Você está aqui:Home » Ciência » Astrofísico de Harvard desafia os ateus: a Terra é “Cosmicamente Especial”

Astrofísico de Harvard desafia os ateus: a Terra é “Cosmicamente Especial”

Escrevendo um editorial no Washington Post na sexta-feira, Howard A. Smith, professor de astronomia e astrofísico sênior em Harvard no Harvard-Smithsonian Center, desafiou uma narrativa ateia comum de que a Terra e seus habitantes são um mero produto de jogo de números ou, como Stephen Hawking tão eloqüentemente disse: “A raça humana é apenas uma escória química em um planeta de tamanho moderado”.

Smith argumenta que este não é o caso, mas que a Terra é “cosmicamente especial” e que a humanidade tem provavelmente um “objetivo” pretendido.

“Um olhar objetivo, no entanto, em apenas duas das descobertas mais dramáticas da astronomia – a cosmologia big bang e planetas em torno de outras estrelas (exoplanetas) – sugere o oposto”, escreve o astrofísico. “Parece ser cósmicamente especial, talvez até única, pelo menos na medida em que é provável que possamos saber por eras”.

Continuando, Smith destaca como até a mais “mudança infinitesimal” teria impedido a vida.

“O universo, longe de ser uma coleção de acidentes aleatórios, parece ser estupendamente perfeito e ajustado para a vida”, afirma. “Os pontos fortes das quatro forças que operam no universo – a gravidade, o eletromagnetismo e as interações nucleares fortes e fracas (os dois últimos dominam apenas ao nível dos átomos) – por exemplo, têm valores criticamente adequados para a vida, e se eles mesmo fossem alguns por cento diferentes, não estaríamos aqui. O exemplo mais extremo é a grande criação do big bang: mesmo uma mudança infinitesimal em seu valor explosivo de expansão impediria a vida “.

Claro, a refutação de um ateu aqui pode ser que, com um número infinito de universos possíveis, acabamos de estar situados em um com condições adequadas. Novamente, a humanidade é o produto de um jogo de números.

Para isso, Smith responde: “Mas filósofos modernos como Thomas Nagel e físicos quânticos pioneiros, como John Wheeler, argumentaram que os seres inteligentes devem, de alguma forma, ser o objetivo direcionado de um cosmos tão curioso e bem ajustado”.

O palestrante de Harvard então sugere que a humanidade pode ser ainda mais rara do que previamente verificada, ou que possivelmente estamos “sozinhos”; É o que ele chama de “segunda prova nova de que não somos comuns”.

“A linha inferior para a inteligência extraterrestre é que provavelmente é mais raro do que se imaginava anteriormente, uma conclusão chamada princípio misantrópico”, diz Smith. “Para todos os efeitos, podemos estar sozinhos em nosso bairro cósmico, e se expandimos o volume de nossa busca, teremos que esperar ainda mais para descobrir. A vida pode ser comum no universo distante – ou pode não ser ser – e é improvável que possamos saber. Provavelmente somos raros – e parece provável que fiquemos sozinhos por eras.

“Alguns dos meus colegas rejeitam fortemente essa noção”, concede Smith. “Eles ecoariam Hawking:” Não posso acreditar que todo o universo existe para nosso benefício “. Sim, todos temos crenças – mas as crenças não são uma prova “, argumenta ele.

Smith conclui que a evidência até agora não é do lado de Hawking, mas sim que a Terra é especial e que provavelmente servimos algum “papel cósmico”.

“A crença de Hawking pressupõe que não somos senão ordinários, uma” escória química “. Todas as observações até agora, no entanto, são consistentes com a idéia de que a humanidade não é medíocre e que não saberemos o contrário por muito tempo. Parece que talvez possamos servir algum papel cósmico “, afirma Smith.

Fonte: https://www.dailywire.com/news/11216/harvard-astrophysicist-challenges-atheists-earth-amanda-prestigiacomo#
Tradução: Emerson de Oliveira

Comentários

Comentários

Sobre o autor

Número de entradas : 1378

© 2011 Powered By Wordpress, Goodnews Theme By Momizat Team

Voltar para o topo