Você está aqui:Home » Filosofia » Pilares do ateísmo: Karl Marx

Pilares do ateísmo: Karl Marx

O filósofo Peter Kreeft fez um resumo dos grandes pensadores do ateísmo: Karl Marx, Immanuel Kant, Jean-Paul Sartre, Sigmund Freud, Nicolau Maquiavel e Friedrich Nietzsche.

Assim como temos pilares da fé cristã, os santos, também há indivíduos que se tornaram pilares da incredulidade. Peter Kreeft discute seis pensadores modernos com um enorme impacto na vida cotidiana e com grande prejuízo para a mente cristã.

A série de textos se chama “The Pillars of Unbelief” (Os Pilares da Descrença). Para cada um, há um texto excepcional. Recomendo fortemente a leitura completa dos artigos.

O Logos traz com exclusividade esta série em português, de cada um dos “santos” do ateísmo.

Entre os muitos opositores da fé cristã, o marxismo certamente não é a filosofia mais importante, imponente ou impressionante da história.

Mas, até recentemente, foi claramente o mais influente. Uma comparação dos mapas mundiais de 1917, 1947 e 1987 mostrará quão inexoravelmente esse sistema de pensamento fluía para inundar um terço do mundo em apenas duas gerações – uma façanha que rivalizava apenas duas vezes na história, pelo cristianismo primitivo e pelo Islão primitivo.

 

Há dez anos, todo conflito político e militar no mundo, da América Central ao Oriente Médio, girava sobre o eixo do comunismo versus o anticomunismo.

Mesmo o fascismo tornou-se popular na Europa e ainda é uma força a ser reconhecida na América Latina, em grande parte por sua oposição ao “espectro do comunismo”, como Marx o chama na primeira frase de seu “Manifesto Comunista”.

O “Manifesto” foi um dos momentos-chave da história. Publicado em 1848, “o ano das revoluções” em toda a Europa, é, como a Bíblia, essencialmente uma filosofia da história, do passado e do futuro. Toda a história passada é reduzida à luta de classes entre opressor e oprimido, mestre e escravo, seja rei contra pessoas, sacerdote vs. paroquiano, mestre da aliança versus aprendiz, ou mesmo marido versus esposa e pai e filho.

Esta é uma visão da história ainda mais cínica que a de Maquiavel. O amor é totalmente negado ou ignorado; A concorrência e a exploração são a regra universal.

Agora, porém, isso pode mudar, de acordo com Marx, porque agora, pela primeira vez na história, não temos muitas classes, mas apenas duas – a burguesia (os “pobres”, os “proprietários dos meios de produção”) e o proletariado ( Os “não têm”, não-proprietários dos meios de produção).

O último deve vender-se e seu trabalho aos donos até a revolução comunista, que “eliminará” (eufemismo por “assassinato”) a burguesia e assim abolirá as classes e conflitos de classe para sempre, estabelecendo um milênio de paz e igualdade. Depois de ser completamente cínico com o passado, Marx se torna completamente ingênuo sobre o futuro.

O que fez de Marx o que ele era? Quais são as fontes desse credo?

Marx deliberadamente girou 180 graus em torno do (1) sobrenaturalismo e (2) distintivo de sua herança judaica para abraçar (1) o ateísmo e (2) o comunismo. No entanto, o marxismo retém todos os principais fatores estruturais e emocionais da religião bíblica em uma forma secularizada. Marx, como Moisés, é o profeta que conduz o novo povo escolhido, o proletariado, da escravidão do capitalismo para a Terra Prometida do comunismo no Mar Vermelho da sangrenta revolução mundial e através do deserto de sofrimento temporário e dedicado para a festa, o novo sacerdócio.

A revolução é o novo “Dia de Javé”, o Dia do Juízo; os porta-vozes do partido são os novos profetas; E as purgas políticas dentro do partido para manter a pureza ideológica são os novos julgamentos divinos sobre o caminho do Escolhido e seus líderes. O tom messianico do comunismo torna estrutural e emocionalmente mais como uma religião do que qualquer outro sistema político, exceto o fascismo.

