Você está aqui:Home » Apologética geral » Por que a declaração “eu acredito na lógica e na razão” é absurda

Por que a declaração “eu acredito na lógica e na razão” é absurda

Estou mais exposto do que o cidadão comum a discussões regulares e debates de temas “fora dos limites” como a religião, em parte por circunstâncias e em parte por escolha, ou seja, porque eu estou nas aulas toda semana onde esses tópicos estão em discussão e em parte porque eu saio do meu caminho para observar ou ouvir quando eles são levantados ​​em fóruns públicos maiores.

É provável que você ouça algo hoje que pessoas em gerações passadas teriam achado estranho que é o seguinte: No contexto de discordância sobre crenças religiosas (como no que uma pessoa acredita sobre Deus, a vida após a morte, etc), alguém que não acredita em tais coisas anunciará sua crença na “lógica” e na “razão”. Essa declaração de lealdade à lógica e à razão é tipicamente oferecida com jactanciosa superioridade, como se dissesse: “Bem, o resto de vocês pode acreditar nisso ou nisso, mas quanto a mim, eu acredito na lógica e na razão”. A implicação que é dada por essa afirmação simplista é que a crença na lógica/razão é exclusiva da pessoa que faz a confissão de crença nela, como se fosse a alternativa exclusiva às crenças dos outros. Eles acreditam em xyz, mas eu acredito na razão.

O que você pensa da razão? De quem é filha?

Ninguém gosta de uma batalha de discussão de baixo nível, mas na recente era de debates “agressivos” na Internet , vimos uma tentativa de raptar os termos favorecidos e reivindicá-los como a propriedade natural e exclusiva dos auto-proclamados campeões da razão e da lógica. Quando você vê algum indivíduo ou grupo em particular afirmar que defende a “razão”, você deve ficar desconfiado. Os grupos ateus antirreligiosos tipicamente usam essa tática. Eles gostam de chamar seus grupos de coisas como “The United Coalition of Reason” (Coalizão Unida da Razão) e chamam a atenção da mídia, chamando seus eventos como “The Reason Rally” (Rally da Razão). No Brasil temos os propagandistas ateístas antirreligiosos como a ATEA, que se auto-intitulam “Associação Brasileira de Ateus e Agnósticos”, embora muitos que se dizem “ateus” e “agnósticos” não se achem representados por ela.

Não que isso seja inteiramente sem precedentes. No início da década de 1790, alguns revolucionários franceses radicais do Iluminismo desmantelaram os altares das igrejas de Paris como demonstração de seu desprezo pelo clero católico de sua época, erguendo novas exibições à deusa simbólica da “Razão”. Sua causa era mais política e social (e em seu contexto, mais terrível). O uso educado atual da “razão” é mais de uma estratégia egoísta de autopromoção. Ao afirmar que a “razão” é minha, eu entendo que ela está do meu lado apenas e que os que estão contra mim são claramente irracionais. É por isso que Al Gore decidiu que seu livro de 2008 atacando Bush e todos esses adversários políticos deveria ser intitulado The Assault on Reason (O Ataque à Razão). Estratégias à parte, é completamente auto-congratulatória, mas provavelmente tão eficaz, pelo menos, como outras declarações políticas semelhantes que temos ouvido muitas vezes, como “A diferença entre mim e meu oponente é que eu estou interessado na verdade“.

Infelizmente, a maior parte da repetição tipo mantra das palavras lógica e razão equivale a postura e nada mais. Poucas pessoas se preocupam em entender exatamente o que estamos falando quando empregamos essas palavras, que em uso comum são em sua maioria sinônimas. O falecido Dallas Willard certa vez escreveu que “A razão é uma voz que todos nós ouvimos.”  A razão não é filha de ninguém. Ninguém tem a custódia exclusiva. Ninguém tem o mercado encurralado. A lógica é inescapavelmente embutida em todo o nosso pensamento e discurso. Todo mundo que pensou nisso há muito tempo percebeu isso. Aristóteles foi um dos primeiros a elucidá-lo claramente por escrito. Todo pensamento e discurso humano, se for um pouco coerente, está empregando e confiando na lógica básica. A única maneira de qualquer pessoa ou grupo descartar a razão inteiramente (e permanecer coerente ao fazê-lo) seria que esse grupo ou pessoa pronunciasse palavras totalmente ao acaso ou permanecesse completamente em silêncio. Para isso ele (ou eles) não seria capaz de pensar em proposições sem fazer uso da razão.

Quer Parar De Sofrer Com Stress, Medo, Insegurança e Fracasso em Diversas Áreas da Vida?

