Você está aqui:Home » Logos » Refutação do “Entendendo o cristianismo”, do ateísta RafaChannel3001

Refutação do “Entendendo o cristianismo”, do ateísta RafaChannel3001

Esta é uma resposta para o RafaChannel3001, do tal “Despertando consCiência”. Se houver um Deus Onisciente e Todo-Poderoso, então podemos esperar que Suas motivações para a ação sejam, em muitos casos, desconhecidas para nós. O sujeito aí do vídeo começa citando Dan Barker, o já muitas vezes refutado ateísta, responsável por muito dessa geração de ateístas militantes e suas alegações furadas. Ele cita “o cristianismo é baseado numa ameaça de violência física”. Além dessa alegação ser totalmente tosca e disparatada, é completamente superficial. O cristianismo é baseado numa relação de amor, no qual se atinge a sua finalidade última. Cristo permitiu-nos descansar nele para pararmos de tentar insuficientemente saciar nos desejos com bens incapazes para tal no qual se atinge a nossa finalidade última. Eu não vou aqui nem refutar Dan Barker em si, já que isso é outro assunto mas suma “analogia do inferno” é estúpida. Barker (e esse tal de Rafael) não parece fazer qualquer esforço para lidar  intelectualmente com os desafios típicos como a existência do inferno e do pluralismo religioso. Ele só quer ser apreciado por pessoas em vez de ser amado por Deus. Ele parece ter pensado que ser cristão o faria feliz e que outras pessoas respondem a ele e gostar dele, sem ter que fazer qualquer trabalho para explicar por que o cristianismo é verdadeiro. Mas isso não é bíblico. Mesmo que o canto e a pregação sejam longos, você ainda tem de saber como dar uma resposta aos não-cristãos. Mas Barker não poderia dar uma resposta – não uma que lhe permitisse manter suas crenças. Ele não tinha preparado uma defesa. Esse Rafael usa uma fraca e deficiente analogia de um pastor fundamentalista (entenda-se “simplório”) como argumento. E falha. A fraca analogia do Barker e desse cara é absurda! Desconstrói por completo a essência do cristianismo, do amor e da tolerância. Oferece o Céu àqueles que o desejarem em nome de Jesus, e a perdição eterna para os que também assim o quiserem. É violência dar ao homem o poder de escolha?

A primeira suposição falsa é que o amor permite que o objeto desse amor faça o que ele ou ela quer. No entanto, este tipo permissivo de “amor” não é realmente amor. Qualquer um de vocês que são pais reconhecem que permitir que seus filhos façam o que eles querem fazer não é amor. Se você fosse fazer isso, seus filhos iriam crescer como mimados seres pirralhos egoístas, incapazes de amar outras pessoas. Os deuses permissivos das mitologias, eram muitas vezes apanhados em sua próprias intrigas e assim permitam que os humanos fizesse o que queriam sem repercussões, como se vê nas religiões pagãs. No entanto, o Deus da Bíblia quer que amemos outras pessoas acima de tudo o que fazemos.

Bom, para começar, o sujeito aí confunde termos e conceitos, confunde contrição com atrição.  Primeiro, o amor a Deus no Cristianismo não se dá fundamentando pelo medo do Inferno. O medo do inferno é a atrição. A contrição,que é o arrependimento, envolve odiar os próprios pecados por amar a Deus em si mesmo. E outra: a casa pela qual ele passa E nem dá oi ele criou a sua, a minha, a tua. E um analogia imprópria, que pressupõe uma igualdade de situações inexistente.

Uma vez que Deus criou os seres espirituais com a finalidade de exprimir o amor, estes seres devem ter livre arbítrio completo, a fim de expressar esse amor. Naturalmente, o livre-arbítrio permite a possibilidade dos seres rejeitarem a Deus e Sua planos. Infelizmente, a maioria das pessoas não concordam que as regras de Deus são boas e não querem viver por elas. Na verdade, a grande maioria das pessoas deseja executar a sua próprias vidas, sem submissão a Deus. De alguma forma, elas sentem que Deus vai deixá-las no céu porque têm se comportado tão bem, e talvez até melhor, em comparação com o resto das pessoas na terra. O problema com esta ideia é que Deus não faz graus na curva. Todos os que entram no reino de Deus devem ser absolutamente santos, uma vez que nenhum pecado é permitido na presença de Deus. Além disso, as pessoas devem ser dispostas a permitir que Deus as impeça de pecar de novo, já que não há pecado no céu. Isto significa que as pessoas devem estar dispostos a se submeter totalmente à vontade de Deus, a fim de entrar em céu. Naturalmente, todos os seres humanos ficam aquém das exigências morais de Deus. Portanto, Deus fez uma provisão para apagar todos os pecados que cometemos nesta vida e para nos aperfeiçoar, para que não possamos pecar na próxima vida. Essa disposição para o pecado é através do sacrifício do filho de Deus, Jesus Cristo. Jesus tomou o castigo que nós merecemos e dá-nos a recompensa que nós não merecemos – a vida eterna. Em Jesus como Senhor e Salvador, todos os nossos pecados são apagados, e Jesus trabalha para mudar-nos à Sua imagem (se permitirmos que Ele faça isso).

