Você está aqui:Home » Teísmo/Ateísmo » Pilares do ateísmo: Maquiavel

Pilares do ateísmo: Maquiavel

Precisamos falar sobre “inimigos” da fé porque a vida de fé é uma guerra real. Então, diga isso todos os profetas, apóstolos, mártires e nosso próprio Senhor.

No entanto, tentamos evitar falar sobre inimigos. Por quê?

Em parte por causa de nosso medo de confundir inimigos espirituais com inimigos materiais; De odiar o pecador junto com o pecado; De esquecer que “nossa luta não é de carne e osso, mas com os principados, com os poderes, com os governantes do mundo da escuridão presente, com os espíritos malignos nos céus” (Ef 6,12).

Mas esse medo é mais infundado hoje do que nunca no passado. Nenhuma era tem sido mais desconfiada do militarismo, mais aterrorizada com os horrores da guerra física do que a nossa. E nenhuma idade tem sido mais propensa a confundir o pecado com o pecador, não ao odiar o pecador junto com o pecado, mas ao amar o pecado junto com o pecador. Muitas vezes, usamos a “compaixão” como um equivalente para o relativismo moral.

Nós também somos suaves. Não gostamos de lutar porque lutar significa sofrimento e sacrifício. A guerra pode não ser um inferno, mas é malditamente desconfortável. E de qualquer forma, não temos certeza de que haja algo que valha a pena lutar. Talvez carecemos de coragem porque falta um motivo de coragem.

É assim que pensamos como modernos, mas não como católicos. Como católicos sabemos que a vida é a guerra espiritual e que há inimigos espirituais. Uma vez que admitimos isso, o próximo passo segue inevitavelmente. É essencial na guerra conhecer seu inimigo. Caso contrário, seus espiões passam sem ser detectados. Então, esta série é dedicada a conhecer nossos inimigos espirituais na luta pelo coração moderno. Discutiremos seis pensadores modernos que tiveram um enorme impacto em nossa vida cotidiana. Eles também causaram grandes danos à mente cristã.

Os nomes deles: Maquiavel, o inventor da “nova moralidade”; Kant, o subjetivador da Verdade; Nietzsche, o autoproclamado “Anti-Cristo”; Freud, o fundador da “revolução sexual”; Marx, o falso Moisés para as massas; E Sartre, o apóstolo do absurdo.

Niccolo Machiavelli (1496-1527) foi o fundador da filosofia política e social moderna, e raramente na história do pensamento houve uma revolução mais total. Maquiavel sabia o quão radical era ele. Ele comparou seu trabalho com Colombo como o descobridor de um mundo novo e com Moisés como líder de um novo povo escolhido que abandonaria a escravidão das idéias morais em uma nova terra de poder e praticidade prometidas.

A revolução de Maquiavel pode ser resumida em seis pontos.

Para todos os pensadores sociais anteriores, o objetivo da vida política era a virtude. Uma boa sociedade foi concebida como aquela em que as pessoas são boas. Não havia “duplo padrão” entre bens individuais e sociais – até Machiavelli. Com ele, a política deixou de ser a arte do bem, mas a arte do possível. A sua influência sobre este ponto foi enorme. Todos os principais filósofos sociais e políticos (Hobbes, Locke, Rousseau, Mill, Kant, Hegel, Marx, Nietzsche, Dewey) rejeitaram subseqüentemente o objetivo da virtude, assim como Maquiavel baixou o padrão e quase todos começaram a saudar a bandeira recentemente mata.

O argumento de Maquiavel era que a moral tradicional era como as estrelas; Linda, mas muito distante, para lançar qualquer luz útil em nosso caminho terrestre. Precisamos em vez de lanternas artificiais; Em outras palavras, metas possíveis. Devemos seguir os rumos da terra, não dos céus; Do que homens e sociedades realmente fazem, não do que devem fazer.

A essência da revolução de Maquiavel foi julgar o ideal pelo real e não pelo real pelo ideal. Um ideal é bom para ele, apenas se for prático; Assim, Maquiavel é o pai do pragmatismo. Não só “o fim justifica os meios” – qualquer meio que funcione -, mas os meios até justificam o fim, no sentido de que um fim vale a pena buscar apenas se houver meios práticos para alcançá-lo. Em outras palavras, o novo summum bonum, ou o bem maior é o sucesso. (Machiavelli parece não apenas ser o primeiro pragmatista, mas o primeiro pragmatista americano!)