Assim como Marx assumiu as formas e o espírito de sua herança religiosa, mas não o conteúdo, ele fez o mesmo com sua herança filosófica hegeliana, transformando a filosofia de Hegel do “idealismo dialético” em “materialismo dialéctico”. “Marx manteve Hegel em sua cabeça”, diz o ditado. Marx herdou sete idéias radicais de Hegel:

Monismo: a idéia de que tudo é um e a distinção de senso comum entre matéria e espírito é ilusória. Para Hegel, a matéria era apenas uma forma de espírito; Para Marx, o espírito era apenas uma forma de matéria.

Panteísmo: a noção de que a distinção entre criador e criatura, a idéia distintamente judaica, é falsa. Para Hegel, o mundo é transformado em um aspecto de Deus (Hegel era um panteista); Para Marx, Deus é reduzido ao mundo (Marx era ateu).

Historicismo: a idéia de que tudo muda, mesmo a verdade; que não há nada acima da história para julgá-lo e que, portanto, o que é verdadeiro em uma era torna-se falso em outro, ou vice-versa. Em outras palavras, o tempo é Deus.

Dialética: a idéia de que a história se move apenas por conflitos entre forças opostas, uma “tese” versus uma “antítese” que evolui para uma “síntese superior”. Isso se aplica a classes, nações, instituições e idéias. A valsa dialética desempenha no salão de baile da história até o reino de Deus finalmente chegar – o qual Hegel se identificou virtualmente com o estado prussiano. Marx internacionalizou-o para o estado comunista mundial.

Necessitarismo ou fatalismo: a idéia de que a dialética e seu resultado são inevitáveis ​​e necessários, não são livres. O marxismo é uma espécie de predestinação calvinista sem um Predestinador divino.

Estadística: a idéia de que, como não existe uma verdade ou lei eterna, trans-histórica, o estado é supremo e impossível de criticar. Marx novamente internacionalizou o nacionalismo de Hegel aqui.

Militarismo: a idéia de que, uma vez que não existe uma lei universal natural ou eterna acima dos estados para julgar e resolver as diferenças entre eles, a guerra é inevitável e necessária, desde que existam estados.

Como muitos outros pensadores anti-religiosos desde a Revolução Francesa, Marx adotou o secularismo, o ateísmo e o humanismo do “Iluminismo” do século XVIII, juntamente com seu racionalismo e sua fé na ciência como potencialmente onisciente e a tecnologia como potencialmente onipotente. Aqui novamente, as formas, a sensação e a função da religião bíblica são transferidas para outro deus e outra fé. O racionalismo é uma fé, não uma prova. A fé que a razão humana pode saber de tudo o que é real não pode ser provada pela razão humana; e a crença de que tudo o que é real pode ser provado pelo método científico não pode ser provado pelo método científico.

Uma terceira influência, sobre Marx, além do hegelianismo e do racionalismo do Iluminismo, foi o reducionismo econômico: a redução de todas as questões para questões econômicas. Se Marx estivesse lendo esta análise agora, ele diria que a verdadeira causa dessas minhas idéias não era o poder da minha mente para conhecer a verdade, mas as estruturas econômicas capitalistas da sociedade que “me produziram”. Marx acreditava que dentro do pensamento do homem estava totalmente determinado pela matéria; que o homem estava totalmente determinado pela sociedade; e essa sociedade estava totalmente determinada pela economia. Isso representa a visão tradicional de que a mente governa o corpo, o homem governa suas sociedades e a sociedade governa sua economia.

Finalmente, Marx adotou a idéia da propriedade coletiva da propriedade e os meios de produzi-la a partir de pensadores “socialistas utópicos” anteriores. Marx diz: “A teoria do comunismo pode ser resumida na única frase: ‘a abolição da propriedade privada'”. De fato, as únicas sociedades da história que já praticaram com sucesso o comunismo são mosteiros, kibbutzes, tribos e famílias (que Marx também queria abolir). Todos os governos comunistas (como o da URSS) transferiram a propriedade para o estado, não para as pessoas. A fé de Marx de que o Estado “desaparecia” por sua própria iniciativa, uma vez que eliminasse o capitalismo e colocasse o comunismo em seu lugar provou ser surpreendentemente ingênuo. Uma vez que o poder é apreendido, apenas a sabedoria e a santidade o abandonam.

