Você está aqui:Home » Apologética geral » História » Desmascarando um mito: A Igreja Católica proibia dissecações humanas na Idade Média?

Desmascarando um mito: A Igreja Católica proibia dissecações humanas na Idade Média?

Harvard Professor Katy Park, a historian of science, traces the history of early dissections and Caesarean sections centuries ago. She is pictured in the Science Center. Stephanie Mitchell/Harvard Staff Photographer

A professora Katy Park, de Harvard, uma historiadora da ciência, traça a história da antiga dissecação e seções cesarianas até séculos atrás.  Ela trabalho no Centro de Ciências. Stephanie Mitchell/Harvard Staff Photographer

No cristianismo medieval a dissecação humana era muito praticada

Estudar corpos cortados das mulheres mortas não era o que Katharine Park originalmente se propôs a fazer. “Eu estava escrevendo uma história social da medicina em Florença, um tópico que eu escolhi, basicamente, só porque eu tinha que ir” para aquela fabulosa cidade italiana, ela brincou.

Mas, enquanto trabalhava nos antigos salões no meio de tanta beleza, Park disse: “Fiquei procurando histórias sobre os corpos das mulheres que estavam sendo cortados. Lembro-me de me deparei com uma entrada em um diário, onde o marido diz que sua esposa morreu, e ele pede para que ela seja autopsiada. Eu disse: Como? Autópsia?”

A maioria dos estudiosos supõem que a autópsia e dissecção eram tabu na Europa medieval; se houve dissecações, elas eram ilícitas e feitas apenas sobre os corpos de criminosos por cientistas e médicos intrépidos, evitando as autoridades clericais em nome de buscar conhecimento.

Mas Park, Samuel Zemurray Jr. e Doris Zemurray Stone Radcliffe, professor da História da Ciência, descobriram outra história nas bibliotecas florentinas. “Esta era uma mulher muito rica, patrícia. A história não computa. E eu continuei a encontrar pequenos minúsculos pedaços de corpos femininos sendo abertos ao longo dos anos. Ao final dos anos 90, eu tinha uma massa crítica de material, e tudo isso me fez sentir contra-intuitiva. Era hora de ver o que estava acontecendo”.

“Como se vê, o corpo feminino realmente estava no coração do desenvolvimento da autópsia e dissecção como práticas médicas.” De acordo com Park, a dissecção cresceu a partir da autópsia, e a autópsia se desenvolveu a partir do embalsamamento. O interesse em mulheres especificamente resultou de um desejo de compreender as origens da vida. Como tal, tudo foi sancionado pela Igreja.

“As funções do útero passaram a simbolizar o que eles não sabiam. A ideia era que o corpo feminino era muito misterioso. Corpos masculinos estão todos lá fora; tudo sobre a identidade masculina está tudo do lado de fora. O útero e o corpo feminino são o último segredo médico, um sinal de que eles pensavam que a medicina tinha chegado a um ponto em que pudesse penetrar nos trabalhos mais obscuros da reprodução”.

Era sempre o útero que era dissecada em primeiro lugar, de acordo com Park, “a não ser no caso de mulheres santas”, explicou ela. “Então eles dissecavam o coração. O pensamento era que se esta mulher morreu, ela podia ser uma santa. Eles podiam embalsamá-la, porque o corpo é útil para o estabelecimento de um culto. Então você tem suas entranhas, e ela disse que tinha Jesus Cristo em seu coração. Bem, assim você pode abri-lo e olhar para Jesus”.

“O fato é que a dissecção humana não é uma invenção da Renascença,” Park continua.

“Qualquer coisa que tem a ver com a medicina, cuidados de saúde, o corpo humano – as mulheres estão no centro. Nós vamos ter que reescrever muitas partes da história da medicina”.

A pesquisa do Park se reuniu em seu livro “Segredos das mulheres: Gênero, geração, e as origens da dissecação humana“, que foi relançado em brochura um ano atrás. “Descobri que, em vez deste investimento na integridade do corpo humano, a história social e fontes religiosas nos dizer que o corpo humano no cristianismo medieval era algo a ser dissecado”, disse ela. “A religião também tratava de corpos desmembrados. O ritual cristão é organizado em torno de partes do corpo. Tornou-se claro para mim, dado este objetivo religioso, que a suposição de que tivemos sobre corpos medievais não tinha base alguma. No final, eu queria deixar claro que não havia proibição religiosa contra a dissecação”.

Se isso for verdade, então de onde veio a ideia de que a dissecação era proibida na Idade Média pela Igreja? “Foi um mito do século 19”, disse Park, “assim como aquele que diz que antes de Cristóvão Colombo todos pensavam que o mundo era plano. As pessoas estão absolutamente enganadas com uma ideia que diz ‘Nós somos modernos, e eles eram estúpidos'”.

Park ainda encontrou evidências de que as pessoas há muito tempo sequer tinham conhecimento de doenças hereditárias e usavam a dissecção para investigar.”Eu encontrei um caso de morte de um garoto, em que o pai perguntou ao médico sobre a necropsia seu filho para que ele pudesse ter o conselho médico para seus outros filhos.”

“Essas pessoas eram muito bons observadoras. Mesmo que não tivessem as ferramentas científicas que temos atualmente, não havia nada de errado com seus cérebros”.

“Cada vez que leio algo em The New York Times que Leonardo da Vinci tinha que esconder o fato de que ele estava fazendo dissecação, e cada vez que ouço um guia de turismo na Itália contar essas histórias, isso me dá nojo. Eu não sei como se livrar deste mito”.

Fonte: http://news.harvard.edu/gazette/story/2011/04/debunking-a-myth/
Tradução: Emerson de Oliveira

Comentários

Comentários

Sobre o autor

Número de entradas : 1297

© 2011 Powered By Wordpress, Goodnews Theme By Momizat Team

Voltar para o topo