Você está aqui:Home » Apologética geral » Igreja Católica » Uma resposta a RC Sproul sobre as doutrinas católicas do pecado original e livre arbítrio

Uma resposta a RC Sproul sobre as doutrinas católicas do pecado original e livre arbítrio

Ligonier recentemente postou uma palestra de RC Sproul intitulada “A Vontade dividida?”, em que Sproul se propõe a apresentar e criticar a doutrina católica do pecado original e livre arbítrio.

No início do vídeo, Sproul afirma que há uma certa ambiguidade no sistema católico de compreensão da relação da vontade do homem com o pecado original. Para mostrar essa ambiguidade, ele olha para trás na história da Igreja e revê a condenação da Igreja Católica do Pelagianismo e semi-Pelagianismo nos séculos V e VI e, em seguida, considera brevemente o que a Igreja ensinou no Concílio de Trento.

Ele afirma que o Concílio de Trento parece repudiar o agostinianismo, e que a Igreja Católica o faz claramente na controvérsia jansenista. Assim, Sproul afirma (por volta dos 3:30) que todas as opções de compreensão da relação entre a vontade do homem e o pecado original foram condenadas pela Igreja Católica. Ele também afirma (em torno de 3:50) que a maioria dos protestantes vêem o catolicismo moderno como tendo revertido de volta a uma forma de semi-pelagianismo e, portanto, inconsistente com sua rejeição prévia do semi-pelagianismo.

Então, em primeiro lugar (cerca de 5:00) ele se concentra no Canon 4 da Sexta Sessão do Concílio de Trento, que lê:

Se alguém diz que o livre arbítrio do homem movido e despertado por Deus, concordando com o chamado e a ação de Deus, não coopera de modo algum para se dispor e se preparar para obter a graça da justificação, que não pode recusar seu assentimento se quiser, como algo inanimado, não faz nada e é meramente passivo, que seja anátema.

Ele afirma (cerca de 8 ‘- 9’) que para a Igreja Católica, a pessoa deve cooperar com a graça infusa. Então (cerca de 9:40) ele explica a natureza da ambiguidade mencionada anteriormente. A ambiguidade, de acordo com Sproul, é esta: “Eles falam sobre a graça da justificação. Eles estão falando sobre a graça de regeneração, que é necessário para despertar alguém da morte espiritual, ou eles estão falando de uma cooperação que tem lugar após a regeneração? “De acordo com Sproul, tanto para Agostinho e os reformadores, a regeneração é monergística, pela graça irresistível, e a vontade é completamente passiva na regeneração.

Em seguida, cerca de 19 ‘, ele discute as condenações da Igreja das teses de Michael Baius. A Igreja Católica condenou várias teses apresentadas por Baius, entre as quais as seguintes: Que a vontade sem graça só pode pecar, e que o pecador é movido e animado somente por Deus. Sproul alega que nessas teses, Baius estava confiando diretamente em Agostinho, que além da graça regeneradora, o pecador é livre apenas para pecar.

Por volta de 20:30, Sproul discute a controvérsia jansenista e afirma que os jansenistas estavam tentando manter uma posição agostiniana. A Igreja condenou cinco teses jansenistas, das quais Sproul menciona as três seguintes:

1. Alguns dos preceitos de Deus são impossíveis aos justos, que desejam e se esforçam para mantê-los, de acordo com os poderes atuais que eles têm; A graça, pela qual eles são tornados possíveis, também está faltando.

2. No estado de natureza caída, nunca se resiste à graça interior.

3. Para merecer ou demérito no estado de natureza caída, a liberdade da necessidade não é necessária no homem, mas a liberdade da compulsão externa é suficiente.

Em seguida, aos 22’45 “Sproul discute uma citação do Catecismo da Igreja Católica. Ele cita os dois parágrafos seguintes do Catecismo:

A liberdade é o poder, enraizado na razão e na vontade, de agir ou não agir, fazer isto ou aquilo, e assim realizar ações deliberadas sob a própria responsabilidade. Por livre arbítrio, alguém dá forma à própria vida. A liberdade humana é uma força para o crescimento e a maturidade na verdade e no bem; Ele atinge sua perfeição quando dirigido a Deus, nossa bem-aventurança.

