You Are Here: Home » Teísmo/Ateísmo » Refutações » “A religião causa guerras” – desmentindo mais mitos ateístas

“A religião causa guerras” – desmentindo mais mitos ateístas

O zoólogo britânico Richard Dawkins diz que “a religião causa guerras por gerar certeza.” E a notícia que constantemente irradia em nossas casas e carros nos lembra que os conflitos mais violentos e aparentemente intratáveis contemporâneos (11/9, Iraque, Afeganistão, Irlanda do Norte, no Oriente Médio, na Bósnia, Sri Lanka) ocorreram em todas as linhas de diferenças religiosas. O que é mais preocupante e relevante é que esses conflitos têm sido muitas vezes alimentados, de forma mais ou menos direta, por meio de apelos à religião. Em seguida, houve os apelos explícitos à religião na formação de ideologias revolucionárias anti-ocidentais. E os vídeos de suicidas dando abertamente suas justificativas religiosas apenas alimentam o fogo dos fãs de Dawkins. Mais amplamente, a nossa preocupação tem crescido ao longo do papel da religião na formação das civilizações, e em sua responsabilidade de hostilidade entre cristalização e entre diferentes civilizações. A sugestão de que “a crença leva à intolerância e, finalmente, para o conflito” é uma das idéias mais populares, mas é verdadeira? É um ingênuo mito urbano? É sofisticado o suficiente? E o que podem responder os cristãos que querem permanecer fiéis ao retrato bíblico de uma certa esperança em um salvador determinada através de um certo Evangelho?

O que poderia um cristão dizer em resposta a este tipo de desafio?

  • É muito simples dizer que a religião causa guerra e a violência. Veremos como esta alegação é inadequada.
  • Às vezes, é bastante claro que estabelecimentos ou organizações corruptas usam a religião para justificar agendas desonestas.
  • Os derramamentos se sangue imperialistas das cruzadas não eram tanto um produto dos “invasores cristãos”, mas sim de suas próprias agendas. As Cruzadas não foram inicialmente de ataque mas sim de defesa de territórios cristãos na Palestina, que foram criminosamente ocupados por sarracenos. Mesmo assim, há muita “lenda negra” e exageros em alegações de ateístas sobre esses temas.
  • Grande parte do conflito e da guerra no século 20 foi o resultado de ideólogos ateus. A religião leva a culpa, mas a história diz-nos uma história totalmente diferente. O crítico da religião precisa ser capaz de oferecer uma explicação para os maiores carniceiros dos últimos 100 anos, que viraram-se para o ateísmo e secularismo em suas justificativas. Hitler foi totalmente influenciado[1] pela obra do filósofo ateu Friedrich Nietzsche e Stalin apoiou-se em Karl Marx.
  • As crenças seculares ou ateístas, como as de Stalin ou Mao Tse-tung, que forjaram a maior parte da destruição e dor no século 20,  precisam ser analisados tanto quanto a perspectiva religiosa.
  • Para evitar ser demasiado simplistas, devemos olhar para o ensino fundamental do que é a religião. Devemos olhar para os seus abusos, mas devemos também olhar para os seus princípios fundamentais. Tomar a espada em nome de Jesus para promover o cristianismo é coerente com o que Jesus afirmou? Poderíamos perguntar o mesmo do Islã ou o hinduísmo. Será que as crenças da religião na verdade defendem meios violentos como uma forma de lidar com os outros?
  • Não é a religião que pratica a violência, mas as pessoas. E, especificamente, uma certa mentalidade que busca usar uma ideologia ou uma justificativa religiosa para controlar o pensamento das pessoas e restringir as liberdades mais fundamentais.
  • Quando a liberdade de consciência, a liberdade religiosa, os direitos das mulheres ou outros direitos importantes estão sendo abusadas, todos nós devemos rejeitar isso como sendo errado. Às vezes, isso pode significar desafiar aqueles que afirmam a mesma filiação religiosa que nós. Todas as pessoas devem defender os direitos básicos (liberdade de crença e de consciência), independentemente da filiação religiosa.
  • É uma declaração contraproducente, bem como uma violação dos direitos humanos [2], recusar a permitir que uma pessoa acreditar no que quiser acreditar, com certeza ou não. E possivelmente, recusar permitir outros a acreditarem na certeza necessita um compromisso ideológico mais forte à perspectiva de não-certeza.
  • Estamos despertando para o fato de que o que Jesus disse foi absolutamente certo. O que você acredita influi no modo como você se comporta. Reconhecendo que a crença desempenha um papel em afetar o que fazemos, é necessário um realinhamento com o pensamento de Cristo.
  • Só porque uma pessoa faz parte de uma igreja não significa necessariamente que ele ou ela é um seguidor de Jesus. Algumas pessoas são cristãos culturais, mas não cristãos autênticos. Isso não é um revisionismo do século XXI ou a “falácia do Escocês”? Não, isto procede do próprio Jesus (Mateus 7,21-23).
  • Dostoiévski disse que “Há uma guerra entre o céu e o inferno e o campo de batalha é o coração dos homens.” E Dallas Willard diz: “a maior necessidade que você e eu temos, a maior necessidade da humanidade em geral, é a renovação do nosso coração.”
  • “A própria natureza da maneira como Deus criou os seres humanos estava com a capacidade de termos escolhas livres. O lado ruim disso é que podemos escolher a pegar em armas contra Deus, que é o que Adão fez. O lado bom disso é que podemos realmente amar a Deus. O amor é uma palavra banalizada em nossa cultura… Espalhamo-na em nossas canções de amores, falamos sobre isso em nossos filmes, mas raramente temos a verdadeira importância do significado da palavra… Deus tomou o risco de termos o livre arbítrio e decidiu tomar o lado ruim disto se escolhermos resistir a Ele. Ao nos dar a liberdade, ele tomou sobre si a Cruz. A Cruz é o lugar onde o amor é melhor entendido e espalhado, uma obra dramática da cortesia alto do céu: dar Sua vida por nossa “[3] A cruz é onde a guerra contra Deus, que reencenamos em nossas guerras uns com os outros, é enfrentada e superada.

Notas


[1] Hitler não era um grande fã do ateísmo em si ( http://www.nobeliefs.com/hitler-myths.htm # myth4 ), mas como J. Bradford DeLong, da Universidade da Califórnia em Berkeley escreve: “A frase de Hitler ‘Senhores da Terra’, é uma expressão muito comum no Mein Kampf. Não há dúvidas de que, no final, Hitler considerava-se o super-homem da profecia de Nietzsche.” ( http://www.j-bradford-delong.net/TCEH/Nietzsche.html ). E Victor Frankl escreve: “Estou absolutamente convencido de que as câmaras de gás de Auschwitz, Treblinka, Majdanek e acabaram não sendo projetadas e idealizadas em algum ministério ou outro em Berlim, mas sim nas mesas e nas salas de aula de cientistas e filósofos niilistas”, O doutor e a Alma .

[2] Artigo 18-19, Declaração Universal dos Direitos Humanos , ( http://www.un.org/Overview/rights.html )

[3] Dale Fincher, transcrição do chat on-line ( http://www.rzim.org/publications/essay_arttext.php?id=17 )

Por: Tom Price. Tom é um professor no OCCA, e um professor Associado da Wycliffe Hall, Oxford. Tom também trabalha com RZIM Europa.
Tradução: Emerson de Oliveira

Sobre o autor

Artigos publicados : 771

© 2011 Powered By Wordpress, Goodnews Theme By Momizat Team

Follow

Obtenha todo post novo entregue na sua caixa de entrada..

Junte-se aos outros seguidores:

Scroll to top
Powered by WordPress