Você está aqui:Home » Apologética geral » Críticas e resenhas » Crítica do filme “Deus não está morto 2”

Crítica do filme “Deus não está morto 2”

Enquanto “Deus não está morto 2” trata de um tema sério – a perseguição dos cristãos dentro da arena cada vez mais volátil do discurso público – não é um filme sério ou particularmente bom, escreve o revisor Ted Giese.

Apologética versus melodrama

Por Ted Giese

“Deus não está morto 2” é a sequela do filme de 2014 “Deus não está morto”. Neste episódio, o diretor Harold Cronk move os argumentos apologéticos da sala de conferências da faculdade para o tribunal. A professora Grace Wesley (Melissa Joan Hart) se envolve num caso jurídico da Primeira Emenda depois de receber uma reprimenda por abordar a questão de um aluno sobre as semelhanças entre a abordagem pacifista ao protesto civil ensinada por Martin Luther King Jr., Gandhi e Jesus. Ao responder à pergunta, Wesley cita o Evangelho de Mateus onde Jesus diz: “Vocês ouviram que foi dito: ‘Amarás o teu próximo e odiarás o teu inimigo’. Mas eu vos digo: Amai os vossos inimigos, e orai pelos que vos perseguem, para que sejais filhos do vosso Pai que está nos céus “(Mateus 5,43-45).

A estudante que faz a pergunta, Brooke Thawley (Hayley Orrantia), está sofrendo a morte de seu irmão. Sendo criada em uma casa ateia, ela fica surpresa ao descobrir que seu irmão possuiu uma Bíblia que ela recebe quando um voluntário gentil dá-lhe depois que o Exército da Salvação terminou de embalar as posses mundanas do seu irmão. A primeira coisa que ela vê ao abri-la é que seu irmão tem João 1,12 escrito na capa: “Mas a todos os que O receberam, que creram em Seu nome, deu o direito de se tornarem filhos de Deus”. O estudo da Bíblia de Thawley a leva a fazer a questão em sala de aula. Embora Wesley é uma cristã, ela não tinha incluído Jesus no plano de aula; Foi Thawley quem trouxe Jesus para a discussão. À sombra do caso judicial que se seguiu envolvendo seu professor, Thawley se torna um cristã.

Junto a esta trama e ao processo judicial, Cronk tece em personagens do filme anterior. O Pastor Dave (David AR White) é selecionado para o júri e trabalha através de uma sub-trama rasgado de manchetes sobre o estado emitindo intimações para seus sermões semelhantes ao que aconteceu em Houston em 2014. O estudante de intercâmbio Martin Yip Kwo, que se tornou um cristão no filme anterior, é renegado por seu pai ateu e, com a orientação do Pastor Dave, decide estudar para se tornar um pastor. A jornalista e blogueira Amy Ryan (Trisha LaFache), que também se tornou uma cristã no filme anterior com a ajuda da banda pop cristã Newsboys, retorna à tela junto com os Newsboys.

Como o primeiro filme, “Deus não está morto 2” tem sua parte de expressões teológicas que podem ser familiares aos evangélicos. Em um ponto, Thawley “deixa Jesus entrar em seu coração” (embora exista muita evidência de que é o Espírito Santo através da Palavra de Deus que está criando fé nela). Em outro ponto, Wesley transmite suas frustrações, reclamando como “recentemente, quando eu estava orando, é como se Jesus não estivesse me deixando sentir Sua presença. Normalmente eu quase posso tocar nele, mas … mas agora é como … é como se ele estivesse a um milhão de milhas de distância”, ao que seu avô, Walter Wesley (Pat Boone), responde:” Querida, você de todas as pessoas deve perceber quando Você está passando por algo realmente difícil, o professor está sempre quieto durante o teste”. Em ambos os casos e em muitas outras referências, Cronk e sua equipe do roteiro produzem um filme que apela primeiramente ao emocionalismo. Os cristãos que não vêm de uma tradição evangélica mais do que provavelmente acharão essa abordagem muito fraca.

