Você está aqui:Home » Teísmo/Ateísmo » Refutações » Resposta ao “Refutando a Bíblia”: Por que eu devo acreditar em Deus?

Resposta ao “Refutando a Bíblia”: Por que eu devo acreditar em Deus?

Eu penso duas vezes antes de responder a certos vídeos de “ateus”. Primeiro, analiso se vale a pena ser respondido. Depois, vejo se compensa. Ateus têm argumentos e podem ser debatidos. Alguns têm argumentos profundos e é possível dialogar e responder e é isso que fazemos. Mas muitos desses ateístas e neo-ateus têm “argumentos” estupidamente superficiais e só repetem os mesmos de sempre, além de distorcer a fé cristã para melhor detonar. É a tática do espantalho. Desta feita, vamos analisar o vídeo em questão e nossas respostas abaixo.

Primeiro, o rapaz começa a perguntar se “devo acreditar em Deus por alguma necessidade biológica?” Ora, mas primeiro temos que definir os termos. O que é matéria? Matéria é tudo o que existe? Primeiro, precisa definir seu ponto para dar alguma conclusão. Mas vamos lá. Poderia perguntar “qual a necessidade biológica da justiça?” ou “qual a necessidade biológica do altruísmo?” Só isso dá um assunto tremendo e não é nosso objetivo aqui. Mas poderíamos argumentar se a moralidade tem origem evolutiva ou divina. Mas se pra tudo tem que ter uma “necessidade biológica”, poderíamos ver o absurdo de responder a essa pergunta.

Já vi muitos ateus lutaram muito quando eu pedi-lhes para oferecer uma base objetiva para a moralidade de sua visão de mundo ateísta. Eles continuaram tentando dar provas de como sabemos que algo é moral ao invés de por que algo é moral. Um ateu disse que “não prejudicar as pessoas” é o padrão. Mas por que prejudicar as pessoas é errado se não existe Deus? E se prejudicar as pessoas aumenta a sua sobrevivência e a maioria dos outros?

Outro disse: “felicidade” é a base para a moralidade. Depois de perguntar-lhe: “Felicidade de quem, Madre Teresa ou Hitler?”, Ele disse, “eu preciso pensar mais sobre isto”, e depois sentou-se. Isso não diz nada sobre a inteligência dessas pessoas – não há uma boa resposta para a questão. Sem Deus, não há base para a moral objetiva. É apenas a opinião da madre Teresa contra Hitler.

Daí já começamos a ver a complexidade para o ateísta. Ele simplesmente se esquiva de defender e explicar sua própria posição, partindo para criticar o que acha superficialmente que seja o teísmo. Assim é fácil.

Depois ele diz “estou vivo sem acreditar nele”. E daí? Existem pessoas que estão vivas mesmo sem aprender a ler. Existem pessoas que estão vivas mesmo sem saber da existência da penicilina. E vamos lá. A premissa básica dele é: “qual a necessidade biológica de eu acreditar em Deus?” Esta é a parte mais engraçada: “se eu deixar de comer, vou ter fome. Se eu deixar de dormir vou ter sono. Se eu deixar de acreditar em Deus, qual a consequência?” Da mesma forma, poderíamos perguntar: “Se alguém deixar de estudar e trabalhar, vai deixar de ser rico. Mas existem pessoas que são bem felizes e existem mesmo sem serem ricas”. Isso não é argumento. A questão simples é que ele parte de um pressuposto materialista para analisar conceitos diferentes. E por isso se equivoca. Pediria para ele me enumerar as “necessidades biológicas” por exemplo, de fazer o bem, ou ter empatia. É apenas um “orgasmo celular de reações químicas cerebrais” que me fazem fazer o bem ou há algo mais?

Alguns ateus, como Richard Dawkins e Christopher Hitchens, insistem que a moral é simplesmente o produto da evolução.   Sensibilidades morais comuns (Não assassinar, violar, roubar, etc.) ajudam a garantir a nossa sobrevivência evolutiva.   Existem vários problemas com esta visão:

  1. O estupro pode aumentar a sobrevivência das espécies, mas isso faz com que a violação seja boa?   Devemos estuprar?
  2. Matar os fracos e deficientes pode ajudar a melhorar as espécies e a sua sobrevivência (plano de Hitler).   Isso significa que o Holocausto foi bom?
  3. A evolução não fornece base sólida para a moralidade.   Se a evolução é a fonte da moral, então, o que é para impedir que a moral evolua (mudando) até o ponto em que um dia o estupro, roubo e assassinato sejam considerados morais?
  4. Dawkins e Hitchens confundem a epistemologia com ontologia (como sabemos que existe algo com isso e o que existe).   Portanto, mesmo se a seleção natural ou algum outro processo químico é responsável por nós sabermos o que é certo do errado, isso não explicaria por que algo está certo ou errado.   Como um processo químico (seleção natural) produz uma lei moral imaterial?   E por que alguém tem a obrigação moral de obedecer a um processo químico?   Você só tem a obrigação moral de obedecer a um ser pessoal supremo (Deus) que tem autoridade para colocar obrigações morais sobre você.   Você não tem obrigação moral para a química.

