Você está aqui:Home » Ética » Aborto » Como o livro de Juízes ilustra a humanidade e personalidade do nasciturno

Como o livro de Juízes ilustra a humanidade e personalidade do nasciturno

A imagem acima é do recente protesto na Polônia, o que levou ao derrube de uma proibição quase total do aborto. O que aflige meu coração é a total falta de reconhecimento do óbvio… a humanidade e personalidade do nascituro.

O homem (quando é deixado por si próprio, não influenciado pela virtude de Deus) não deseja, nem é ele/ela é capaz de suprimir a verdade na injustiça (Romanos 1,18-22 , 8,5-8).

Como evidenciado na parte esquerda da foto, a pessoa não regenerada deixa de reconhecer que há (pelo menos) uma segunda e separado pessoa na existência durante a gravidez. De sua perspectiva obscurecida, apenas a mãe deve estar à vista. E, se e somente se a mãe assim o desejar proclamar a “personalidade” para o feto, aí é quando tal deve ser respeitado por todos, e não antes. Mas, como eu disse, se e somente se ela disser isso. Até então, o nascituro não é uma pessoa.

Há alguns no entanto, que se reconhecem que o nascituro é uma pessoa durante os últimos estágios da gravidez. Mas não admitiriam que esse é o caso nas fases iniciais, e até mesmo muito menos iriam admitir que a personalidade começa na concepção. Isso é incrivelmente raro.

Então, o que diz a Bíblia ou mesmo implica em relação à humanidade e personalidade do nascituro?

Confira esta passagem do Livro dos Juízes…

Juízes 13,1-24

Os israelitas fizeram novamente o que era mau aos olhos de Jeová, e Jeová os entregou nas mãos dos filisteus por 40 anos.
Naquela época, havia um homem de Zorá, da família dos danitas, cujo nome era Manoá. Sua esposa era estéril e não tinha filhos.  Certo dia, o anjo do Senhor apareceu à mulher e lhe disse: “Você é estéril e não tem filhos, mas ficará grávida e dará à luz um filho. Tome cuidado para não beber vinho nem outras bebidas alcoólicas, e não coma nada impuro. Você ficará grávida e dará à luz um filho. Não se deve passar navalha na cabeça dele, porque o menino será um nazireu de Deus desde o nascimento, e ele salvará Israel das mãos dos filisteus.”
Então a mulher foi contar ao seu marido: “Um homem do verdadeiro Deus veio a mim. Sua aparência inspirava muito temor, como a de um anjo do verdadeiro Deus. Eu não lhe perguntei de onde era, nem ele me disse seu nome.  Mas ele me disse: ‘Você ficará grávida e dará à luz um filho. Não beba vinho nem outras bebidas alcoólicas, e não coma nada impuro, porque o menino será um nazireu de Deus desde o nascimento até o dia da sua morte.’”
Manoá suplicou ao Senhor, dizendo: “Perdão, Senhor. Por favor, que o homem do verdadeiro Deus, que acabas de enviar, venha novamente para nos instruir sobre o que devemos fazer com o menino que vai nascer.” Então o verdadeiro Deus escutou Manoá, e o anjo do verdadeiro Deus veio novamente à mulher enquanto ela estava sentada no campo; Manoá, seu marido, não estava com ela. A mulher foi correndo contar ao seu marido: “Veja! O homem que veio até mim outro dia apareceu novamente.”
Então Manoá se levantou e foi com a sua esposa. Ele chegou até o homem e lhe perguntou: “Você é o homem que falou com a minha esposa?” Ele respondeu: “Sim.” Manoá disse então: “Que as suas palavras se cumpram! Como o menino deve ser criado e o que ele fará?”  O anjo do Senhor disse a Manoá: “Sua esposa deve evitar tudo o que eu disse a ela. Ela não deve comer nada que a videira produz, não deve beber vinho nem outras bebidas alcoólicas, e não deve comer nada impuro. Ela deve fazer tudo o que lhe ordenei.”
Manoá disse então ao anjo do Senhor: “Por favor, fique, e deixe-nos preparar um cabrito para você.” Mas o anjo do Senhor disse a Manoá: “Se eu ficar, não comerei do seu alimento; mas, se quiser apresentar uma oferta queimada ao Senhor, pode oferecê-la.” Manoá não sabia que era o anjo do Senhor. Manoá disse então ao anjo do Senhor: “Qual é o seu nome, para que lhe prestemos homenagem quando a sua palavra se cumprir?” Mas o anjo de Jeová lhe disse: “Por que você pergunta o meu nome, visto que ele é maravilhoso?”
Então Manoá pegou o cabrito e a oferta de cereais, e os ofereceu ao Senhor sobre a pedra. E Ele fez algo espantoso enquanto Manoá e sua esposa olhavam. Enquanto as chamas subiam do altar para o céu, Manoá e sua esposa viram o anjo do Senhor subir nas chamas do altar. Eles se prostraram imediatamente com o rosto por terra. O anjo do Senhor não apareceu de novo a Manoá e à sua esposa. Então Manoá percebeu que era o anjo do Senhor. Manoá disse então à sua esposa: “Com certeza vamos morrer, pois vimos a Deus.” Mas a sua esposa lhe disse: “Se o Senhor quisesse nos entregar à morte, não teria aceitado a oferta queimada e a oferta de cereais das nossas mãos, não teria nos mostrado todas essas coisas e não teria nos contado nenhuma dessas coisas.”
Mais tarde, a mulher deu à luz um filho e o chamou de Sansão; o menino crescia e Jeová continuava a abençoá-lo. 25 Com o tempo, o espírito de Jeová começou a agir nele em Maané-Dã, entre Zorá e Estaol.

