Você está aqui:Home » Ética » Comportamento » As numerosas incongruências do transexualismo mostram seu status como ideologia anti-científica

As numerosas incongruências do transexualismo mostram seu status como ideologia anti-científica

A agenda dos ideólogos de gênero está sendo aplicada a uma velocidade irresponsável, dada a escassez de certo conhecimento sobre as causas do transgenderismo.

Apesar da uniformidade totalitária dos principais meios de comunicação em apoio à ideologia do gênero, não há uma base objetiva para justificar a intervenção hormonal ou cirúrgica de uma criança que afirma pertencer a um sexo contrário ao dela.

Denny Burk é professor de estudos bíblicos no Boyce College e Southern Baptist Theological Seminary, e presidente do Conselho para a masculinidade e feminilidade bíblica. Andrew T. Walker é diretor de Estudos Políticos da Comissão de Liberdade Religiosa e Ética e um aluno de doutorado em Ética Cristã no Southern Baptist Theological Seminary.


Denny Burk (esquerda) e Andrew Walker (direita) completam uma devastadora análise lógica da ideologia do gênero. 

Juntos eles elaboraram no O Discurso Público uma resposta articulada à controversa edição de janeiro da National Geographic este ano, com uma criança que afirma ser uma garota como o emblema de uma “revolução de gênero” convertida ( visto o que aconteceu com o ônibus HazteOir ) em uma repressão totalitária sobre a liberdade de expressão e liberdade de educação:

A edição de janeiro 2017 da revista National Geographic dedica-se a explorar o que ela chama de “revolução de gênero”, um movimento revolucionário pós-sexual que visa desconstruir a ideia tradicional no corpo humano, o dimorfismo sexual masculino-feminino e gênero. Em um artigo intitulado “Repensar o gênero”, Robin Marantz Henig cita a evolução das normas de gênero como justificativa para a revolução de gênero. Mas o argumento de Henig não só não convence, mas se baseia em uma proposta radical sobre a natureza humana, contrária à lei natural e à antropologia bíblica .

O objetivo do nosso artigo não é examinar cada um dos aspectos do gênero que a Henig explora. É, antes, examinar alguns dos erros mais flagrantes do seu artigo. Algumas das críticas que lerão não se aplicam apenas ao artigo de Henig; elas também podem ser aplicados ao problema filosófico mais amplo inerente ao movimento transgênero .

Identidade de gênero, confusão de categoria e inconsistência moral. 
Primeira coisa, e mais problemático, é que Henig não oferece um argumento sólido que apóie o fato de que a percepção interna e própria que uma pessoa tem de sua “identidade de gênero” determina seu gênero, ou tem uma autoridade maior do que seu sexo biológico. O artigo oferece testemunhos de pessoas que declaram que sua identidade de gênero é contrária ao seu sexo biológico. Mas o testemunho por si só não é suficiente. Afirmar um direito não prova a autenticidade deste direito. Os leitores não oferecem nenhum dado que explique por que devemos considerar afirmar sua própria identidade de gênero como uma realidade em vez de ser um sentimento subjetivo ou uma percepção de si mesmo.

Este é claramente o cerne da questão que afeta o movimento transgênero: não é baseado na evidência, mas na ideologia de um individualismo expressivo , na idéia de que a auto-identidade é autodeterminada, que a pessoa em questão deve perceber essa identidade e o resto deve respeitar e afirmar essa identidade, sem importar tudo. O individualismo expressivo não precisa de um argumento moral ou de uma justificativa empírica para suas reivindicações, por mais absurdas ou controversas que possam ser. O transgenerismo não é uma descoberta científica, mas um compromisso ideológico anterior sobre a dutilidade do gênero.

Segundo, Henig escreve uma falácia quando ele liga as condições intersexo e transgenerismo. São duas categorias muito diferentes. “Intersexo” é um termo que descreve uma variedade de condições que afetam o desenvolvimento do sistema reprodutivo humano. Estes “distúrbios do desenvolvimento sexual” resultam em uma anatomia reprodutiva atípica. Algumas pessoas intersexuais nascem com ” genitais ambíguos “, o que torna difícil determinar seu sexo no momento do nascimento.

É precisamente neste ponto que a intersexualidade é totalmente distinta do transgenerismo. Aqueles que se definem como transgêneros não precisam lidar com a ambiguidade em relação ao seu sexo biológico. O transgenerismo tem a ver com a variedade de maneiras pelas quais as pessoas que sentem que sua identidade de gênero não coincide com seu sexo biológico. Portanto, as identidades do transgênero são construídas sobre um sexo biológico que é claramente conhecido .