O autor gosta de analogias? Usemos uma. Em certo sentido, podemos comparar a relação de Deus para os seres humanos para o conhecimento que uma criança de cinco anos de idade teria de algumas das ações de seus pais. Suponha que uma criança veja sua mãe retirar um pequeno talão de cheques retangular,  escreva algo num cheque, puxe o mesmo, coloque-o em um envelope, coloque um selo sobre ele, e o poste  no correio. A criança pode perguntar: “Mamãe, por que você fez isso?” A mãe pode responder, “Para que possamos continuar dirigindo o carro sem o banco tomá-lo de nós”. Como poderia a criança possivelmente conectar um pedaço de papel com dirigir um carro? Sem saber os detalhes de como um cheque representa o dinheiro, como o carro foi comprado de uma concessionária, como o banco emprestou o dinheiro dos pais, etc, então a criança não poderia compreender o significado do cheque.

Só porque Deus não precisou (e não precisa) da humanidade para qualquer coisa, não implica que os seres humanos não são importantes para Deus. Uma vez que Ele escolheu livremente criar os seres humanos, Ele os dotou de importância, formando-os à Sua imagem (Gênesis 1,26-27). Como o teólogo Wayne Grudem justamente comentou:

Alguém pode se perguntar se Deus não precisa de nós para nada, então não somos importantes? Existe algum significado à nossa existência ou para a existência do resto da criação? Em resposta deve-se dizer que somos de fato muito significativos, porque Deus nos criou e determinou que seríamos significativos para ele. Essa é a definição final do significado genuíno (Grudem, 1994, p. 162, grifos no original).

Deus escolheu criar-nos por sua livre vontade. Quando Ele fez, Ele nos dotou com significado e importância, criando-nos à Sua imagem. Dele você obtém toda a existência passar e olhar para ele é como rejeitar um pai que te amou a vida toda e ainda te ama some-se isso o fato de que Deus mantém a sua existência a todo momento. Deus já providenciou a solução para o drama humano. Ao contrário das infantis e insonsas analogias do RafaChannel3001, Jesus se encarnou e participou do drama humano. Deus não é o sádico masoquista psicopata que ele imagina.

O cético Vistonas Wu postou pensamentos semelhantes na Web em um artigo intitulado “Desmascarando os argumentos dos cristãos e evangelistas fundamentalistas”: “Se você fosse Deus, e você fosse onipotente e pudesse ver todo o tempo, você criaria um mundo onde você sabia de antemão que a maioria das pessoas iria acabar em um inferno eterno? “(2009). A resposta implícita pelo cético é: “Não.” Mas o problema com o seu raciocínio é que os seres humanos não são oniscientes e é por isso que os seres humanos não estão em tal posição. Na verdade, à luz do conhecimento limitado da humanidade, poder ser facilmente o caso de que as informações que não temos no presente são as mesmas informações de que levaria um Ser Onisciente para criar o mundo como ele é. A simples pergunta que soa: “Se você fosse Deus …”, nunca pode ser feitas em qualquer sentido legítimo e, certamente, não pode ser usado como “prova” para impugnar o caráter de Deus. Se uma pessoa realmente pudesse ser Deus, então o seu processo de pensamento seria tão diferente do que é agora, que não há nenhuma maneira que ele pudesse dizer o que ele iria ou não fazer. Precisa ser observado nesse contexto que Deus criou os seres humanos à Sua imagem, dotando-os com a capacidade de distinguir a verdade do erro, e essas ideias que são racionais daquelas que não são. Não estamos afirmando que a escolha de Deus para criar pessoas é irracional para os seres humanos, mas racional a Deus. Estamos simplesmente dizendo que a onisciência de Deus o coloca em uma posição para saber todos os detalhes que seriam necessários para tomar uma decisão perfeitamente racional.

Então, por que Deus não faz com que todos sejam seres perfeitos e lhes permite todos ao céu? Na verdade, seria mais cruel, se Deus fosse fazer isso, já que muitas pessoas preferem o inferno como alternativa (da completa submissão a Deus). Todas as pessoas que acabam indo para o inferno terão feito isso porque realmente preferem o inferno a serem forçados a entrar na presença de Deus por toda a eternidade. As pessoas gostam de viver em seus pecados favoritos e não responder a mais ninguém. Elas sabem que se elas reconhecem Jesus como Senhor e Salvador Deus vai querer que mudem suas vidas e podem ter que desistir de algumas de suas autonomias.

“Entendendo o cristianismo” ou “Criando um espantalho do cristianismo” seria o melhor título para esse vídeo?

Conclusão

Os “problemas” sobre o Deus de amor do cristianismo representados pelos céticos baseiam-se em pressupostos inválidos. Com base em um compreensão inválida do conhecimento de Deus, procuram evitar as consequências de seu livre arbítrio, oferecendo uma “solução” que viola  o caráter perfeito de Deus. Portanto, a “solução” não seria uma solução válida para o Deus do cristianismo.

Comentários

Comentários

Sobre o autor

Número de entradas : 1297

© 2011 Powered By Wordpress, Goodnews Theme By Momizat Team

Voltar para o topo