Você está aqui:Home » Apologética geral » História » Não devemos ter vergonha do Index Prohibitorum

Não devemos ter vergonha do Index Prohibitorum

O cardeal Ottaviani coloca a tiara tripla no papa Paulo VI em 30 de junho de 1963 (AP Photo)

O INDEX LIBRORUM PROHIBITORUM (Índice de Livros Proibidos) tem uma má reputação hoje. Mas mesmo os secularistas do século XXI suprimem idéias que consideram perigosas

É como o movimento contra o tabagismo. As autoridades decidem que devem evitar que as pessoas fumem para o bem. Muitos iriam proibi-lo se pudessem, mas eles não podem, então eles exigem avisos assustadores em pacotes, não deixem ninguém fumar em locais públicos, evitam vendas para menores, restringem publicidade e aumentam o preço com impostos realmente elevados. O objetivo é salvar fumantes de si mesmos.

Esse é um dos nossos paralelos ao Índice de Livros Proibidos, abolido há 50 anos neste mês pela recém-renomeada Congregação Sagrada para a Doutrina da Fé. A idéia – julgando pela maneira como eu costumava pensar e a maneira como os outros falam sobre essas coisas – parece engraçada para nós, criados acreditando no mercado aberto das idéias e com a sensação de que as idéias podem ser boas ou ruins, mas elas não são realmente agentes do mundo. Mas a idéia de um índice só parece engraçada para nós porque não pensamos em idéias como perigosas. Reconhecemos infecções físicas, mas não intelectuais.

Com isso, a vantagem é para os homens que inventaram o Índice e continuaram. Eles levaram as idéias a sério. Eles pensaram que algumas idéias iriam envenená-los, como fumaça cheia de nicotina e que algumas pessoas que possam entrar inocentemente devem ser protegidas contra envenenamento.

Ainda nos parece divertido proibir livros, porque não pensamos neles como perigosos – exceto pelo que fazemos. Alguns anos atrás, o libertário americano Charles Murray e um psicólogo de Harvard chamado Richard Herrnstein publicaram um livro longo e cheio de estudos intitulado The Bell Curve, que argumentava que as raças diferiam em inteligência, e foi devidamente atacado por aqueles à direita, bem como a esquerda.

A maioria argumentou que os autores estavam errados, mas também que a idéia deixaria todos os racistas, social-darwinistas e neofascistas na América alegarem que seu fanatismo era “científico” e “realista” e que eles estavam apenas “enfrentando fatos”. O livro ainda é invocado regularmente como algo ruim.

Na discussão americana dominante, está em um index informal, mas não menos eficaz por ser assim. Um acadêmico que endossou o livro arruinaria suas chances de conseguir um emprego em quase qualquer universidade na América.

O INDEX LIBRORUM PROHIBITORUM foi criado no Concílio de Trento, depois que a invenção da impressão em massa e a divulgação da alfabetização tornaram a questão da influência de um livro em direto. Ele abordou apenas livros que afetavam a fé e a moral, embora, como a Igreja estava trabalhando sua relação com a nova ciência, as obras de Copérnico, Kepler e Galileu foram adicionadas (e depois removidas). Conforme desenvolvido pelo Papa Bento XIV em meados do século XVIII, exigiu uma revisão e diálogo de pares “cegos” com o autor cujo livro estava sendo desafiado.

Os livros incluídos variaram ao longo do tempo (a última lista publicada apareceu em 1948). A maioria deles apenas os estudiosos agora reconheceram, mas a lista também incluiu livros de filósofos como Rousseau e Hume, e escritores, incluindo Milton, Montaigne, Voltaire e Zola. As escolhas variaram inevitavelmente em qualidade e alguns livros saíram da lista quando a Congregação decidiu que eles não eram tão perigosos afinal.

Mais duas coisas devem ser ditas sobre o Index, além do fato de expressar uma ação humana normal que as pessoas seculares modernas tomam. Primeiro, foi o mecanismo que foi abolido, não o ensino de que a Igreja deveria julgar livros particulares e que os católicos deveriam cuidar do que lêem. Ao anunciar a abolição, o cardeal Ottaviani, prefeito da Congregação, observou que “O Index preserva sua força moral, na medida em que ensina a consciência dos fiéis cristãos, de modo que, como a própria lei natural exige [isto], eles protegem contra esses escritos, que podem levar a fé e a moral em perigo “. (A tradução é do professor Richard Smith da Universidade Franciscana de Steubenville).

Ottaviani continuou: “A Igreja confia na consciência desenvolvida dos fiéis, especialmente dos autores e editores católicos, e também daqueles que auxiliam a instrução dos jovens. Além disso, coloca a fé mais firme no cuidado atento tanto dos ordinários individuais como das conferências episcopais, cujo direito e dever não só de examinar, mas também de antecipar, e também, se o caso o justificar, censurar e rejeitar “

Em segundo lugar, há uma distinção importante a ser feita. A Igreja não estava protegendo seu povo de idéias perigosas, mas de erros perigosos. As verdades podem ser perigosas. Muitas injustiças e crueldades provêm de pessoas que aplicaram mal “Não há salvação fora da Igreja” e “Não há outro nome sob o céu pelo qual devemos ser salvos”. As verdades são como machados e martelos, ferramentas que podem ser transformadas em armas . A Igreja confia as pessoas com a verdade, embora às vezes vem com avisos de “Isso não significa que …”. Com erros, ele dispara o alarme.

David Mills, ex-editor executivo da First Things, é diretor editorial da Ethika Politika ( ethikapolitika.org ).

Este artigo apareceu pela primeira vez na edição de 17 de junho de 2016 do The Catholic Herald. Para ler a revista na íntegra, de qualquer lugar do mundo, vá aqui .

Fonte: http://www.catholicherald.co.uk/issues/june-17th-2016/we-shouldnt-be-ashamed-of-the-index/
Tradução: Emerson de Oliveira

Comentários

Comentários

Sobre o autor

Número de entradas : 1348

© 2011 Powered By Wordpress, Goodnews Theme By Momizat Team

Voltar para o topo