A questão do teísmo e ateísmo é uma questão também de examinarmos as evidências.

Gostaria que você considerasse por um momento por que você acredita em Deus (se você fizer isso). Que evidências ou argumentos ou experiência o levaram a essa crença? Se você foi perguntado, como você responderia? Sua resposta provavelmente se baseará em algum aspecto de sua experiência do mundo, pelo qual você acredita que Deus é a melhor explicação. Em outras palavras, um universo criado por Deus seria diferente de um sem Deus. Como Richard Dawkins diz:
“… um universo com um superintendente criativo seria um universo muito diferente de um sem”. (2)

Eu concordo com ele que a existência de um “superintendente criativo”, ou seja, “Deus”, deve fazer a diferença para o universo em que vivemos – ou pelo menos o mundo deve suportar algo da marca da mão de Deus por trás disso. Se nada no mundo realmente precisa de Deus para explicar por que é como é, então por que devemos acreditar que Deus realmente existe?

Recomendamos este excelente livro “Não tenho fé suficiente para ser ateu” para saber mais e responder aos céticos.

O sujeito termina dizendo “qual a consequência de eu deixar de acreditar em Deus?” A mesma consequência que teria alguém que não examinasse todas as evidências e simplesmente parte para alegar bobagens do que acha ser a fé cristã. Depois parte o “aí entra o apelo religioso”. Não sei nem por onde começo a detonar tanta superficialidade desses Toddynhos. Primeiro, a fé cristã não ensina que simplesmente não crer em Deus é “condenado ao inferno” e sim a negação absoluta e rebeldia contra Deus. Por isso, a crença em Deus é um convite e não algo forçado. Como tudo, é passível de um exame e uma consciência correta para se examinar as evidências da existência de Deus ou não. Dá pra perceber que esse sujeito inócuo, como muitos ditos “cristãos superficiais” ou “nominais”, já que o sujeito alega ter sido “cristão” recebeu péssima educação ou formação e agora parte para atacar um espantalho da fé cristã. Pior, realmente muitos se tornaram “ateus” por terem ouvido “ameaças” de pessoas que disseram que “iriam para o inferno se não cressem em Deus”. Essa é uma forma equivocada de falar e não é isso o que ensina a fé cristã. O indolente simplesmente ataca o que acha ser a fé cristã e não apresenta nenhum argumento ou o por quê de ser “ateu”.

“Mas existem cristãos que não acreditam no inferno”, assim como há pessoas que nunca subiram na vida por não terem estudado. Se uma pessoa não estudar, não vai aprender a ler. É tanta falácia que não sei nem como enumerar. É típico desses atelhos. Simplesmente acha que a fé cristã é uma coação e não é. Se fosse uma pessoa honesta, teria examinado as evidências. Não é à toa que por essas pessoas terem sido “cristãs superficiais” tornaram-se “ateus superficiais”.

Para começar, poderíamos citar o exemplo do universo. O primeiro argumento para um Deus criador é baseado em duas declarações bastante diretas que a maioria das pessoas concorda serem razoáveis. Se você ouvir um estrondo alto do quarto ao lado, e alguém entra daquele quarto, é provável que você pergunte “O que fez esse estrondo?” Você pode aceitar a resposta “Não sei”, mas você definitivamente deve estar descontente com a resposta “Nada, simplesmente aconteceu”. Nossa experiência consistente é que as coisas não acontecem apenas – elas têm uma causa. A carta que vem através da nossa caixa de correio não apareceu simplesmente do nada – alguém escreveu e postou.

Como Deus criou seres espirituais com o propósito de expressar o amor, esses seres devem ter plena vontade livre para expressar esse amor. Claro, o livre arbítrio permite a possibilidade de aqueles seres que rejeitam Deus e seus planos. Infelizmente, a maioria das pessoas não concorda que as regras de Deus são boas e não querem viver por elas. Na verdade, a grande maioria das pessoas quer dirigir suas próprias vidas sem se submeter a Deus. De alguma forma, eles sentem que Deus os deixará no paraíso porque eles se comportaram como bons, e talvez melhor ainda, em comparação com o resto das pessoas na Terra. O problema com essa idéia é que Deus não classifica a curva. Todos os que entram no reino de Deus devem ser absolutamente sagrados, pois nenhum pecado é permitido na presença de Deus. Além do que, além do mais, As pessoas devem estar dispostas a permitir que Deus as impeça de pecar de novo, já que não há pecado no céu . Isso significa que as pessoas devem estar dispostas a submeter-se plenamente à vontade de Deus para entrar no céu . É claro que todos os seres humanos estão aquém das exigências morais de Deus. Portanto, Deus criou uma disposição para apagar todos os pecados que cometemos nesta vida e nos aperfeiçoar para que não possamos pecar na próxima vida. Essa provisão para o pecado é através do sacrifício do filho de Deus, Jesus Cristo .