A intersexualidade e o transgenerismo são como maçãs e laranjas, mas lendo o artigo de Henig, isso não é conhecido. Aqueles que estão empurrando a revolução de gênero estão interessados ​​em confundir as categorias. Eles acreditam que se eles podem mostrar que o sexo biológico é um espectro amplo em vez de ser binário, eles podem destruir o essencialismo de gênero. Mas as condições intersexuais não desconsideram o binarismo sexual. São desvios da norma binária e não o estabelecimento de uma nova norma. Portanto, a experiência fisiológica da intersexualidade é uma categoria diferente em relação às construções psicológicas da disforia de gênero e transgenerismo. Henig relaciona problemática essas duas categorias para desfocar identidade de gênero e anormalidade médica e igualá-las.


O transgenerismo é algo diferente da intersexualidade, o que não anula o fato de que os seres humanos são masculinos ou femininos. Na imagem, José Luis López Vázquez em Mi querida señorita (1972) por Jaime de Armiñán, uma abordagem delicada ao caso de uma mulher que, em plena maturidade, descobre que ela é realmente um homem.

No mesmo artigo, Henig cita um estudo que liga discordância de gênero com o autismo. Qualquer conclusão que este estudo pretende estabelecer não valida uma suposta identidade transgênero. No máximo, pode estabelecer uma correlação entre desentendimento de gênero e autismo, mas nem uma causalidade nem uma corroboração da ideologia transgênero. Novamente, aceitar indiscriminadamente essa identidade de gênero é contrário ao sexo biológico, não é mais do que uma ideologia sem evidências ou dados empíricos para sustentar essa afirmação. É metafisicamente impossível verificar a afirmação de que a identidade de gênero que se declara confirma uma compreensão mais precisa do gênero do que o sexo biológico.

A última página do artigo de Henig apoia a mutilação de menores com uma foto completa de uma menina de dez e dezessete anos, que passou recentemente com uma mastectomia dupla para começar sua “transição” como menino. Por que os ideólogos transgêneros consideram prejudicial tentar mudar a mente de uma criança dessa maneira e, em vez disso, considerar um progresso para mostrar seu baú nua e mutilada para um tópico de capa? Os ideólogos do transgenderismo como Henig nunca enfrentam a contradição ética que existe no centro do seu paradigma. Por que é aceitável alterar cirurgicamente o corpo de uma criança para combinar com a visão que ela tem de si mesma e, em vez disso, é um fanatismo tentar mudar a visão que ela tem de si mesma para que seja igual ao seu corpo? Se é errado tentar mudar a identidade de gênero de uma criança porque é imóvel e interferir seria prejudicial, por que é moralmente aceitável alterar algo tão imóvel quanto a anatomia reprodutiva de uma criança? A inconsistência moral é evidente.

Ciência pouco convincente e afirmações contraditórias
Em terceiro lugar , o documento faz referências indiretas à “Teoria do cérebro sexual”, a fim de apoiar a conclusão mais ampla de que as identidades de gênero expandidas são imutáveis, objetivas e uma expressão autêntica do gênero real de uma pessoa. Henig está conscientemente ciente das deficiências da teoria do cérebro sexual mas, no entanto, no final ele falha em sua tentativa de oferecer legitimidade às alegações do transgenerismo à luz da falta de resultados conclusivos de estudos científicos sobre esta questão.

Por esta razão, seu argumento é, em última instância, pouco convincente e problemático: não há consenso científico sobre o que causa o transgenerismo . As teorias sobre o cérebro sexual são hipóteses, mas Henig escreve como se a revolução que enfrentássemos fosse saudável e sólida e devesse ser aceita sem questioná-la. Se Henig admitiu a falta de certeza em relação ao transgenerismo, supostamente prejudicaria a certeza sobre a qual o artigo se baseia (e toda essa questão). Henig não aborda suas hipóteses e admite que as categorias descritas no artigo são baseadas em teoria e não em fatos.

Quarto, além do artigo de Henig, o relatório da National Geographic está cheio de declarações contraditórias e incoerentes. Por exemplo, a seção intitulada “Ajudar as famílias a falar sobre gênero” aconselha: “Compreender que a identidade de gênero e a orientação sexual não podem ser alteradas, mas que a forma como as pessoas identificam sua identidade de gênero e orientação sexual pode mudar ao longo do tempo, pois elas descobrem mais sobre si mesmas “. A primeira metade da sentença afirma a imutabilidade da identidade de gênero, mas a segunda metade declara que o conhecimento sobre essas questões pode mudar ao longo do tempo. Mas se já definimos nossos termos, isso não é uma contradição? A identidade de gênero não é uma categoria objetiva, mas subjetiva . É a forma como uma pessoa percebe seu ser homem ou mulher (Yarhouse, pp. 16-17). Se essa percepção for fixa e imutável (como afirma a primeira parte da frase), é incoerente dizer que o conhecimento de si mesmo pode mudar ao longo do tempo (como a segunda parte da frase afirma). O conhecimento que um tem de si mesmo pode mudar ou não, mas não podem ser ambos. É uma contradição desconcertante contida na mesma frase, mas isso não parece importar ao autor.

