Você está aqui:Home » Seitas/heresias » Como lutar contra a teologia da Prosperidade

Como lutar contra a teologia da Prosperidade

Resultado de imagem para teologia da prosperidadeEsta manhã eu acordei e li um artigo sobre a pregação de Osteen. Foi um pouco estranho porque a questão do evangelho da prosperidade vem acontecendo ultimamente. Eu assisti o vídeo do sermão de Victoria Osteen e me perguntei por que alguém acreditaria nessa porcaria. É tão fácil ver que sua pregação de que nossa felicidade é o objetivo final de seguir a Cristo é completamente oposta ao que o próprio Jesus diz no Evangelho. Meus problemas com os Osteens e pessoas como eles, como TD Jakes, Joyce Meyer e tantos mega pastores de igreja são muitos; principalmente o fato de que eles pregam contra o catolicismo por uma razão ou outra, mas principalmente porque afirmam que todas as coisas católicas são não bíblicas. Bem, não há nada mais anti-bíblico do que a idéia de que se seguir a Cristo, todos os seus desejos se tornarão realidade e você nunca mais sofrerá novamente. Jesus disse para pegar nossa CRUZ e segui-Lo, pois que quem quiser manter sua vida a perderá e que o mundo nos odiará exatamente como o odiava. Então, onde exatamente no Evangelho Jesus disse que o seu objetivo número um por morrer em uma cruz era para que fôssemos “felizes”? Umm, nenhum lugar.

Seja como for, a idéia de que Jesus disse que Ele veio nos dar vida em abundância é uma maneira torcida de ver as coisas através dos olhos humanos que vêem “abundância” na forma de coisas materiais. Isso não é o que Ele quis dizer, o que Ele quis dizer foi que Sua morte abriria a porta da salvação para que pudéssemos ser salvos. Que, quando terminarmos a corrida nesta vida, estaremos com Deus para a eternidade na próxima vida no céu.

O céu é outra coisa que as pessoas transformam em algum tipo de lugar “onde os desejos se tornam realidade”. O céu não é a Disneylândia. Não é um lugar onde vamos e temos todas as nossas coisas favoritas porque Deus é um gênio que nos concederá todos os nossos desejos. Deus não nos concederá nada que seja pecaminoso, não é bom para nós, ou de qualquer forma está entre nós e Ele. Não nesta terra e não no céu. Se você ama algo mais do que Deus, então adivinhe o quê? Você não vai conseguir isso no céu, se você chegar lá.

Tudo isso é realmente fácil para mim dizer com naturalidade. No domingo passado, quando ouvi meu padre dizer que o evangelho da prosperidade é o evangelho de Satanás, eu queria me levantar e aplaudir. Eu queria cumprimentá-lo e fiquei tão feliz em sentar-me perto dele e acenar com a cabeça pensando em quão certo eu estive o dia todo por excluir todas as coisas do evangelho da prosperidade do meu feed de notícias do Facebook. E então ele disse: “É fácil para nós falarmos do evangelho da prosperidade quando outros estão pregando isso, mas e quando estamos sofrendo? Perguntamos a Deus: por que eu? “

Isso me chamou a atenção.

Na maioria das vezes, quando vejo algumas citações dos Osteens ou de qualquer outro dos outros pregadores de “felicidades”, mexo meus olhos e depois pergunto: “Como essas pessoas ainda sofrem?” Quer dizer, como eles podem sofrer? Quando as coisas ruins acontecem com eles, o que eles fazem? Como eles mantêm sua fé quando as coisas se desmoronam? Costumo fazer essa pergunta com muito orgulho, como se eu sofresse tão graciosamente. Não.

A pergunta do padre me fez pensar sobre como eu sofro. Eu não sofro bem. No final de sua homilia, ele disse que se pensarmos que estamos sofrendo, então precisamos olhar para os cristãos no Iraque ou na Terra Santa e repensar essa idéia. Por um lado, o sofrimento é o sofrimento. Se eu não sou um cristão no Iraque sendo perseguido para ser morto, então é porque Deus sabe que eu jamais chegaria ao Céu naquele caminho para a santidade, o que basicamente significa que Ele está bem ciente de que eu o rejeitaria e tudo a ver com ele se fosse eu. Eu sou mulher. Deus não me coloca lá, Ele está dizendo: “Você não é tão forte.” É verdade. O meu próprio sofrimento ainda é uma cruz que eu tenho que abraçar e carregar, mesmo que esteja lavando a louça e não temer por minha vida (ainda assim, esse dia poderia chegar facilmente). É mesmo assim; eu não abracei minha cruz.

Eu dirijo um carro realmente feio. Em vez de agradecer que o carro me faça ir do ponto A para o ponto B, olho para o carro de todos e me pergunto por que fiquei preso a conduzir a humilhante armadilha da morte. Eu ajo como se ter que dirigir meu carro toda vez que eu precisava ir a algum lugar é o pior que poderia acontecer comigo e que Deus deve me odiar para me fazer passar por isso. Porque Ele deveria conceder todos os meus desejos, como me fazer um Dodge Challenger. É realmente fácil para mim apontar quando alguém está pregando o evangelho da prosperidade, mas não é tão fácil olhar no espelho e perceber que estou vivendo o evangelho da prosperidade. Se eu não tenho todas as coisas que eu quero na vida, então deve significar que Deus se esqueceu de mim.

Isso não poderia estar mais longe da verdade. Isso significa que ele quer que eu sofra todo o dia? Não. Ele criou todas as coisas para o nosso bem. Ele quer que nós desfrutemos a vida, mas isso não é o mesmo que centralizar a nossa vida ao ser “feliz”. A alegria não é o mesmo que a felicidade. A felicidade é fugaz, mas a alegria está sempre lá mesmo no meio de uma tempestade. A alegria é o que vem quando centramos nossa vida em torno de Jesus, Quem é a fonte da vida.

Nos últimos meses (talvez até um ano ou mais) da minha vida estiveram cheios de cruzes e fiz grandes esforços para tentar evitar carregá-las. Eu gritei, me queixei, me sentei e abaixei, implorei a Deus para tirá-las ou simplesmente gritar com ele por ter me atrevido a me dar em primeiro lugar. Não foi até que eu percebi que hipócrita eu sou para apontar sempre para os olhos daqueles que amam as mensagens de Osteens enquanto vivia com essas cruzes, que eu finalmente ouvi as palavras de Cristo para pegar minha cruz e seguí-lo.

Imagem relacionada

O primeiro passo na luta contra o evangelho da prosperidade é para mim reconhecer minhas próprias falhas, rejeitá-la na minha própria vida e resolver mudar-me. Quando suficientes cristãos fazem isso, então esse falso evangelho morre por conta própria. Isso não acontece lutando contra os pregadores, acontece batendo nos nossos próprios corações e vidas.

Fonte: http://www.catholicstand.com/fight-prosperity-gospel/
Tradução: Emerson de Oliveira

Comentários

Comentários

Sobre o autor

Número de entradas : 1348

© 2011 Powered By Wordpress, Goodnews Theme By Momizat Team

Voltar para o topo