Maquiavel não limitou apenas os padrões morais; Ele os aboliu. Mais do que pragmático, ele era um anti-moralista. A única relevância que ele viu a moral ter sucesso era encetar seu caminho. Ele ensinou que era necessário que um príncipe bem sucedido “soubesse como não ser bom” (O Príncipe, capítulo 15), como quebrar as promessas, mentir, roubar e roubar (capítulo 18).

Por causa dessas visões sem vergonha, alguns dos contemporâneos de Maquiavel viram “O Príncipe” como um livro literalmente inspirado pelo demônio. Mas os estudiosos modernos costumam vê-lo como extraído da ciência. Eles defendem Maquiavel alegando que ele não negou moralidade, mas simplesmente escreveu um livro sobre outro assunto, sobre o que é, em vez de sobre o que deveria ser. Eles até o elogiam por sua falta de hipocrisia, implicando que o moralismo é igual à hipocrisia.

Este é o mal entendido comum e moderno da hipocrisia como não praticando o que você prega. Nesse sentido, todos os homens são hipócritas a menos que parem de pregar. Matthew Arnold definiu a hipocrisia como “o tributo que o vício paga à virtude”. Maquiavel foi o primeiro a se recusar a pagar mesmo esse tributo. Ele superou a hipocrisia, não aumentando a prática ao nível da pregação, mas de baixar a pregação para o nível de prática, ajustando o ideal ao real e não o real ao ideal.

Na verdade, ele realmente prega: “Poppa, don’t preach!” (Papai, não pregue!) – como a recente música de rock. Você pode imaginar Moisés dizendo: “Poppa, don’t preach!” Para Deus no Monte Sinai? Ou Maria ao anjo? Ou Cristo em Getsêmani, em vez de “Pai, não minha vontade, mas a tua vontade”? Se você puder, você está imaginando o inferno, porque nossa esperança do céu depende das pessoas que disseram a Deus: “Poppa, preach!”

Na verdade, temos uma “hipocrisia” indefinida. A hipocrisia não é o fracasso em praticar o que você prega, mas a falta de acreditar nisso. A hipocrisia é propaganda.

Por esta definição, Maquiavel era quase o inventor da hipocrisia, pois ele era quase o inventor da propaganda. Ele foi o primeiro filósofo que esperava converter o mundo inteiro através da propaganda.

Ele viu sua vida como uma guerra espiritual contra a Igreja e sua propaganda. Ele acreditava que toda religião era uma propaganda cuja influência durou entre 1.666 e 3.000 anos. E ele pensou que o cristianismo terminaria muito antes do mundo, provavelmente no ano de 1666, destruído pelas invasões bárbaras do Oriente (o que é agora a Rússia) ou por um abrandamento e enfraquecimento do Ocidente cristão de dentro, ou ambos. Seus aliados eram todos cristãos mornos que amava a pátria terrena mais do que o céu, César mais do que Cristo, o sucesso social mais do que a virtude. Para eles, dirigiu-se a sua propaganda. A total sinceridade em relação a seus fins teria sido impraticável e confessou o ateísmo fatal, então ele teve o cuidado de evitar uma heresia explícita. Mas a dele era a destruição de “a falsificação católica” e seus meios eram propaganda secularista agressiva. (Pode-se argumentar, talvez com pavor, que ele era o pai do estabelecimento de mídia moderna.)

Ele descobriu que duas ferramentas eram necessárias para comandar o comportamento dos homens e assim controlar a história humana: a caneta e a espada, a propaganda e as armas. Assim, tanto as mentes quanto os corpos poderiam ser dominados, e a dominação era seu objetivo. Ele viu toda a vida e a história humanas determinadas por apenas duas forças: virtu (força) e fortuna (chance). A fórmula simples para o sucesso foi a maximização da virtu e a minimização da fortuna. Ele termina “O Príncipe” com esta imagem chocante: “A fortuna é uma mulher, e se ela deve ser submissa, é necessário vencê-la e forçá-la” (cap. 25). Em outras palavras, o segredo do sucesso é uma espécie de estupro.

Para o objetivo do controle, são necessários armas e propaganda, e Machiavelli é um falcão. Ele acreditava que ‘você não pode ter boas leis sem armas boas, e onde há boas armas, boas leis inevitavelmente seguem’ (capítulo 12). Em outras palavras, a justiça ‘sai do tambor de uma arma’, para adaptar a frase de Mao Tse-tung. Maquiavel acreditava que ‘todos os profetas armados conquistaram e os profetas desarmados chegaram ao sofrimento’ (cap. 6). Moisés, portanto, deve ter usado armas que, a Bíblia não informou; Jesus, o supremo profeta desarmado, veio ao sofrimento; Ele foi crucificado e não ressuscitou. Mas a mensagem dele conquistou o mundo através da propaganda, através de armas intelectuais. Esta foi a guerra que Maquiavel começou a lutar.

