Você está aqui:Home » Ciência » Novos dados indicam que o Sudário é realmente da época de Cristo

Novos dados indicam que o Sudário é realmente da época de Cristo

shroudO USA Today relatou que um novo teste demonstrou que o Sudário de Turim data da época de Cristo:

Muitos especialistas aceitam a datação de carbono 14 feita no ano de 1988 de pedaços de pano realizada por laboratórios em Oxford, Zurique e Arizona que datavam-no de 1260-1390 que, é claro, exclui a sua utilização durante a época de Cristo.

O novo teste, por cientistas da Universidade de Pádua, no norte da Itália, usou as mesmas fibras dos testes de 1988, mas contesta as conclusões. O novo exame data a mortalha de cerca de 300 aC e 400 dC, o que iria colocá-lo na época de Cristo.

Ele determinou que os resultados anteriores podem ter sido distorcidos pela contaminação a partir de fibras utilizadas para reparar o tecido quando foi danificado por um incêndio na Idade Média, relatou o jornal britânico. O pano foi mantido na catedral desde 1578.

Na verdade, a notícia é de 2013, mas você provavelmente ainda pode achar que é uma falsificação medieval.

A verdade é que não há maneira conhecida para reproduzir a imagem. O antigo artigo observa que não há também nenhuma maneira infalível para provar que contenha a imagem de Cristo, mas que pode ser que contenha. Eu amo esses tipos de mistérios sobre as fronteiras do explicável, o tipo de coisas que você encontra em livros como The True Icon: From the Shroud of Turin to the Veil of Manoppello (O verdadeiro ícone: Do Sudário de Turim ao véu de Manoppello) de Paulo Badde ou mesmo de Pacific Northwest (Greg Kandra do Pacific Northwest gostaria que você acreditasse que somos todos hippies irreverentes que adoram os Seahawks -não é como vamos endeusar os fuzileiros navais) e Patricia Treece em seu  The Mystical Body: A Reflective Investigation of Supernatural and Spiritual Phenomena (O corpo Místico: uma investigação reflexiva de fenômenos sobrenaturais e espirituais). Todos esses fenômenos frustram os entendimentos predicativos e calculistas da razão, o que não quer dizer que esses são os únicos entendimentos da razão disponível para nós.

O pesquisador Giulio Fanti apresentou muitos dados para derrubar a datação da falsificação medieval:

As últimas descobertas estão contidas em um novo livro em língua italiana –  Il Mistero Della Sindone ou O mistério do Sudário, por Giulio Fanti, um professor de medição mecânica e térmica na Universidade de Pádua, e Saverio Gaeta, um jornalista.

Fanti, um católico, usou luz infra-vermelha e espectroscopia – a medição da intensidade de radiação através de comprimentos de onda – em seu teste. Ele disse que os resultados são o resultado de 15 anos de pesquisa.

O Telegraph também relatou que um novo aplicativo, sancionado pela Igreja Católica e chamado de “Sudário 2.0”, permite que qualquer pessoa use um telefone inteligente ou tablet para explorar a mortalha em detalhe.

Poderia ser? Dê uma olhada!

Poderia ser? Dê uma olhada !

A verdadeira notícia recente é que o livro de Fanti sob o título,  O Sudário de Turim: O primeiro século depois de Cristo , parece estar finalmente disponível em inglês:

O Sudário de Turim é a relíquia mais importante e estudada no mundo. Muitos trabalhos sobre ele apareceram recentemente em revistas científicas importantes. Os estudos científicos sobre a relíquia até hoje não fornecem respostas conclusivas sobre a identidade do homem retratado e as dinâmicas a respeito da formação de imagem nele impressionado. Este livro não só aborda estas questões de uma forma científica e objetiva, mas também leva o leitor através de novos caminhos de pesquisa. Ele resume os resultados de uma forma simples para o leitor a compreender facilmente. Muitos livros sobre o tema já foram publicados, mas nenhum deles contém uma quantidade tão grande de notícias e relatórios científicos. O mais importante deles é o seguinte: o resultado da datação de 1988 por radiocarbono é estatisticamente errada e outros três novos métodos de datação demonstram que o Sudário tem uma idade compatível com a época em que Jesus Cristo viveu na Palestina. Uma análise numismática realizada em moedas de ouro bizantinas confirma este resultado. Este livro é, portanto, muito importante, com respeito à Mortalha de Turim. Ele é único no seu género e uma ferramenta muito útil para aqueles que querem estudar o assunto profundamente.

Então, temos aí mais evidências de peso sobre a autenticidade do Sudário de Turim

Eu amo a fisicalidade da fé cristã, talvez porque o meu corpo sempre foi um pouco fraco apesar de sua aparência sólida. Como Larry Chapp disse: o Cristianismo é a religião mais mundana de todas .

Se você não é um puritano, então você deve se aprofundar lendo A proibição na Renascença de representações da masculinidade de Cristo, de Leo Steinberg.

Fonte: http://www.patheos.com/blogs/cosmostheinlost/2015/08/17/the-newest-news-on-the-authenticity-of-the-shroud-of-turin/?repeat=w3tc
Tradução: Emerson de Oliveira

Comentários

Comentários

Sobre o autor

Número de entradas : 1306

© 2011 Powered By Wordpress, Goodnews Theme By Momizat Team

Voltar para o topo