Além disso, a afirmação de que as identidades transgêneros são tão fixas e imutáveis ​​quanto a orientação sexual é simplesmente algo que não é suportado por nenhum tipo de consenso científico. De acordo com um relatório importante publicado por Lawrence Mayer e Paul McHugh em The New Atlantis , “a evidência de que as questões relacionadas à identidade de gênero têm uma alta taxa de persistência em crianças são escassas”. Na verdade, aproximadamente 80% das crianças que experimentam sentimentos transgêneros resolvem suas dificuldades sem qualquer intervenção depois de chegarem à puberdade . Para dizer que as identidades do transgênero são fixas e imutáveis ​​é simplesmente errado.

O que a justiça realmente exige? 
Em quinto lugar , toda essa questão levanta a revolução do gênero como a próxima fronteira da justiça social. Isto é ter uma visão muito pequena do futuro visto a taxa acelerada com a qual a revolução do gênero é implantada na América. Mas vamos reformular elementos da discussão que foram omitidos no artigo de Henig e em toda essa questão da publicação:

– Por que a sociedade deve aceitar uma teoria de gênero que tenha uma trajetória histórica tão curta?

– Por que não pedir investigar se determinados ambientes são a causa dessas novas experiências na história humana?

– Por que não analisar os elementos politizados do transgenerismo , apoiados por um movimento LGBT agressivo?

– Por que omitir a história respondida por trás desse movimento, a saber, que a compreensão que a confusão de gênero é uma patologia que pode ser curada mais do que uma norma que deve ser abraçada, habitual até recentemente, agora é estigmatizada, se não for eliminada da história?

– Por que ele está com pressa para aceitar a afirmação de que alguém é membro do sexo oposto ou que ele não tem gênero de nenhum tipo?

– Por que a justiça exige a aceitação de um medicamento que mutila as partes funcionais de um corpo, tudo em nome da identidade de gênero?

Henig não aceita nenhuma voz discrepante que questiona a validade das identidades do transgênero. Seu artigo e toda a revista como um todo, dão por certo a idéia de que a compaixão e a justiça medeiam somente se as teorias controversas contidas na publicação fossem aceitas. Nós o rejeitamos totalmente.

Finalmente, o artigo não expõe as conclusões derivadas de sua premissa. Em uma lenda, podemos ler:

“Henry era do sexo masculino no nascimento, mas se considera um ‘do gênero criativo’. Ele se expressa através de seu senso de moda peculiar, e seus pais o matricularam na Bay Area Rainbow Day Camp, onde ele pode encontrar o vocabulário para explicar seus sentimentos. Com seis anos, ele tem muita certeza de quem ele é “.

Esta lenda é um radicalismo desenfreado. Ninguém com seis anos de idade tem certeza de quem é. Uma declaração radical sem formar um julgamento não é uma abordagem saudável para os pais ou uma estratégia regulatória viável para a sociedade. É realmente suposto que os pais devem evitar qualquer forma de julgamento e se curvar aos caprichos fugazes de seus filhos? Isso deve ser estendido a todos os assuntos?

Em certo momento, Henig descreve uma pessoa que procura uma identidade para “sentir-se bem”. Isso é alarmantemente subjetivo e sujeito a reinterpretações infinitas de si mesmo. O que pode ser “sentir-se bem” para uma pessoa não oferece um caminho para o que é certo. Este é também um exemplo de por que a revolução de gênero consiste em “cisternas rachadas que não possuem água” (Jer 2, 13). Como mostrado por um vídeo que foi viral, usar os termos “identidade” e “identificar” ao lado do termo “gênero” leva a declarações frívolas e ridículas que, em consciência, sabemos que são falsas. E, é claro, este é o aspecto mais problemático deste artigo: aceitar as afirmações contidas nele implica a eliminação de nossa consciência. Significa zombar da “lei escrita no coração” da qual nosso corpo é testemunha em sua complementaridade . Como demonstra este artigo, não há limites para a revolução sexual e de gênero: apenas o despertar da carnificina humana resultante da eliminação da verdade.

Henig faz uma admiração surpreendente e impressionante quase no final de seu ensaio: “A biologia tem o hábito de manifestar-se no tempo”. Neste Henig está certo. É impossível transgredir os limites biológicos impressos na natureza humana sem desfazer as categorias fundamentais da existência humana . Se algo nos diz a história da National Geographic é que uma sociedade que desce o caminho da experimentação voluntarista acaba com o infortúnio e nega o propósito humano. Na verdade, esse movimento nascido de intelectuais afetados e mitologia progressiva não passa de barbarismos disfarçados.

Tradução de Helena Faccia Serrano (diocese de Alcalá de Henares).

Fonte: https://www.religionenlibertad.com/las-numerosas-incongruencias-del-transexualismo-evidencian-condicion-ideologia-anticientifica-55207.htm
Tradução: Emerson de Oliveira

Comentários

Comentários

Sobre o autor

Número de entradas : 1348

© 2011 Powered By Wordpress, Goodnews Theme By Momizat Team

Voltar para o topo