Você está aqui:Home » Ciência » O cristianismo é incompatível com a física quântica?

O cristianismo é incompatível com a física quântica?

Um pouco mais de um mês atrás, publiquei um texto neste blog sobre a teoria do multiverso (ou universos paralelos), na qual eu disse que era um dos assuntos mais comuns que as pessoas abordavam nas sessões de perguntas e respostas após as palestras que eu ofereço na existência de Deus. Há outro assunto que sempre vem junto com o anterior; que é o assunto da física quântica. Na discussão de hoje, falaremos da física quântica e de como ela se relaciona com o cristianismo.

Para explicar a física quântica (ou a mecânica quântica) de uma forma muito simples, gostaria de pedir-lhe que imagine um jogo de basquete. Neste esporte, existem três tipos de tiros; há o tiro de um ponto, o tiro de dois pontos e o tiro de três pontos, certo? O que não é possível é ter um jogador marcando meio ponto, ou um ponto 0.75, correto? Portanto, como o menor valor que a pontuação pode aumentar é um ponto, podemos dizer que um ponto é o quantum no basquete.

Como se aplica à física? Simples. Max Planck descobriu que quando aquecemos qualquer material, a radiação que ele emite não aumenta gradualmente. A radiação aumenta em saltos, aumenta em pacotes de energia. Ele chamou esses pacotes de quantum de energia .

Agora podemos entender o que o termo quantum significa. Agora vamos ver como a física quântica começou: a sua descoberta foi devido principalmente à pesquisa do início de 20  do cientista Niels Bohr.

Na época de Bohr, a forma como o átomo foi entendido estava gerando muitos problemas na física. Ninguém sabia como os átomos se comportavam de forma tão estável; pois quando a teoria de Maxwell se aplicava à compreensão do mundo atômico, a teoria nos dizia que tal estabilidade não seria possível.

Bohr então teve uma ótima idéia. Como não havia uma teoria que pudesse explicar adequadamente o comportamento atômico, ele pensou: e se aplicarmos o conceito quântico de Planck ao mundo atômico e ver o que acontece? De uma forma absolutamente deslumbrante, o conceito quântico quando aplicado ao mundo atômico começou a produzir resultados que coincidiram com aqueles obtidos por experimentos. Este foi o embrião do que chamamos de física quântica.

A parte mais interessante da história foi que, embora houvesse uma coincidência entre as previsões da nova teoria e o que foi registrado em experimentos, ninguém entendeu como o mundo quântico atômico realmente funcionou; Ou seja, ninguém entendeu por que os elétrons ganharam energia em pacotes e não continuamente.

Para tornar as coisas ainda mais complicadas, Einstein reformulou o conceito newtoniano de que a luz era uma partícula e disse que a luz também funciona como pacotes de energia. Graças a isso, foi visto que, dependendo do experimento que fizemos, a luz se comportaria às vezes como uma onda e às vezes como uma partícula. E se isso não bastasse, Broglie disse que essa característica da luz (sendo uma onda ou uma partícula, dependendo da experiência) não era exclusiva, mas o que aconteceu em todo o mundo atômico.

Isso é interessante, especialmente o fato de que tanto as ondas como as partículas são descrições que possuem características que são contraditórias e, no entanto, os mesmos elementos se comportam de uma forma ou de outra, dependendo da experiência.

Não tendo uma compreensão satisfatória da realidade, a física simplesmente abandonou a idéia de que, se conhecessemos todas as variáveis ​​envolvidas, poderíamos determinar tudo no futuro. A solução era adotar uma visão probabilística das coisas. Foi nesse contexto que Heisenberg criou seu famoso Princípio da Incerteza. Este princípio diz que não podemos determinar a posição e a velocidade (ou momentum) de uma partícula subatômica ao mesmo tempo.

A partir deste ponto, e a primeira vez, a incerteza entrou no mundo da física, não como uma esperança para futuras descobertas, mas como uma própria categoria científica. As implicações eram muitas; algumas pessoas, como as da escola de Copenhague, até disseram que a realidade só teria certas características enquanto era medida.