Enquanto a liberdade não se ligou definitivamente ao seu bem supremo que é Deus, existe a possibilidade de escolher entre o bem e o mal , e, portanto, de crescer em perfeição ou de falhar e pecar. Essa liberdade caracteriza atos humanos adequados. É a base do louvor ou culpa, mérito ou reprovação. ( CCC 1731-1732 )

Sproul então diz:

“Aqui está o ponto crítico: que de acordo com o Catecismo, o homem ainda tem o poder de escolher o mal ou o bem. O poder de escolher entre esses dois permanece intacto após a Queda. Essa declaração é 180 graus opostos ao ensinamento de Agostinho, e aos reformadores protestantes que disseram que o homem ainda tem a liberdade de escolher o que quer, mas que a liberdade é apenas em uma direção, a liberdade de escolher entre males alternativos, mas não têm o mesmo poder para escolher entre o bem ou o mal. Na verdade, esta declaração [do Catecismo] soa não só semi-Pelagiana, mas na verdade Pelagiana, dando origem a alguns teólogos dizendo que Roma realmente nunca nunca ultrapassou o pelagianismo.

Uma Resposta Católica

Quanto à afirmação de Sproul de que há uma ambiguidade na doutrina católica, particularmente no cânon 4 da sexta sessão do Concílio de Trento, não há ambiguidade. Sproul pergunta:

“Eles falam sobre a graça da justificação. Eles estão falando sobre a graça de regeneração, que é necessário para despertar alguém da morte espiritual, ou eles estão falando de uma cooperação que tem lugar após a regeneração? “

Na teologia católica, há uma distinção entre a graça real e graça santificante (consulte “Lawrence Feingold sobre a graça santificante e graça atual“). O cânone 4 da Sessão Seis está se referindo a ambos os tipos de graça. Quando diz “movido e excitado por Deus”, está falando sobre a graça atual. Quando ela diz “a graça da justificação”, ela está falando sobre a graça santificadora. Então, sim, a graça da justificação é a graça da regeneração, mas que de modo algum elimina ou nega a operação da graça atual anterior à justificação, e nossa capacidade e obrigação de cooperar com a graça atual, para obter a graça da justificação em batismo. Essa graça atual é em si mesma dupla, consistindo em graça operacional (na qual só Deus atua inicialmente), e graça cooperadora (em que cooperamos com Deus, em resposta a Sua graça operacional). Foi o que Santo Agostinho ensinou:

E quem foi que começou a dar-lhe o seu amor, ainda que pequeno, mas Aquele que prepara a vontade e aperfeiçoa por Sua cooperação o que Ele inicia por Sua operação? Pois como no início Ele trabalha em nós para que tenhamos a vontade, e em aperfeiçoar as obras conosco quando temos a vontade. Em que conta o apóstolo diz, estou confiante disso mesmo, que aquele que começou uma boa obra em vós o realizará até o dia de Jesus Cristo. Ele opera, portanto, sem nós, para que possamos desejar; Mas quando quisermos e assim agirmos, Ele cooperará conosco. (Sobre graça e livre arbítrio, 17)

A graça monergística a que Santo Agostinho se refere não é a graça da regeneração, mas a graça atual (isto é, a graça operante), que precede a regeneração, e com a qual cooperamos livremente para nos preparar para a justificação. Para Santo Agostinho a vontade é passiva quando Deus age com a graça operante, mas a vontade não é passiva na justificação, exceto no caso dos bebês, para os quais os pais os substituirão.

Quanto às condenações de duas teses feitas por Baius, Sproul parece implicar aqui que nestas condenações, a Igreja estava se apoiando em uma posição pelagiana. Mas isso é porque Sproul está negligenciando a distinção entre natureza e graça. A noção de que “a vontade sem graça só pode pecar” é falsa porque algumas ações realizadas por pessoas não regeneradas são boas ao nível da natureza (por exemplo, corajosas, sacrificais, generosas, etc.), mas porque são realizadas sem a virtude sobrenatural de agape elas não são dirigidos para o nosso fim sobrenatural, e, portanto, não são meritórias para o céu. (Veja ” Natureza, Grace, e fim sobrenatural do homem: Feingold, Kline, e Clark .”)

