síndone.” “Suas descobertas irão colocar novos progressos da equipe de pesquisa da UCAM que vem estudando o Sudário de Oviedo e já previamente encontrou outras evidências de que ambas as peças envolveram à mesma pessoa”, disse em seu site.

A UCAM relatou que se fizeram “estudos de sangue, a presença de pólens, tecido de conservação (roupa) e determinação de contaminantes orgânicos e inorgânicos”.

“As manchas de sangue nas quais temos trabalhado sempre estiveram lá, mas ninguém havia estudado, e são únicas dessas características. Até agora eles tinham atribuído a marcas feridas causadas por flagelação“, disse Sánchez Hermosilla.

Nesse sentido, a universidade explicou que “as manchas notadas por pesquisadores e onde o estudo se concentra partilham características comuns e são muito diferentes do resto, tanto pela sua morfologia e complexidade após análise macroscópica com a concentração arterial elevada no centro e em volta mais clara e perfilada.”

“Esta mancha também se torna invisível quando vista sob um filtro infravermelho, como de costume em manchas causadas pelo sangue de cadáver, ao contrário do que acontece com o sangue em vida (…). Só há no Sudário outra mancha com características semelhantes, chamadas de “Mancha em acordeão”, atribuídas à mesma origem maculante e consequência do tecido ter sido dobrado várias vezes em um ‘loop’, ficando sobre o anverso a grande mancha central”, acrescentou.

A UCAM informou que o estudo descreve em detalhes “os tecidos e órgãos que cruzaram o objeto pontiagudo em sua trajetória hipotética” e apoia “a hipótese de que quem administrou o ‘golpe de misericórdia’, tinha experiência, pois ao colocar a lâmina da arma na posição horizontal poderia facilmente evitar as costelas, sem ter que tentar várias vezes, algo que aparentemente não aconteceu, pois não parece o que é chamado na Medicina Legal  de “lesões de apalpar”.

A universidade recordou que “antes desta nova descoberta, e também no marco desta investigação, foi descoberto no sudário um grão de pólen de uma planta que, de acordo com a palinóloga do EDICES, Marzia Boi, é compatível com a espécie botânica Helicrysum Sp., também identificada no Sudário (Sudário de Turim). “

“Nela, se descartou que fosse uma contaminação posterior, uma vez que está ligado ao sangue; ou seja, que a relíquia chegou ao mesmo tempo que o sangue, não de forma aleatória,” disse ela.

A equipe liderada por Sánchez Hermosilla foi formada por Jesús García Iglesias, professor de Minas da Universidade de Oviedo, bem como membros da EDICES Marzia Boi, palinóloga e bióloga; Juan Manuel Miñarro, professor no Departamento de Escultura na Universidade de Sevilha; Antonio Gómez Gómez Montero e Felipe Ortego.

Fonte: http://infocatolica.com/?t=noticia&cod=28985
Tradução: Emerson de Oliveira

 

Comentários

Comentários

Sobre o autor

Número de entradas : 1244

© 2011 Powered By Wordpress, Goodnews Theme By Momizat Team

Voltar para o topo