Você está aqui:Home » Apologética geral » Igreja Católica » O Senhor dos Anéis pode ser mais católico do que você imaginava

O Senhor dos Anéis pode ser mais católico do que você imaginava

Public Domain, https://commons.wikimedia.org/w/index.php?curid=91603Hoje é o 175º aniversário do autor e professor JRR Tolkien – mais conhecido por seus livros do Senhor dos Anéis, bem como outras histórias colocadas na terra da Terra Média. Um ardente católico toda a sua vida, os livros de Tolkien ecoam temas religiosos e católicos.

Embora ele não gostasse da alegoria – e de fato, procurou incluir mais mito nórdico na série do que histórias cristãs – o mundo do Senhor dos Anéis usa símbolo, história e mito alegóricos para apontar verdades mais profundas. Essas verdades – incluindo as da fé católica – foram observadas por muitos comentaristas e estudiosos ao longo dos anos, e o próprio Tolkien admitiu em cartas para amigos. (Carta 142 ao Pe. Robert Murray, SJ.)

Assim, como Stratford Caldecott, autor e pesquisador do St. Benet’s Hall, Oxford, comentou em uma artigo de 2001 : “O Senhor dos Anéis não é um livro sobre religião”, mas é um livro católico.

Paralelos católicos

Uma das alegorias mais óbvias entre as muitas presentes nos livros são as semelhanças entre a Eucaristia e o Pão Lembas – um pão especial feito pelos elfos. Nos livros, o alimento é descrito como tendo “potência que aumentava, pois os viajantes dependiam só deles e não o misturavam com outros alimentos. Alimenta a vontade, e dá força para suportar. “ (Retorno do Rei)

Ao longo dos livros, os personagens da Sociedade obtêm força dos Lembas que recebem de Galadriel, a Elfa, e à medida que Frodo e Sam se aproximam de Mordor, eles dependem não apenas fisicamente, mas indiscutivelmente, espiritualmente, da força do corpo e da vontade do pão. Além disso, Sméagol – que se tornou apenas uma concha enrugada de seu antigo eu, devido aos seus anos de possuir o Anel – se afasta e retrocede à vista do Lembas, incapaz de comê-lo, mesmo que Frodo lhe diga que o faria bem.

A exigência de que o pão seja comido por si só, seu poder de sustentação espiritual, o bem que ele traz para a Comunidade, e a repulsa que o corrompido sente à sua vista reflete toda a realidade da Eucaristia. O próprio Tolkien comenta esses paralelos entre Lembas e o “Pão da Vida”. Os leitores “viram no Lembas o ​​viaticum* e a referência à alimentação da vontade (vol. III, p.221) e sendo mais potente quando jejuam, uma derivação da Eucaristia“(Carta 213 a Deborah Webster), comentou Tolkien antes de afirmar o simbolismo lá.

Outras semelhanças presentes nos livros incluem Maria paralelamente com Galadriel – também chamada de Lady de Lorien “e a” maior das mulheres elfas “e a data coincidente de 25 de março não apenas com a Destruição do Anel dentro dos livros, mas também com a Festa da Anunciação e a data tradicional atribuída à Crucificação.

Bom, Mal e Graça

Ainda mais importante como marca da catolicidade de Tolkien do que símbolos eucarísticos ou paralelos marianos, é a maneira pela qual Tolkien conceitua o fracasso e o sucesso da tarefa principal do Portador do Anel: a destruição do Anel. Em vez de permanecer firme e triunfante até o fim, Frodo, Tolkien escreve, “de fato” falhou “como herói … ele não aguentou até o fim; ele cedeu, traiu. “ No momento final, Frodo tentou tomar o anel para si mesmo. (Carta 246 à Sra. Eileen Elgar)

No entanto, Tolkien continua, Frodo já ganhou sua busca e o anel é destruído pelos atos anteriores de piedade e misericórida. Embora ele tenha falhado em um sentido finito, a busca de Frodo foi completada e alcançada, e não foi, Tolkien argumenta, um fracasso moral.

“No último momento, a pressão do Anel atingiria o máximo – impossível, eu deveria ter dito, para qualquer um resistir, certamente depois de uma longa posse, meses de crescente tormento, e quando morrido de fome e exaustão.  Frodo tinha feito o que podia e gastou completamente (como um instrumento da Providência) e produziu uma situação em que o objetivo de sua busca poderia ser alcançado. Sua humildade (com a qual ele começou) e seus sofrimentos foram justamente recompensados ​​pela maior honra; e seu exercício de paciência e misericórdia para com Gollum ganhou-lhe a Misericórdia: o fracasso foi corrigido. “ (Carta 246 à Sra. Eileen Elgar)

Além disso, essa dinâmica em torno da destruição do anel revela a visão católica do mal – e como o  luxo o derrota, argumenta o escritor do Tumblr, Mapsburgh:

“Um clímax agostiniano não pode envolver uma disputa de vontades entre o bem e o mal. Em um mundo agostiniano, o mal só pode existir por sugar do bem. Portanto, o mal deve ter a oportunidade de destruir-se, bem como a banda de ladrões que se autoderrotaram descritos por Platão (sobre a filosofia da qual Agostinho se baseou fortemente). O bem vence ao renunciar ao mal, não pela superação.

E isso é exatamente o que acontece na Montanha da Perdição. O anel não é destruído porque a força do bem de Frodo superou o mal do anel. Nem a intervenção de Gollum é uma coincidência ou deus ex machina (como a série de desarmamentos que fazia Harry o mestre da Varinha Elder). Em vez disso, o mal do anel colapsou em si mesmo atraindo Gollum. A própria corrupção de Gollum que permitiu que o anel escapasse do rio levou-o a lutar desesperadamente com Frodo e finalmente cair em sua perdição, com o anel na mão “.

 

Esta visão de mundo católica, onde o bem e o mal não são duelos iguais, mas onde o mal é uma corrupção do bem tem consequências para toda a narrativa de Tolkien, o escritor continua. Em vez de ser um conseqüencial ou um pragmatista – permitindo males a curto prazo na busca de ganhos a longo prazo – os personagens do Senhor dos Anéis aprendem uma e outra vez a fazer o que é certo – independentemente do custo. E, uma e outra vez, essas ações são recompensadas pelo bem e para os maus – as personagens que tentam ganhar vantagem através dos meios do mal, enfrentam as conseqüências da corrupção, enquanto aqueles que procuram o bem, mesmo quando tolos, encontram recompensas providenciais.

Então, em homenagem ao grande autor, tire uma ou duas linhas dos seus livros: evite o mal, mesmo quando é “prático”. Faça o bem, mesmo que não seja rentável. Tenha piedade e mispara aqueles que encontraram seus limites. E talvez, talvez, talvez, tenha um pouco de pão Lembas.

https://www.flickr.com/photos/purple-lover/13583362554

 

* N: Viaticum ou “provisões para o caminho” é a última eucaristia que uma pessoa recebe antes de morrer.

Fonte: https://www.catholicnewsagency.com/blog/the-lord-of-the-rings-may-be-more-catholic-than-you-realized
Tradução: Emerson de Oliveira

Comentários

Comentários

Sobre o autor

Número de entradas : 1348

© 2011 Powered By Wordpress, Goodnews Theme By Momizat Team

Voltar para o topo