Similarmente, Sproul implica que a condenação da Igreja da afirmação de Baius de que “o pecador é movido e animado somente por Deus” é uma concessão ao pelagianismo. Mas na verdade a Igreja está defendendo o ensino agostiniano de que a justificação não é monergista, mas depende da nossa cooperação com a graça atual. Novamente, o erro de Sproul aqui é baseado em sua confusão da graça atual e da graça santificadora.

Sproul não especifica como ou de que maneira ele acha que a condenação da Igreja dos três princípios jansenistas que ele menciona era uma concessão ao pelagianismo. Ele parece pensar que a condenação da alegação de que “No estado de natureza caída nunca resiste graça interior” é uma concessão ao semi-Pelagiansimo. Mas, se é assim, isso é porque não está distinguindo entre a graça atual e a graça santificadora, e portanto presume que a única graça dada é a graça da regeneração; Portanto, se cooperarmos com nossa própria natureza caída, com a graça da regeneração, que obviamente seria uma espécie de pelagianismo. Mas se pela graça efetiva operante somos movidos primeiramente de nossa condição caída, a uma circunstância em que nós podemos cooperar livremente com a benevolência real, então reconhecer nossa cooperação com benevolência real não é pelagiana nem semi-Pelagiana. Nesse caso, reconhecendo também nossa resistência à graça atual não é pelagiano nem semi-pelagiano.

A condenação do terceiro princípio jansensista não implica o pelagianismo ou semi-pelagianismo porque o mérito a que se refere não é o do céu (isto é, o fim sobrenatural do homem), mas o bem do fim natural do homem.


RC Sproul

Finalmente, em relação à citação do Catecismo sobre o livre-arbítrio do homem, a afirmação de Sproul de que a declaração do Catecismo equivale ao pelagianismo baseia-se no fato de Sproul não compreende a distinção do Catecismo entre natureza e graça. A vontade do homem caído mantém a capacidade de escolher entre o bem e o mal, mas não tem, por si só, o poder de escolher o bem sobrenatural do homem. 1Nem a graça real ou santificante é necessária para escolher entre a coragem e covardia, entre a generosidade e mesquinhez, entre pais responsáveis ou seus filhos negligentes.  Vemos que os não-cristãos escolhem livremente entre eles, às vezes às vezes de maneira errada, diariamente. A graça é necessária para escolher e alcançar o fim sobrenatural do homem. Isso é o que o Pelagianismo nega. Santo Agostinho nunca negou que os pagãos tenham livre arbítrio para escolher entre o bem e o mal. Nem ele sustentava que toda ação de uma pessoa não regenerada era um pecado. Em vez disso, ele sustentou que pessoas sem graça real não poderiam escolher nosso fim sobrenatural, e que as pessoas sem graça santificante não poderiam merecer nosso fim sobrenatural, ou seja, o céu. Não distinguir entre natureza e graça, e entre nosso fim natural e nosso fim sobrenatural, leva a concluir falsamente que afirmar a capacidade do homem caído de escolher livremente entre o bem e o mal é algum tipo de pelagianismo.

Sproul afirma neste vídeo, mas em nenhum lugar mostra aqui, que a Igreja Católica tem revertido de volta a uma forma de semi-Pelagianismo. Ele também afirma, mas não mostra, que todas as opções relativas à relação do livre-arbítrio e do pecado original foram condenadas pela Igreja Católica. Mas em nenhum lugar ele realmente mostra que a Igreja já condenou o que ela já ensinou ou ensina sobre a relação do pecado original e do livre-arbítrio.

Para uma avaliação Católica de noção de livre arbítrio de Lutero e Calvino, consulte “Lawrence Feingold sobre Liberdade de Will” [ -benzóico.]

Fonte: http://www.calledtocommunion.com/2012/07/a-reply-to-r-c-sproul-regarding-the-catholic-doctrines-of-original-sin-and-free-will/
Tradução: Emerson de Oliveira

Comentários

Comentários

Sobre o autor

Número de entradas : 1296

© 2011 Powered By Wordpress, Goodnews Theme By Momizat Team

Voltar para o topo