Para demonstrar o paradoxo nessa posição, Schrödinger criou uma experiência hipotética na qual um gato está trancado em uma caixa com um elemento radioativo mortal, o que poderia potencialmente matar o animal dependendo do acaso. Para a Escola de Copenhague, o gato não está vivo nem morto até que o experimento seja verificado – uma noção que em si é absurda.

Dada a enorme dificuldade de entender como a incerteza, como uma própria categoria científica, se relaciona com a realidade, alguns relacionam a incerteza com a causação, mesmo negando o princípio da causalidade. Com base nesse pensamento, alguns tentaram atacar a afirmação de que Deus criou o mundo, que Ele foi a primeira causa de tudo o que existe.

A crítica mais comum era que, como não havia mais necessidade de causalidade, o universo não precisaria que Deus o criasse. À medida que as partículas subatômicas surgem do nada sem uma causa, o universo também pode ter surgido sem uma causa.

Em primeiro lugar, deve ficar claro que, no mundo subatómico, nenhuma partícula vem à existência a partir do nada. Alguns parecem fazer isso, mas, na realidade, eles estavam apenas flutuando como energia no campo quântico. O que ocorreu na origem do universo foi uma situação completamente diferente; Quando a física fala sobre a origem do universo, ela estabelece a criação do nada (onde não havia nenhuma energia existente).

Mais uma vez, a própria física afirma que o universo foi criado a partir do nada. Partículas subatômicas surgem de algo que já existe, que é energia. Nada, como Aristóteles diria, é o que as pedras sonham. A energia é outra coisa.

Em segundo lugar, é um erro dizer que a física quântica extingue a necessidade de causalidade. Mesmo na física quântica, tudo que existe na existência tem uma causa. Em outras palavras, a incerteza na física quântica não diz que ele expressou o fim da causalidade. A situação é, de acordo com a física quântica, não é possível determinar o que era a cadeia causal do passado, que fazia um elemento particular estar em certa posição no presente.

O problema aqui não é com causalidade, mas com determinismo. Ou seja, o que a física quântica trouxe à nossa compreensão era que não podemos conhecer todas as relações causais na natureza, como pensávamos que poderíamos. A física quântica provou que a própria ciência é míope quando tenta entender o mundo a partir de uma perspectiva de causa e efeito, o que não quer dizer que tudo o que surgiu não tem uma causa de sua existência.

Portanto, dizer que uma partícula surge da nada e sem uma causa no mundo quântico – é um duplo erro: em primeiro lugar, porque a física quântica não nega a causalidade; e, em segundo lugar, porque a física quântica não diz que as partículas surgem do nada, mas sim de um ambiente cheio de energia flutuante.

A física quântica, portanto, não é uma ameaça para o cristianismo. Embora a física quântica não ataque o princípio da causalidade, mostra que a ciência é incapaz de compreender toda a relação causal que existe na realidade. É interessante que a física quântica realmente contribua para a compreensão de alguns dos conceitos teológicos mais importantes no cristianismo.

Quero dizer, o princípio filosófico derivado da física quântica até nos ajuda a entender Deus. Podemos perceber imediatamente que os princípios envolvidos na física quântica são completamente compatíveis com a idéia de milagres, nas quais as relações de baixas envolvidas nos atos sobrenaturais de Deus não são entendidas pela ciência, mas, de acordo com o que a filosofia da física quântica afirma , eles não podem ser negados pela ciência. A linha inferior é que há um caminho para o cientista quântico ter uma compreensão completa da realidade, e isto é pela  .

Deus abençoe,

Tassos Lycurgo

Fonte: http://defenseoffaith.org/en/christianity-incompatible-quantum-physics/
Tradução: Emerson de Oliveira

Comentários

Comentários

Sobre o autor

Número de entradas : 1379

© 2011 Powered By Wordpress, Goodnews Theme By Momizat Team

Voltar para o topo