Você está aqui:Home » Teísmo/Ateísmo » Refutações » Sociologia questionável… Exagerando o número de ateus

Sociologia questionável… Exagerando o número de ateus

(Nota do Editor: Bill Donohue é o presidente da Liga Católica para os Direitos Religiosos e Civis [catholicleague.org]) Este editorial foi originalmente publicado em 27 de abril no site da Catholic League, catholicleague.org. Todos os direitos reservados
(Em 1980, Donohue Recebeu seu doutorado em sociologia pela Universidade de Nova York.)

+ + +

Dois psicólogos da Universidade de Kentucky, Will M. Gervais e Maxine B. Najle, afirmam que 26% dos americanos são ateus.
Sua pesquisa, disponível agora em PsyArXiv.com, aparecerá em uma edição próxima da Social Psychological and Personality Science; A revista é publicada oito vezes por ano.
Sua descoberta não só contradiz todas as pesquisas respeitáveis ​​sobre este assunto – de Gallup ao Pew Research Center – mas sua metodologia é questionável, suas classificações são inexatas, e suas conclusões são contenciosas.
Os pesquisadores começam com a suposição de que, devido ao preconceito, muitos americanos que são ateus são relutantes em se identificar como tal em pesquisas por telefone. Gervais e Najle tentaram contornar esse viés empregando o que é conhecido como “a técnica de contagem inigualável”.
Eles dividiram seus entrevistados em dois grupos: ambos foram perguntados a mesma série de questões mundanas, como se eles possuíam um cão, mas um grupo também foi perguntado se eles acreditavam em Deus. Todos os entrevistados foram então convidados a dizer quantos dos itens eram verdadeiros sobre eles, sem identificar especificamente ninguém.
“A diferença entre as taxas agregadas nestas condições pode presumivelmente ser atribuída à adição do item socialmente sensível”, disseram.
Em outras palavras, eles assumiram que os dois grupos eram semelhantes em muitos aspectos, levando-os assim a assumir que qualquer diferença era atribuível à questão sobre Deus.

Esta não é uma metodologia indefensável, mas é obviamente carregada com suposições – muitas delas para tirar uma conclusão significativa. Mais controverso é a sua classificação binária de ateus como pessoas que não acreditam em Deus (em comparação com aqueles que creem).
Os pesquisadores definem ateus como “meramente pessoas que não acreditam ou não acreditam na existência de Deus ou deuses”. Eles citam o Oxford English Dictionary (OED) como a fonte de sua definição. Mas há muito mais do que eles sugerem.
A definição do OED é suficientemente ampla para incluir agnósticos. Uma definição mais precisa é encontrada no dicionário de Merriam-Webster: Define um ateu como “uma pessoa que não acredita na existência de um deus ou de algum deus.” Define um agnóstico como “uma pessoa que detém a opinião que qualquer realidade última (tal como Deus) é desconhecida e provavelmente incognoscível “.
Para dizer de outra forma, um ateu nega a existência de Deus; Um agnóstico duvida que Deus existe. Eles não são idênticos.
Cavando um pouco mais, até mesmo o OED presta apoio à definição de Merriam-Webster. Por exemplo, ele cita exemplos históricos onde o uso precoce da palavra ateu é empregado para significar “não há Deus”.
Em contraste, ele define um agnóstico como: “Aquele que sustenta que a existência de algo além e atrás de fenômeno material é desconhecido e incognoscível … “
Uma objeção mais séria diz respeito à maneira como os pesquisadores classificam a população. Do meu próprio trabalho, The Catholic Advantage: Why Health, Happiness, and Heaven Await the Faithful (A vantagem católica: Por que a saúde, felicidade e céu esperam os fiéis), a definição binária preferida pelos pesquisadores é muito simplificada e, portanto, inadequada.
Frank Newport, editor-chefe da Gallup, escreveu um livro alguns anos atrás, Deus Está Vivo e Bem, que concluiu que mais de 90 por cento dos americanos acreditam em Deus. Esse é um número muito maior do que Gervais e Najle queriam que acreditássemos.
Além disso, uma pesquisa do Pew Forum concluiu que 40% dos norte-americanos são “muito religiosos” e que o resto da população estava dividido entre aqueles que ocasionalmente freqüentam a igreja e aqueles que não são religiosos.
Este último segmento da população é o mais diverso dos três: Cerca de metade das pessoas “não-religiosas” ainda vão à igreja, embora com pouca freqüência, e quase metade delas crê em Deus; A outra metade, cerca de 16 por cento da população, nunca freqüenta igreja. Estes são os “desigrejados” – aqueles que, quando perguntados sobre sua afiliação religiosa, dizem que não têm nenhum.
Isso mostra quanto mais complexo é esse segmento da população: Mesmo aqueles que não são religiosos desafiam a classificação como ateus, como interpretado por Gervais e Najle.
Na verdade, a maioria dos “não-religiosos” não são ateus nem agnósticos, e uma pequena maioria ainda acredita em Deus. Na verdade, agnósticos são apenas 3,3 por cento da população e ateus são apenas 2,4 por cento. Além disso, 13 por cento desses dois segmentos da população ainda freqüentam a igreja em uma base mensal ou anual.
Então vamos recapitular.
As organizações de pesquisa de pesquisa mais conceituadas da nação colocam a porcentagem de ateus na população em 2,4. Gervais e Najle estão dizendo que a cifra real está próxima de 26%. Em outras palavras, Gallup e Pew estão fora por quase 1.000 por cento.
Pelas razões expostas, os resultados relatados por esses dois institutos de pesquisa proeminentes oferecem um retrato muito mais aprofundado e sofisticado do público do que o inquérito feito pelos pesquisadores de Kentucky.
Não se pode negar que o predicado de sua pesquisa, e sua conclusão, também é contenciosa. Eles sustentam que o “preconceito anti-ateu” está conduzindo suas descobertas. Em outras palavras, devido ao preconceito, os ateus relutam em se identificar como tais.
Se Gervais e Najle fossem menos dados à correção política, poderiam admitir que não são ateus que são estigmatizados em muitos círculos culturais; São aqueles que são abertamente religiosos.
Na TV, especialmente nos programas de entrevistas de fim de noite, e nos filmes, são os americanos religiosos – não ateus – que são o alvo de piadas e retratos cruéis.
Não vamos esquecer os campi universitários: os fiéis, não ateus, são muito mais propensos a serem estigmatizados.
Que aqueles que têm essa atitude se consideram os altos príncipes da tolerância torna esta situação ainda mais perturbadora.
Francamente, nunca antes na história americana houve menos preconceito contra ateus do que existe hoje.
Inflar seus números pode ser uma boa estratégia para encorajar suas fileiras, mas é uma má ciência social.

Fonte: http://thewandererpress.com/catholic/news/featured-today/questionable-sociology-inflating-the-number-of-atheists/
Tradução: Emerson de Oliveira

Comentários

Comentários

Sobre o autor

Número de entradas : 1297

© 2011 Powered By Wordpress, Goodnews Theme By Momizat Team

Voltar para o topo