Você está aqui:Home » Cultos e religiões » Cristianismo » Bíblia » Por que você precisa do livro de Juízes

Por que você precisa do livro de Juízes

Se você está procurando se sentir quente e aconchegante, eu não recomendaria o Livro dos Juízes. É uma história sombria – uma espiral descendente de 21 capítulos com decepção, opressão, idolatria, assassinato, violação coletiva e apostasia, apenas para citar alguns pecados. E ao contrário do que você pode lembrar daquela antiga escola dominical, até mesmo seus “heróis” – pense, digamos, Gideão e Sansão – não são exatamente heróis.
O segundo de uma série de guias expositivos baseados no ensinamento de Tim Keller,  Judges for You: For Reading, For Feeding, For Leading (Juízes para Você: Para leitura, alimento e liderança, Good Book Company) procura ajudar os pregadores e leigos a entender e aplicar a mensagem desse livro fundamental. (Há um guia de estudo da Bíblia de seis lições que acompanha grupos e indivíduos, também com base no ensinamento de Keller, intitulado  Juízes: O herói falho e o herói perfeito)
Eu me correspondi com o pastor da Igreja Presbiteriana Redentora em Nova York sobre a relevância dos juízes, porque os modernos iluminados devem levá-lo a sério, “avistamentos de Jesus” e mais

Um novo estudo sobre o livro de juízes foi lançado recentemente pela The Good Book Company com base em seus escritos originais. Talvez não seja a escolha mais óbvia! Por que Juízes é um ótimo livro para os cristãos do século XXI estudarem?

Toda a Escritura é inspirada e proveitosa, mas os juízes podem ser especialmente proveitosos para nós lermos. Vemos os crentes vivendo em meio a comunidades pagãs ao seu redor. O fracasso dos israelitas em tomar posse de toda a terra que lhes foi dada significava que eles acabaram vivendo em uma cultura plural. E é aí que muitos cristãos se encontram atualmente – nós também vivemos em uma cultura plural e pagã. E estamos fazendo isso, em parte, por causa de nossas próprias falhas do passado para viver e ensinar como deveríamos.

No geral, Juízes é um conto sombrio, como diz um estudioso, “deterioração progressiva”. O que está fazendo na Bíblia?

Teologicamente, o livro nos mostra a depravação humana, a fraqueza da natureza humana e a necessidade de um verdadeiro rei e salvador. Os seres humanos não podem salvar-se; Eles precisam de um libertador.

Dentro dos estudos acadêmicos, há um debate sobre o tema principal dos juízes, quer se trate da liderança (antecipando a monarquia) ou da fidelidade ao Senhor (enfocando a idolatria de Israel). Quais são os seus pensamentos sobre a mensagem central e como isso afeta o ensino e a pregação do livro?

Eu sempre acreditei que eram dois temas, apontando para Jesus. Sim, acho que o livro em um nível foi escrito como “apologético” para a monarquia em geral e Davi, em particular. Sem um verdadeiro rei (para usar uma frase moderna) “as coisas desmoronam, o centro não pode se sustentar, a simples anarquia é solta no mundo”. Mas, dentro da totalidade do cânone, esta mensagem apóia o tema de que somos pecadores que não podemos salvar a nós mesmos, e, portanto, “a salvação é do Senhor” – só por sua graça e poder. Embora o autor humano não pudesse ter previsto conscientemente, Juízes aponta para o Davi e o verdadeiro monarca, Jesus Cristo.

A conquista israelita de Canaã parece justificar o imperialismo, a guerra santa e o genocídio. Como as pessoas modernas iluminadas podem levar a sério um livro como Juízes?

Sim, ao ensinar o livro de Juízes, você simplesmente tem que lidar com essa questão – você não pode ignorá-la. E neste breve espaço não consigo mesmo listar os problemas e as várias objeções e respostas. Talvez o mais fundamental a dizer é que, se você acredita no resto do que toda a Bíblia ensina – que existe apenas um Deus verdadeiro, que por um período de tempo ele falou diretamente com Israel através dos profetas e através do Urim e Tumim no peitoral sacerdotal, mas que agora, desde Cristo, ele nos fala através de sua Palavra inscrita, então a conquista de Canaã faz sentido.

Por quê? Primeiro, só Deus tem o direito de julgar as pessoas – só ele sabe o que merecem e o que farão se não forem paradas. Ele tem o direito de tirar uma vida. Em segundo lugar, na “guerra santa”, Israel não procurou expandir imperialmente sua riqueza e seu poder, mas atuou como um instrumento do julgamento de Deus em um determinado grupo de pessoas. Terceiro, se você acredita na autoridade da Bíblia como a única maneira infalível de conhecer a vontade de Deus para nós, então a guerra santa atual é impossível. Deus não dá nenhuma garantia para isso. Isso é o que vemos ao ler a Bíblia como um todo, com o Novo Testamento completando e cumprindo o Velho. Jesus especificamente proíbe os cristãos de tomar a espada em seu nome, para espalhar a fé cristã pela força. Em suma, se você acredita no resto das coisas que a Bíblia ensina, o período da guerra santa faz sentido. A guerra santa não é, portanto, uma razão para rejeitar o que o resto da Bíblia diz sobre Deus.

Onde está Jesus em Juízes?

Ele é o juiz definitivo – o Gideão e Sansão perfeitos e sem falhas. Ele é o rei supremo que ainda não temos, mas quem precisamos. Mesmo no final terrível de juízes, onde um homem dá a sua esposa até a morte para salvar a sua própria pele, não podemos deixar de pensar em Jesus nosso verdadeiro marido, que se entrega à morte, a fim de nos salvar. Jesus em Juízes, como de costume, está em toda parte.

Fonte: https://www.thegospelcoalition.org/article/why-you-need-judges-tim-keller-on-a-provocative-pivotal-pertinent-book
Tradução: Emerson de Oliveira

Comentários

Comentários

Sobre o autor

Número de entradas : 1307

© 2011 Powered By Wordpress, Goodnews Theme By Momizat Team

Voltar para o topo