You Are Here: Home » Teísmo/Ateísmo » Refutações » Desmascarando o “Contradições da Bíblia”: o canto do galo

Desmascarando o “Contradições da Bíblia”: o canto do galo

ContraRefutação do post A Contradição do Canto do Galo. Mais uma vez, perguntamos: como esses ateístas, que são simplórios, conseguem encontrar aparentemente “contradições” em tudo exceto em si mesmos e em sua posição controversa? Claro, como sempre, neo-ateus não se enxergam.

A pergunta é: o galo cantaria antes de Pedro negar Jesus por três vezes?

Em João 13:38 é dito claramente que não:

“Respondeu-lhe Jesus: Tu darás a tua vida por mim? Na verdade, na verdade te digo que NÃO cantará o galo enquanto NÃO me tiveres negado três vezes.”

Porém, Marcos 14:30 discorda:

“E disse-lhe Jesus: Em verdade te digo que hoje, nesta noite, antes que o galo cante duas vezes, três vezes me negarás.

Marcos, ao contrário de João, permite que o galo cante uma vez antes das três negações. E assim acontece:

Não há contradição entre os dois relatos porque, conforme as palavras realmente expressas nos textos, Mateus e João não afirmam quantas vezes o galo cantaria. Eles apenas dizem que Pedro negaria Cristo três vezes “antes que o galo cante”, sem dizer quantas vezes o galo cantaria. Marcos possivelmente esteja sendo mais específico, afirmando com exatidão quantas vezes o galo cantaria.

É também possível que a diferença entre os relatos seja devida a um erro de um copista no livro de Marcos, que resultou na inserção de “duas vezes” em manuscritos antigos (em Mc 14,30-72). Isso explicaria por que alguns manuscritos importantes de Marcos mencionam apenas um canto do galo, tal como em Mateus e João, e por que aparece a expressão “duas vezes” em diferentes lugares, em alguns manuscritos.

Mateus, Lucas e João, tudo indicam que Pedro negou Jesus três vezes antes que o galo cantasse. Marcos, no entanto, diz o contrário. Ele registrou a profecia de Jesus da seguinte forma: “Em verdade vos digo que, hoje, ainda esta noite, antes que o galo cante duas vezes, você me negará três vezes” (Marcos 14,30. Após primeira negação de Pedro de Jesus, aprendemos que ele “saiu na varanda, e um galo cantou” (Marcos 14,68). Após terceira negação de Pedro de Jesus, o galo cantou “uma segunda vez …. Então Pedro se lembrou da palavra que Jesus lhe tinha dito: “Antes que o galo cante duas vezes, você me negará três vezes” (Marcos 14,72).

Marcos difere dos outros escritores, já que ele especifica que o galo cantaria uma vez após a primeira negação de Pedro, e novamente após sua terceira negação. Mas, estas diferenças representam uma contradição legítima? Será que indicam, como alguns críticos afirmam que a Bíblia não é de Deus? Absolutamente não!

Considere a seguinte ilustração. Uma família de três pessoas foi a um jogo de futebol da escola juntos pela primeira vez. O pai e o filho tinham ido a vários jogos antes deste, mas a mãe nunca tinha tido a sorte de assistir a um jogo de escola até agora. Depois de entrar no estádio, Paulo diz a seu filho de 16 anos de idade, Tiago, que eles vão encontrá-lo no Portão 12 após o soar do alarme. Tendo guardado as instruções, Tiago vai para as arquibancadas para garantir que veja o chute inicial. Márcia, a esposa de Paulo, que não ouviu as instruções que ele deu a Tiago, pergunta-lhe quando eles devem se encontrar com o filho novamente. Ele responde: “Nós vamos encontrá-lo frente ao portão de saída depois que tocar a quarta campainha”. Após a quarta campainha? Mas ele disse a Tiago que iria encontrá-lo depois que a campainha tocasse. Será que Paulo se contradisse? Não. Neste estádio particular, marcava-se normalmente com um alarme sonoro após cada quarto de jogo. Mas, quando dizemos “na campainha”, ou quando se fala de “uma campainha” (como no basquete), geralmente estamos nos referindo a campainha final. Paulo estava familiarizado com o jargão esportivo e, assim, Tiago disse-lhe que iria vê-lo “depois de tocar o sinal”. Márcia, por outro lado, nunca assistido um jogo de futebol em sua vida, e recebeu instruções diferentes. De uma forma mais precisa, Paulo instruiu que Tiago iria encontrá-los, não depois da primeira, segunda ou terceiro, mas depois da quarta e última campainha marcar o fim do tempo regulamentar. Paulo sabia que se ele disse a Márcia, “Tiago vai nos encontrar depois que o alarme tocar”, ela teria esperado para encontrá-lo depois que tocasse o primeiro sinal. Assim, Paulo simplesmente informou a Márcia de uma forma mais detalhada. Certamente, ninguém diria que Paulo se contradisse.