(Se quiser saber o que é um “nazireu”, por favor consulte Números 6,1-21 ).

O que eu quero esclarecer é como a Escritura categoriza os nascituros nesta passagem.

Você notou como a esposa de Manoá foi instruída a evitar o consumo de certas coisas antes de engravidar?

Isso é importante…

Por quê?

Porque, nada da videira, bebida forte, e alimento impuro é permitido para entrar no sistema do bebê. E como o nascituro é completamente efetuado por hábitos de vida da mãe durante a gravidez, o cuidado deve ser tomado pela mãe como para proteger a criança de ser contaminado. Em outras palavras, se a mãe devia evitar qualquer uma dessas coisas em seu sistema quando a criança fosse concebida, a criança seria então desclassificada de ser nazireu.

Considere desta forma…

Se o não nascido ainda não é uma pessoa (como o mundo promove), então não haveria nenhum perigo da mãe contaminar a “não-pessoa” durante a gravidez devido ao que ela consome. Para dizer de outra forma, se a Bíblia concordasse com o mundo, então o nascituro só poderia ser contaminado após o nascimento. Mas, isso não é o que vemos nas Escrituras. O que vemos no livro de Juízes é um aviso para a mãe (que ainda não tinha concebido)…

… Ter cuidado e não beberá vinho, nem bebida forte, e não comas coisa imunda, pois eis que tu conceberás e terás um filho.

A mãe faz os ajustes necessários para a sua vida não depois que a criança nasce, nem durante a gravidez, mas antes da concepção, para que a criança ser qualificada para designação de nazireu. A concepção é o momento em que uma nova pessoa passa a existir. Quando alguém é concebido (de acordo com a Escritura), AÍ ENTÃO é quando alguém então existe, e não em algum momento artificialmente declarado algum tempo mais tarde, como o mundo proclama.

A menos que se arrependa e confia em Jesus Cristo, a pessoa será sempre resistiva ao óbvio, como ilustrado na foto acima. É importante que nós (cristãos) continuamente reconheçamos de onde viemos antes de nossa conversão. Vou deixá-lo com este pensamento final do Salmista …

Salmos 51,5 (ESV)
“Eis que eu nasci na iniquidade,
e em pecado minha mãe me concebeu.”

Que Deus nos abençoe, irmãos!

Fonte: https://theidolbabbler.com/2016/10/07/how-the-book-of-judges-illustrates-the-humanity-and-personhood-of-the-unborn/
Tradução: Emerson de Oliveira

Comentários

Comentários

Sobre o autor

Número de entradas : 1244

© 2011 Powered By Wordpress, Goodnews Theme By Momizat Team

Voltar para o topo