Você está aqui:Home » Ciência » Sem Igreja Católica, Sem Método Científico

Sem Igreja Católica, Sem Método Científico

Um ex-físico do Laboratório Nacional Lawrence Berkeley, Scott Locklin, trabalha em problemas quantitativos de finanças em Berkeley, Califórnia, mas recentemente considerou emigrar para a América. Este artigo originalmente apareceu de forma bastante diferente em www.takimag.com, e é reimpresso com permissão. 

O argumento de que a Igreja tem um papel a desempenhar na evolução contínua do empreendimento científico é sem dúvida confuso para muitas pessoas, crentes e não crentes. Nos tempos modernos, tornou-se moda pensar na Igreja Católica de alguma forma antitética à ciência. A idéia é praticamente universal entre os não-crentes, entre os quais eu, infelizmente, contei-me. Eu suspeito que a idéia se tornou mais comum entre os católicos também. Não há motivo para ser: o projeto científico, mesmo o próprio método científico, é uma invenção da Igreja Católica.

O que nos referimos hoje como “ciência” é algo inventado pelo homem. Há uma data definida antes da qual não havia ciência e um encontro após o qual houve ciência. Isso não é controverso ou misterioso: sabemos exatamente quando aconteceu. Na verdade, alguns dos manuscritos originais que ajudaram a codificar a ciência e o pensamento científico moderno ainda existem. Por algum motivo, muitos hoje gostam de pensar no Galileu como o primeiro cientista. Embora ele fosse realmente um grande cientista, ele não foi, de modo algum, o primeiro; Ele foi simplesmente o primeiro a ter dificuldades políticas como resultado de suas descobertas. Curiosamente, ninguém dá crédito a Galileu por ser um católico devoto (ver “The Galileo Legend”, de Thomas Lessl, NOR, junho de 2000).

A ciência foi inventada na alta Idade Média, uma era peculiar de grande prosperidade e realização humana na Europa e em outras partes do mundo. Foi um tempo de cavaleiros, época em que os europeus alcançaram seu verdadeiro potencial como civilizados. As grandes universidades européias foram fundadas durante esta era feliz: Bolonha, Coimbra, Paris, Oxford, Salamanca, Cambridge, Montpelier, Pádua. A ideia da universidade foi inventada durante este período, e veio diretamente do monaquismo católico. A notação musical foi inventada. Moinhos de vento, óculos, impressão, relógios melhorados – todos foram inventados por esse tempo, e outras invenções, como o papel, a roda giratória e a bússola magnética, foram introduzidas do exterior pelas grandes cidades comerciais.

Temos evidências visuais da glória e prosperidade desta época na Europa sob a forma de catedrais góticas. Pode-se olhar para essas magníficas igrejas como a cristalização física do mesmo espírito heróico que produziu o método científico, no mesmo sentido que se pode observar o Partenon de Pericles como a cristalização física do espírito de Platão e dos filósofos gregos.

Este artigo é parte do artigo completo disponível aqui.

Tradução: Emerson de Oliveira

Comentários

Comentários

Sobre o autor

Número de entradas : 1307

© 2011 Powered By Wordpress, Goodnews Theme By Momizat Team

Voltar para o topo