A questão da singularidade do cristianismo já foi amplamente explicada. Dá pra perceber que o sujeito tem uma análise superficial do que seja o cristianismo e religiões e simplesmente parte para falar nonsenses.  O cristianismo não é um sistema de busca do homem por Deus, mas uma história da busca de Deus pelo homem. A verdadeira religião não é como uma nuvem de incenso que flui de espíritos especiais nas narinas de um deus que espera, mas, como a mão de um pai enfiou para baixo para resgatar o caído. Ao longo da Bíblia, a religião feita pelo homem falha. Não há caminho humano até a montanha, apenas um caminho divino. “Ninguém viu Deus em nenhum momento. O Filho unigênito que está no seio do Pai, ele o fez conhecer”.

Se fizéssemos as estradas, seria realmente arrogante afirmar que qualquer estrada é a única válida, pois todas as coisas humanas são iguais, pelo menos em todos ser humanos, finitos e misturas do bem e do mal. Se fizéssemos as estradas, seria tão estúpido absolutizar um deles como absolutizar uma forma de arte, um sistema político ou uma forma de esfolar um gato. Mas se Deus fez o caminho, devemos descobrir se ele fez muitos ou um. Se ele fez apenas um, então o sapato está no outro pé: é humildade, não arrogância, aceitar este único caminho de Deus, e é arrogância, não humildade, insistir em que nossas estradas sintéticas são tão boas quanto o Deus de Deus – feito um.

Mas qual a suposição é verdadeira? Mesmo que o pluralista seja verdadeiro, nem todas as religiões são iguais, pois então uma religião é pior e mais arrogante do que todas as outras, pois se concentra em alguém que afirmou: “Eu sou o Caminho, a Verdade e a Vida; ninguém pode vir ao Pai, senão por mim “.

A Igreja reconhece que Deus não condena aqueles que inocentemente ignoram a verdade sobre sua oferta de salvação. Em relação à doutrina em questão, o Catecismo da Igreja Católica (citando o documento do Vaticano II Lumen Gentium , 16) afirma:

Esta afirmação não é destinada àqueles que, sem culpa própria, não conhecem Cristo e sua Igreja: aqueles que, sem culpa própria, não conhecem o Evangelho de Cristo ou sua Igreja, mas que, no entanto, procuram Deus Com um coração sincero e, movidos pela graça, tentam suas ações para fazer a sua vontade conforme elas o conhecem através dos ditames de sua consciência – também podem alcançar a salvação eterna. (CCC 847)

Este ensinamento é consistente com o próprio ensinamento de Jesus sobre aqueles que inocentemente o rejeitam: “Se eu não tivesse vindo e falei com eles, eles não teriam pecado” (Jo 15,22).

A Igreja Católica assegura a possibilidade de os não-cristãos serem salvos do inferno . Como o Papa João Paulo II afirmou em sua encíclica Redemptoris Missio ,

É o resultado de seu Sacrifício e é comunicado pelo Espírito Santo. Permite que cada pessoa obtenha a salvação através da sua livre cooperação “.

CONCLUSÃO

O número de não-cristãos salvos é conhecido apenas por Deus e deve passar pela expiação de Cristo pelos pecados do mundo – uma expiação que é especificamente chamada de “misteriosa” (acima, Dominus Iesus, p.221).

Mas uma vez que uma pessoa conhece a verdade, ele deve abraçá-la ou ele será culpado de rejeitá-la. Nós vemos isso nas palavras de Jesus aos fariseus: “Se você fosse cego, você não teria culpa, mas agora que você diz:” Nós vemos “, sua culpa permanece” (Jo 9, 41).

Não. Se isso fosse verdade, Deus estaria jogando tudo menos um pequeno fragmento de Seus filhos para o inferno simplesmente porque eles não nasceram com a oportunidade de ouvir Sua Palavra.

Um bom pai é igualmente orgulhoso de seu filho de segunda série, que tem aula de aritmética, como ele é de seu filho de idade universitária, que tem aulas de cálculo. Da mesma forma, Deus nos julga pelo que conhecemos e o que aprendemos nesta vida. Não importa o que a nossa estação na vida, nosso melhor é de alguma forma bom o suficiente para ele. O plano de Deus é um plano de salvação – não um plano de condenação.

“Só existe para mim aquilo que eu conheço”. Essa é outra parte engraçada. Engraçado perguntar para um analfabeto se ele não acredita na alfabetização só porque não foi alfabetizado.

Resumindo: Mais outro vídeo ateísta superficial.

Comentários

Comentários

Sobre o autor

Número de entradas : 1297

© 2011 Powered By Wordpress, Goodnews Theme By Momizat Team

Voltar para o topo