O apelo mais profundo do comunismo, especialmente nos países do Terceiro Mundo, não foi a vontade do comunalismo, mas “a vontade de poder”, como Nietzsche o chamou. Nietzsche viu mais profundamente o coração do comunismo do que Marx.

Como Marx lida com as objeções óbvias ao comunismo: que ele abole privacidade e propriedade privada, individualidade, liberdade, motivação para trabalhar, educação, casamento, família, cultura, nações, religião e filosofia? Ele não nega que o comunismo abolisse essas coisas, mas diz que o capitalismo já o fez. Por exemplo, ele argumenta que “o burguês vê em sua esposa um mero instrumento de produção”. Nas questões mais sensíveis e importantes, familiares e religiosas, ele oferece retórica e não lógica; Por exemplo: “A armadilha burguesa sobre a família e a educação, sobre a correlação sagrada entre pai e filho, torna-se ainda mais nojenta …” E aqui está sua “resposta” às objeções religiosas e filosóficas: “As acusações contra o comunismo feitas de um ponto de vista religioso, filosófico e, em geral, do ponto de vista ideológico, não merecem um exame sério”.

A mais simples refutação do marxismo é que o materialismo simplesmente se contradiz. Se as idéias não são mais que produtos de forças materiais e econômicas, como carros ou sapatos, então as idéias comunistas são apenas isso também. Se todas as nossas idéias forem determinadas não pela percepção da verdade, mas pelos movimentos necessários da matéria, se não pudermos ajudar o modo como nossas línguas ocorrem, os pensamentos de Marx não são mais verdadeiros do que os pensamentos de Moisés. Pois atacar os fundamentos do pensamento é atacar o próprio ataque.

Mas Marx vê e admite isso. Ele reinterpreta as palavras como armas, não como verdades. As funções das palavras do “Manifesto” (e, em última instância, até mesmo do “Capital”, mais pseudocientífico) não é provar o que é verdade, mas incentivar a revolução. “Os filósofos apenas interpretaram o mundo, o que devemos fazer é mudar isso”. Marx é basicamente um pragmatista.

Mas mesmo nesse nível pragmático há uma auto-contradição. O “Manifesto” termina com este famoso apelo: “Os comunistas desdenham de ocultar seus pontos de vista e objetivos. Declaram abertamente que seus fins só podem ser alcançados pelo derrube forçado de todas as condições sociais existentes. Deixe as classes dominantes tremerem em uma revolução comunista. Os proletários não têm nada a perder senão suas cadeias. Eles têm um mundo a ganhar. Trabalhadores de todos os países, uni-vos!” Mas esse apelo é auto derrotado, pois Marx nega o livre arbítrio. Tudo está destinado; a revolução é “inevitável” se eu optar por me juntar ou não. Você não pode apelar para a livre escolha e, ao mesmo tempo, negá-la.

Há fortes objeções práticas para o comunismo, bem como para essas duas objeções filosóficas. Por um lado, suas previsões simplesmente não funcionaram. A revolução não aconteceu quando e onde o marxismo previu. O capitalismo não desapareceu nem o estado, a família ou a religião. E o comunismo não produziu satisfação e igualdade em qualquer lugar que ganhou força.

Tudo o que Marx conseguiu fazer é imitar Moisés e levar os tolos de volta para a escravidão do Egito (mundanidade). O verdadeiro Libertador está aguardando nas asas para o bufão que agora “freme e treme sua hora no palco” para levar seus companheiros “tolos a uma morte empoeirada”, o único tópico que os filósofos marxistas se recusam a enfrentar.

Fonte: http://www.peterkreeft.com/topics-more/pillars_marx.htm
Tradução: Emerson de Oliveira

 

Comentários

Comentários

Sobre o autor

Número de entradas : 1296

© 2011 Powered By Wordpress, Goodnews Theme By Momizat Team

Voltar para o topo