Você está aqui:Home » Ética » Aborto » Ela foi estuprada por um pedófilo, ficou grávida, mas disse “não” ao aborto: “O bebê não é culpado”

Ela foi estuprada por um pedófilo, ficou grávida, mas disse “não” ao aborto: “O bebê não é culpado”

32849_kali_no_quiso_abortarDurante alguns anos, pessoas vulneráveis de diferentes camadas sociais e em todo o mundo, são vítimas de violência psicológica e física por causa de uma relação doentia com as novas tecnologias e redes sociais.

Como explicado por Portaluz, de acordo com um relatório Pew Research Center de 2015, 92% dos adolescentes americanos (idades 13-17) estão online todos os dias, incluindo 24% que se ligam em seus aparelhos “quase constantemente”. 71% usa o Facebook, a metade está no Instagram, e 41% são usuários do Snapchat. Quase 3/4 de adolescentes usam mais de um site de rede social

Assim vivia “Kali”, uma adolescente dos Estados Unidos que com 14 anos era viciada na realidade virtual.

Os adolescentes em situação de risco
Não foi a primeira vez que arriscou em um “encontro às cegas”. Mas desta vez seria pior, como lembra em seu depoimento divulgado pela Savethe1 e Vida News: “Ocorreu em uma noite fria de setembro. Um dos últimos verões e você podia sentir que o outono estava chegando. Eu fugi de meus pais em minha pequena cidade para encontrar um cara com quem ela estava falando na Internet. Era um cara muito bom que disse que tinha a minha idade. Eu sabia que meus pais não aprovariam esta relação, de modo que depois que eles adormeceram eu fugi. “

Ela conhecia aquele garoto apenas pela realidade virtual. Mas ao chegar ao lugar do encontro conheceu um homem de 66 anos de idade que a agrediu e a violou sexualmente.

Medo, vergonha e solidão como nunca antes tinha experimentado a invadiram, disse. Depois de alguns dias, e emocionalmente sobrecarregada, ela falou do caso a seus pais. Então, quando souberam que estava grávida de seu estuprador, não seria precisamente o bebê em gestação no ventre que lhe dariam novos problemas …

“Eu sou uma garota e a barriga já dava sinais aos três meses. Minha família ficou dilacerada. Alguns familiares me apoiaram para continuar com a gravidez; outros me incentivaram a ter um aborto e os médicos ficaram divididos. A primeira coisa que ouvi foi: “Há sempre oportunidades de ter outros filhos”. Outro médico disse aos meus pais que eu era uma “criança selvagem”, incapaz de tomar qualquer decisão sobre o meu próprio bebê. Nunca ocorreu a qualquer um desses médicos qualquer coisa que não fosse o aborto”.

A cura em meio a uma tempestade
Alguns de seus adolescentes colegas de escola, denuncia a jovem, começaram a tirar sarro da situação e até mesmo provocá-la, e um deles até mesmo ameaçou molestá-la sexualmente. As coisas ficaram nesse ponto até seus pais retirarem-na da escola. Mas não a deixavam em paz, ela diz.

“Acordamos numa manhã e vimos escrito ‘puta’ em nossa casa. Por um tempo, parecia que tudo na vida era uma espiral fora de controle. A maioria das pessoas fazem você se sentir como se estivesse louca quando se decide ter uma criança concebida através de estupro. Mas quando você é estuprada e decide que a vida dentro de você deve seguir e a violação não é a culpa do que o bebê, as pessoas olham para você como se você ficasse louca. Pior, algumas pessoas começam a duvidar de que realmente a pessoa foi violentada”.

Kali conta que conseguiu começar a reparar sua alma, refugiou-se em sua fé, sentindo-se amada por Deus, no seio da sua família. Foi também uma cura ver que a polícia poderia pegar “o monstro que brutalmente me estuprou” – disse – e depois vê-lo na cadeia.

“Embora a vida dentro dela foi concebido após a brutalidade do estupro de um monstro – lembra Kali -, não podia matar o meu bebê. Meus pais apoiaram a minha decisão.”

Merecemos ser amados
A gestação foi um processo difícil devido à sua idade, com o parto prematuro e o bebê passar vários dias nos cuidados intensivos. Mas, finalmente, o “apego à vida” estabilizou e agora é uma criança saudável, amada e feliz, diz a mãe orgulhosa.

“Agradeço a Deus por não ouvir a todos aqueles que me encorajaram a negar a vida a meu filho. Há muitas mais pessoas que, como eu, querem dar à luz, mas estão sendo atacadas para que não façam isso. Por favor, ajudem a parar esse preconceito. Falando de coração, mesmo no caso de estupro a vida é bela e meu filho é bonito. Ninguém pode dizer que foi concebido em um estupro ao olhá-lo. Então vamos acabar com essa atitude em relação a esses bebês e mães. Nós merecemos ser amados como todos os outros”.

Fonte: http://www.religionenlibertad.com/fue-violada-por-pedofilo-quedo-embarazada-pero-dijo–52421.htm
Tradução: Emerson de Oliveira

Comentários

Comentários

Sobre o autor

Número de entradas : 1244

© 2011 Powered By Wordpress, Goodnews Theme By Momizat Team

Voltar para o topo