No início do filme, como parece que o conselho escolar local está montando um caso contra ela, Wesley diz: “Eu não vou ter medo de dizer o nome de Jesus.” Isso revela a premissa geral do filme: os cristãos não devem ter medo de dizer o nome de Jesus em sua vocação – eles deveriam ter o direito de exercer livremente sua religião sem nenhuma restrição à sua liberdade de expressão a respeito dela, e os cristãos devem estar prontos, como diz São Pedro em 1 Pedro 3,15, (como o filme cita), para “sempre estar preparados para fazer uma defesa a qualquer um que lhe pede uma razão para a esperança que está em vós, mas faça com mansidão e respeito”. Honrar Jesus como Senhor e Deus não é apenas algo feito calmamente no coração, mas também algo confessado com os lábios.

Agora a pergunta importante: “O que os telespectadores fazem quando esta verdade bíblica nobre, boa e correta está envolvida em um filme medíocre?”

Embora melhor do que o primeiro filme, “Deus não está morto 2” ainda não é muito bom. Como um drama de tribunal, este não é “O sol é para todos” (1962), “Doze Homens e uma sentença” (1957) ou “Questão de honra” (1992); nem mesmo se equipara com os dramas do tribunal da tevê. De fato, é menos como “Lei & Ordem” (1990-2010) e mais como “Matlock” (1986-95), que é dizer que “Deus não está morto 2” está firmemente assentado no reino da fantasia do tribunal e melodrama. Se um terceiro “Deus não morre” for feito – em que, mais uma vez, o resultado final do enredo é determinado por ter fãs de Newsboys em um auditório orando para cumprir um pedido de oração durante um concerto – todo o empreendimento estará em grave perigo de passar do melodrama para a auto-paródia.

Enquanto o filme trata de um tema sério – a perseguição dos cristãos dentro da arena cada vez mais volátil do discurso público – “Deus não está morto 2” não é um filme sério. Dito isto, o filme leva-se a sério, no entanto, e nove em cada 10 vezes ele falha em suas metas apologéticas cristãs. Para ser caridoso, há alguns momentos em que a apologética real é introduzida na forma de participações especiais. Em um esforço para provar simplesmente que Jesus existia como uma figura histórica digna de discussão em uma sala de aula de história da escola pública, a defesa (Jesse Metcalfe) chama testemunhas como Lee Strobel, autor de Em defesa de Cristo (1998) e J. Warner Wallace, Autor de Cold-Case Christianity (2013). Durante seu interrogatório, Strobel até menciona o agnóstico erudito e historiador Bart Ehrman como alguém que acredita que Jesus é uma figura histórica. Os espectadores que procuram um drama mais sério sobre o tema podem muito bem se perguntar o que seria do filme se ele incluísse estas e outras participações especiais como o apologista e advogado cristão John Warwick Montgomery, e ateus como Richard Dawkins e Sam Harris. É justo desejar que o filme tenha sido diferente? Um filme mais sério pode ter um apelo mais amplo, atraindo não-cristãos, agnósticos e ateus, convidando a contemplação não enraizada no emocionalismo.

Na verdadeira forma melodramática, “Deus não está morto 2” termina com uma conclusão esmagadoramente positiva. Em um ponto, Wesley faz a afirmação: “Prefiro ficar com Deus e ser julgado pelo mundo do que ficar com o mundo e ser julgado por Deus.” O filme deveria ter terminado com ela perdendo o processo judicial, seu trabalho e suas economias. Isso teria sido um filme mais interessante. Nos Atos dos Apóstolos, lemos sobre os apóstolos sendo detidos por ensinar no templo sobre o Jesus ressuscitado e ascendido. Eles foram chamados perante o Sinédrio e, depois de serem espancados, o conselho “os acusou de não falarem em nome de Jesus, e deixá-los ir. Então eles deixaram a presença do conselho, regozijando-se que foram considerados dignos de sofrer desonra pelo nome. E todos os dias, no templo e de casa em casa, não cessaram de ensinar e pregar que o Cristo é Jesus”(Atos 5,40-42). O filme teve esse drama potencial construído no enredo mostrando a fé cristã em face da condenação mundana; no entanto, não agiu nesse potencial. Se “Deus não está morto 2” tivesse feito isso, teria sido um filme muito diferente. Uma das canções de Newsboys em destaque no final do filme tem a letra, “Eu quero ser culpado por associação”. Quanto mais pungente a canção teria sido se Wesley perdesse o processo judicial, deixando os espectadores com um professor abatido mas não destruído determinado a recorrer da decisão para um tribunal superior?