De forma semelhante, não se deve supor que só porque três dos escritores do evangelho mencionam um cantar, enquanto Marcos mencionado dois cantares, existe uma contradição. Realisticamente, houve dois “cantos do galo”. No entanto, foi o segundo (o único que Mateus, Lucas e João mencionam), que foi o cantar “principal” (como a quarta campainha acima mencionada no jogo). No primeiro século, os galos estavam acostumados a cantar pelo menos duas vezes durante a noite. O primeiro canto (que apenas Marcos menciona – 14. 68) ocorria, geralmente, entre a meia-noite e uma hora da manhã. Somente alguns indivíduos tinha conhecimento disso (ver “galo”, Dicionário Fausset da Bíblia, 1998). É provável que Pedro nunca tinha ouvido isso, senão certamente a sua consciência adormecida teria despertado.

Quando Jesus disse: “Antes que o galo cante, você me negará três vezes” (Mateus 26,34), parece óbvio que ele estava usando “o galo cantar” na forma mais convencional. Marcos, por outro lado, especifica que havia dois cantares. Da mesma forma que o marido dá instruções a sua esposa mais detalhadas a respeito de um jogo de futebol, Marcos usou uma maior precisão no registro deste evento. Pode ser que Marcos citou as palavras exatas de Jesus, enquanto os outros escritores (sob a orientação do Espírito Santo) viram a necessidade de aplicar um estilo menos definido para indicar a mesma hora da noite (McGarvey, 1875, p. 355). Ou, talvez, Jesus fez ambas as afirmações. Depois que Pedro declarou que ele nunca negaria o Senhor, Jesus poderia ter repetido sua primeira declaração e acrescentou outro detalhe, dizendo: “Nesta mesma noite, antes que o galo cante duas vezes, você me negará três vezes” (Marcos 14,30. Não podemos ter certeza de por que o relato de Marcos está redigido de forma diferente do que os outros escritores, mas por entender que “o galo cante” comumente era usado para indicar um tempo pouco antes do amanhecer, podemos ter a certeza de que não existe contradição entre os escritores do evangelho.

Interessante é a resposta que dá o autor Edwin K.P. Chong, no Quodlibet Online Journal of Christian Theology and Philosophy. Eu gostaria de apresentar como uma explicação plausível que é conhecido como “a solução das seis negações.” Chong descreve-a assim:

Uma solução mais radical para o problema é apresentar de que houve, de facto, seis negações por completo, e não três. A lógica aqui é que a citação de Marcos de Jesus dizendo que Pedro o negaria três vezes antes que o galo cante duas vezes significa que haveria três negações a cada canto do galo. O galo cantou depois da terceira e sexta negações… isso explica por que as pessoas envolvidas nas negações nos quatro Evangelhos diferem um pouco.  É possível que os quatro Evangelhos juntos representem seis episódios de negação completamente diferentes, mas que cada Evangelho descreve apenas três deles?

A abordagem de seis negações foi popularizada por Harold Lindsell em seu livro de 1976, “A Batalha pela Bíblia” [Grand Rapids, Michigan: Zondervan, 1976]. O sucesso da abordagem baseia-se em ser capaz de reconstruir um relato convincente das seis negações que é consistente com todos os Evangelhos.

Sobre o autor

Artigos publicados : 1194

© 2011 Powered By Wordpress, Goodnews Theme By Momizat Team

Scroll to top
Powered by WordPress