Isso não quer dizer que os seres humanos sejam racionais em todas as nossas deliberações e decisões. Somos influenciados por e sujeitos a todos os tipos de outras influências também. E não que mesmo as pessoas mais inteligentes entre nós não ocasionalmente violam os cânones da razão. Não somos mais intelectualmente perfeitos do que somos moralmente perfeitos. Os teólogos cristãos há muito aludiram ao que eles chamam de efeitos “noéticos” de nossa natureza caída, o que significa que nossas imperfeições e limitações não estão apenas no domínio ético. Nossas mentes são falhas suficientes o tempo todo para nos levar a ser tolamente ilógicos em formas específicas em certas ocasiões.

Mas essas limitações se aplicam a todos em geral. Ninguém está imune. Os processos de pensamento dos crentes mais devotos são as mesmas combinações básicas de fatores como os dos menos religiosos. Para todos, a vida mental consiste em uma mistura regular de senso comum, ignorância, insight, supervisão, às vezes pensamento lógico prístino, outras vezes erros flagrantes ou pontos cegos, preconceitos, confusão, emocionalismo, etc. Onde existe o desacordo entre dois pontos de vista, a abordagem errada é simplesmente a ideia de todos que concordam com você são racionais e todos os que não concordam são ilógicos. Quando você aplica as palavras “ilógicas” e “irracionais” para as pessoas é geralmente a fim de insultá-las. Em vez disso aplique – e apropriadamente – os termos aos próprios argumentos se você puder demonstrar por que eles se aplicam.

Pouca aprendizagem é uma coisa perigosa

Quando você vê pessoas usando as palavras “lógica” e “razão” desta forma comum contemporânea (ou seja, chamando-as para o meu lado), você deve fazer algumas perguntas básicas à pessoa que faz uso desse artifício. O que ele ou ela quer dizer com isso? Qual é a sua definição? Eles são a mesma coisa? Diferentes? Se a pessoa está afirmando que a visão ou a posição de alguém é “ilógica”, ela pode indicar exatamente onde a lógica está sendo violada? A maioria das pessoas que falam dessa maneira não percebe que algo não é “ilógico” simplesmente porque é estranho, diferente, difícil de acreditar, ou mesmo empiricamente falso.

Outra pergunta que faço é se a pessoa (que afirma acreditar na “lógica e razão”) supõe que os pensadores mais racionais ​​e logicamente astutos da história concordaram com ele/ela? A linha poética imortal de Alexander Pope que “pouca aprendizagem é uma coisa perigosa” tende a aplicar-se aqui. O conselho de Pope era de “Beba do fundo, ou sequer prove da fonte Pieriana“. Do mesmo modo, e mais ao ponto da crença religiosa básica, o grande Francis Bacon escreveu: “É verdade que pouca filosofia inclina a mente do homem para o ateísmo; Mas a profundidade na filosofia traz as mentes dos homens para a religião” (do Ateísmo). É por isso que o CS Lewis tinha seu demônio ficcional Screwtape aconselhando o novato demônio Wormwood para mantê-lo superficialmente ao tentar mexer com a cabeça de sua vítima. “Jargão, não argumento, é o seu melhor aliado para mantê-lo longe da igreja, escreve Screwtape, que acrescenta algumas linhas mais tarde: “Com o próprio ato de argumentar você desperta a razão do paciente, e uma vez acordado, quem pode prever o resultado ? “ (Cartas do Diabo a Seu Aprendiz).

A cultura da internet, com sua impressionante variedade de mídia sem fim, é muito diferente daquela que Pope e Bacon conheciam, mas demonstra bem seu princípio. Tantas pessoas atualmente sabem o suficiente para serem “perigosas”. Eles se consideram tão eminentemente racionais ​​e cientificamente alfabetizados quando na verdade são tipicamente menos conhecedores do que as pessoas nas gerações passadas. Nota: Eu não disse “menos informados” sobre eventos no mundo ou ter menos acesso à informação. Mas eles pensaram tão pouco e rápidos, envoltos pelos meios de comunicação, sobre os problemas que estão discutindo, que eles estão mais próximos de serem inimigos do que amigos da razão.

A maioria daqueles em cujos ombros a civilização ocidental está baseada ficariam perplexos pelas atitudes daqueles que usam um jogo tão grande sobre a lógica e a razão. Se tivessem sido colocados em uma máquina do tempo e caíssem de pára-quedas num evento como o “Reason Rally”, teriam pensado que estariam em um universo diferente onde a “razão” deve significar outra coisa. O que, afinal de contas, alguém como John Locke teria pensado no conselho de Richard Dawkins, sem dúvida o porta-voz intelectual do ateísmo contemporâneo, para as multidões no “Reason Rally”? O que um pensador tão proeminente como Locke – tão influente em moldar o pensamento britânico na época, bem como sobre os autores americanos, um homem que escreveu, entre tantas outras coisas, Um livro realmente intitulado “A racionalidade do cristianismo” – o que ele pensaria ao ouvir a principal voz do ateísmo popular exortar suas multidões a empregar a estratégia de desprezo, ridículo e zombaria contra os crentes religiosos? Nossa, que “uso” da “lógica” e “razão”.