O relativismo social também emergiu da filosofia de Maquiavel. Ele não reconheceu leis acima das de sociedades diferentes e, uma vez que essas leis e sociedades se originaram em vigor em vez de moral, a conseqüência é que a moralidade se baseia na imoralidade. O argumento foi assim: a moral só pode vir da sociedade, uma vez que não há Deus e nenhuma lei moral universal universal dada por Deus. Mas toda sociedade se originou em alguma revolução ou violência. A sociedade romana, por exemplo, a origem do direito romano, originou-se com o assassinato de Rômulo de seu irmão Remo. Toda história humana começa com o assassinato de Abel por Caim. Portanto, o fundamento da lei é a ilegalidade. O fundamento da moral é a imoralidade.

O argumento é tão forte como a sua primeira premissa, que – como todo o relativismo sociológico, inclusive o que domina as mentes dos escritores e dos leitores de quase todos os livros de sociologia hoje – é realmente um ateísmo implícito.

Maquiavel criticou os ideais cristãos e clássicos da caridade por um argumento semelhante. Ele perguntou: como você obtém os produtos que você dá? Por uma competição egoísta. Todos os bens são obtidos por conta de outrem: se minha fatia da torta é muito mais, outras devem ser muito menos. Assim, o altruísmo depende do egoísmo.

O argumento pressupõe o materialismo, pois os bens espirituais não diminuem quando compartilhados ou distribuídos, e não privam outro quando os adquiro. Quanto mais dinheiro eu tiver, menos você tem e quanto mais eu dou, menos eu tenho. Mas o amor, a verdade, a amizade e a sabedoria aumentam em vez de diminuir quando compartilhadas. O materialista simplesmente não vê isso, ou se preocupa com isso.

Maquiavel acreditava que somos todos inerentemente egoístas. Não havia por ele como consciência inata ou instinto moral. Portanto, a única maneira de fazer com que os homens se comportassem de maneira moral era, na verdade, a força totalitária, obrigando-os a agir de maneira contrária à sua natureza. As origens do totalitarismo moderno também remontam a Maquiavel.

Se um homem é inerentemente egoísta, então só o medo e o amor não podem efetivamente movê-lo. Assim, Maquiavel escreveu: “É muito melhor temer do que ser amado … [pois] os homens se preocupam menos com fazer uma lesão a quem se ama como a quem se teme. O vínculo do amor é aquele que os homens, criaturas miseráveis ​​que são, quebram quando é proveitoso fazê-lo, mas o medo é fortalecido pelo medo da punição, que é sempre eficaz “(capítulo 17).

A coisa mais incrível sobre essa filosofia brutal é que ele ganhou a mente moderna, embora apenas por diluir ou encobrir seus aspectos mais escuros. Os sucessores de Maquiavel atenuaram seu ataque à moral e à religião, mas não retornaram à idéia de um deus pessoal ou moralidade objetiva e absoluta como fundamento da sociedade. O estreitamento de Maquiavel apareceu como um alargamento. Ele simplesmente ignorou a história da construção da vida; Nenhum deus, só homem; Sem alma, apenas corpo; Nenhum espírito, só matéria; Não dever, apenas ser. No entanto, este edifício esmagado apareceu (através da propaganda) como uma Torre de Babel, este confinamento apareceu como uma libertação dos “confinamentos” da moralidade tradicional, como tirar o seu cinto de um entalhe.

Satanás não é conto de fadas; Ele é um estrategista brilhante e psicólogo e ele é totalmente real. A linha de argumentação de Maquiavel é uma das mentiras mais bem sucedidas de Satanás até hoje. Sempre que somos tentados, ele está usando essa mentira para fazer o mal aparecer como bom e desejável; Para que a escravidão apareça como liberdade e “a liberdade gloriosa dos filhos de Deus” aparece como escravidão. O “Pai das mentiras” não gosta de dizer pequenas mentiras, mas A Grande Mentira, para virar a verdade de cabeça para baixo. E ele se afasta com isso – a menos que explodimos a capa dos espias do Inimigo.

Fonte: http://www.peterkreeft.com/topics-more/pillars_machiavelli.htm
Tradução: Emerson de Oliveira

Comentários

Comentários

Sobre o autor

Número de entradas : 1307

© 2011 Powered By Wordpress, Goodnews Theme By Momizat Team

Voltar para o topo