Um último ponto: Cronk e sua equipe de roteiro parecem ter esquecido a segunda parte de 1 Pedro 3,15, onde diz que a defesa que um cristão deve sempre estar pronta para fazer deve ser feita “com mansidão e respeito”. Os ateus neste filme não são tratados com mansidão ou respeito e nem são ateus em geral. Os pais de Thawley são retratados como pessoas insensíveis que depois de seis meses já não sofrem a perda de seu filho morto e não têm simpatia para com sua filha que ainda sofre a perda de seu irmão. O advogado de acusação, Peter Kane (Ray Wise), é um vilão bidimensional que diz literalmente que “odeia” pessoas como Wesley e o que ele chama de seu “sistema de crenças repressivas [cristãs]”. Ele espera provar “de uma vez por todas que Deus está morto”. Mesmo o avô de Wesley cavalheiramente empilha, dizendo: “É isso que é o ateísmo – não tira a dor, tira a esperança”. Não há nada particularmente amável sobre como o filme retrata ou se aproxima dos ateus; Eles não são feitos para ser pessoas como o resto dos personagens. É preocupante que “Deus não está morto 2” está mais focado na auto-piedade e no desejo de ser vindicado aos olhos do mundo do que no tratamento amável e atencioso dos antagonistas à fé cristã.

Voltando à pergunta: “O que os espectadores fazem quando esta nobre, boa e correta verdade das escrituras está envolvida em um filme medíocre?” Ore para que alguém se esforce para fazer um filme mais pensativo sobre a apologética cristã e as liberdades civis – um filme com roteiro, direção e atuação mais no nível com “Spotlight” (2015), que conseguiu lidar respeitosamente com a fé e um tema sério que afeta os cristãos. Deixe filmes como “Deus não está morto 2” ser um lembrete para procurar recursos credíveis sobre o tema da apologética quando se prepara para uma defesa pessoal diante de amigos, familiares e estranhos. Mas não se culpe em dizer que o filme é bom só porque o tópico é importante.

No Evangelho de Lucas, João e Jesus têm esta breve conversa onde João diz a Jesus: “Mestre, vimos alguém expulsando demônios em teu nome, e tentamos detê-lo porque ele não segue conosco”. Mas Jesus disse a ele, “Não o detenhas, porque quem não é contra ti é por ti” (Lucas 9,49-50). Assim, sem exigir que diretores como Harold Cronk parem de fazer filmes, na liberdade cristã os espectadores são livres para dizer que o filme é um melodrama e também na liberdade cristã podem pedir: “Por favor, dê-nos todos algo melhor”. E, finalmente, os espectadores cristãos podem ir em frente e ver “Deus não está morto 2” ou eles podem livremente ignorá-lo completamente.

O revisor Ted Giese (pastorted@sasktel.net) é pastor associado da Igreja Luterana Monte Olive, Regina, Saskatchewan, Canadá; Um contribuinte para o  Canadian Lutheran  e  Reporter OnlineE crítico de cinema para o programa de rádio “Issues, Etc.“. Siga o Pastor Giese no Twitter @RevTedGiese.

Fonte: https://blogs.lcms.org/2016/gods-not-dead-2
Tradução: Emerson de Oliveira

Comentários

Comentários

Sobre o autor

Número de entradas : 1306

© 2011 Powered By Wordpress, Goodnews Theme By Momizat Team

Voltar para o topo