Há ateus que entendem o significado da razão, e eles tentam defender sua posição, pelo menos, evitando a loucura de atirar essas palavras ao redor sem compreendê-las. Um exemplo é Robert Paul Wolff, um filósofo cujo livro Sobre a Filosofia está entre os da minha estante. Nele, Wolff escreve que, embora se identifique como ateu, é incapaz de desprezar aqueles que acreditam em contrário. Ele sabe demais. Ele bebeu profundamente da fonte. A profundidade na filosofia, parafraseando Bacon, continua trazendo a mente do ateu de volta para as possibilidades teológicas. Em seu texto, Wolff elogia o filósofo cristão Soren Kierkegaard, chamando o dinamarquês melancólico de “o mais talentoso” de todos os importantes pensadores de nossa história.

Fé e razão

Por mais antigo que seja o tema, o abuso contemporâneo de palavras como “lógica” e “razão” nos leva a revisitar a discussão do papel da razão no reino da fé. E apesar de criticarmos aqueles que acenam a bandeira da razão como seus únicos guardiões, precisamos lembrar um certo segmento dos fiéis e devotos que a razão não é uma arma de escuridão. Eu disse acima que a razão não é filha de ninguém, e isso inclui Satanás. A razão não é uma ferramenta do Maligno que você deve resistir. A verdade é que você não pode resistir a ela de qualquer maneira, como já foi explicado. Pois para argumentar contra a razão você deve usá-la.

Os cristãos não idolatram a razão, nem a desprezamos. Quando o Evangelho de João emprega “logos” em sua linha de abertura, você pode ter certeza de que o escritor não despreza a voz da razão, que ele, sem dúvida, reconhece como a voz de Deus, apesar de imperfeitos e discernindo com precisão. Toda revelação pressupõe agentes racionais – mesmo que imperfeitos – capazes de compreender a comunicação básica. A verdade é dependente dos princípios mais básicos da lógica. Caso contrário, a palavra escrita é apenas marcação e a palavra falada (“rhema”) é apenas ruído. Mostre-me um cristão que afirma ser oposto à razão e eu vou mostrar-lhe alguém que (a) para começar não entende a natureza da razão e (b) provavelmente está falhando miseravelmente para alcançar o tipo de sabedoria e discernimento para a qual um discípulo deve lutar.

Tenha as Melhores Oportunidades no Ensino Religioso, Estudando Ciências da Religião em Sua Casa e no Seu Tempo Livre… Dedicando Apenas Algumas Horas Por Semana!

** AGORA VOCÊ PODE ESTUDAR TEOLOGIA À DISTÂNCIA COM QUALIDADE! **

Fé e razão não são inimigos cósmicos lutando em nome de Deus e Satanás, respectivamente. Isso é tão idiota como a paródia da própria fé ser ingenuinamente um assentimento a proposições falsas, como “creio que não seja bem assim”. CS Lewis certa vez chamou a fé de “a arte de aceitar as coisas que a sua razão já aceitou, apesar das mudanças de humor” (Cristianismo Puro e Simples). É uma espécie de confiança que perdura através da tumultuada e inconstante montanha-russa emocional da vida. É a “substância das coisas que se espera” (Hb 11,1), onde a “esperança” é entendida no sentido bíblico de estar ligado a algo sólido, mas além de sua visão ou compreensão imediata, não meramente um “desejo” ou escapismo.

A mente não está matando a razão para abrir espaço para a fé. A razão não pode ser morta, e se pudesse ser, qualquer conceito significativo de fé morreria com ela, e nenhuma contemplação ou discussão de algo seria possível a partir desse momento. Para o oponente da fé bater em seu peito e anunciar que ele acredita na lógica e razão é tão inútil como se ele disse: “Eu acredito que dizer palavras em voz alta que expressam as minhas opiniões.”   Minha resposta a qualquer um é,“Uh, .. ESTÁ BEM. Eu também. Qual é o seu argumento?

Fonte: https://credohouse.org/blog/why-i-believe-in-logic-and-reason-is-a-nonsense-statement
Tradução: Emerson de Oliveira

Comentários

Comentários

Sobre o autor

Número de entradas : 1244

© 2011 Powered By Wordpress, Goodnews Theme By Momizat Team

Voltar para o topo