Você está aqui:Home » Apologética geral » A religião pode ser um negócio maior do que pensávamos. Aqui está o porquê

A religião pode ser um negócio maior do que pensávamos. Aqui está o porquê

A religião muitas vezes recebe uma má reputação no ciclo de notícias 24/7. E alguns fios de religião têm sido associados com o populismo varrendo o globo, incluindo o aumento evangélico que ajudou a colocar Donald Trump na Casa Branca. Isso pode nos cegar ao fato de que a religião é uma fonte significativa da força econômica e social da América.

A religião contribui anualmente cerca de US $ 1,2 trilhões de dólares de valor sócio-econômico para a economia dos Estados Unidos, de acordo com um estudo de 2016 pela Religious Freedom & Business Foundation. Isso equivale a ser a 15ª maior economia nacional do mundo, ultrapassando quase 180 outros países e territórios. É mais do que as receitas anuais globais das 10 maiores empresas de tecnologia do mundo, incluindo a Apple, Amazon e Google.

E também é mais de 50% maior do que as receitas anuais globais das seis maiores empresas de petróleo e gás da América. Você poderia dizer que é uma grande quantidade de combustível espiritual sendo bombeado para a economia dos EUA.

Essas contribuições se dividem em três categorias gerais: US $ 418 bilhões de congregações religiosas; US $ 303 bilhões de outras instituições religiosas, como universidades, instituições de caridade e sistemas de saúde; E US $ 437 bilhões de empresas religiosas, ligadas à religião ou inspiradas pela religião.

Primeiro, as congregações religiosas – igrejas, sinagogas, mesquitas, templos e capelas – de cada denominação somam US $ 418 bilhões anualmente para a economia americana. Estas congregações locais são mais de 344.000 e empregam centenas de milhares de pessoas e movimentam bilhões de dólares em serviços em todos os cantos e encruzilhadas da paisagem urbana e rural do país.

Essas congregações locais fazem muito mais do que apenas fornecer lugares de culto.

Cada ano, as congregações gastam US $ 84 bilhões em suas operações, desde pagar centenas de milhares de funcionários, até pagar bens e serviços tão diversos como flores, sistemas de som, manutenção e serviços públicos. Quase tudo é gasto bem na comunidade local.

As escolas ligadas às congregações empregam 420.000 professores em tempo integral e treinam 4.5 milhões de estudantes por ano. Em comparação, este é o mesmo número que o total de população da Irlanda ou Nova Zelândia.

O impacto das escolas religiosas nos EUA é significativo. Por exemplo, a Escola Católica de S. Benedict prepara mais de 530 alunos, principalmente pobres e minoritários para a faculdade e além. Em uma área onde as escolas públicas estão trabalhando duro apenas para manter os jovens de entrar em gangues, na cadeia ou mortos, St. Benedict envia 95% de seus graduados para a faculdade, incluindo um número considerável para as escolas da Ivy League. E os graduados, como Uriel Burwell, retornam para fazer um impacto. Ao se formar na Universidade Drew, Uriel retornou ao bairro de sua infância para construir 50 novas casas a preços acessíveis, reabilitando mais de 30 casas e atraindo mais de US $ 3 milhões para construir casas e apartamentos na região.

Na verdade, as congregações são como ímãs que atraem a atividade econômica que vão desde casamentos, como eu já mencionei e podem dar detalhes pessoais sobre palestras, congressos e até mesmo turismo. Por exemplo, 120 mil congregações relatam que as pessoas as visitam para ver sua arte e arquitetura.

Criando um foco comunitário

Finalmente, e o mais importante, é o que as congregações fazem em suas comunidades que faz a maior contribuição sócio-econômica. Esses programas afetam indivíduos e famílias em uma variedade de maneiras importantes.

Por exemplo, as congregações fornecem 130.000 programas de recuperação de álcool, como o programa “Celebrate Recovery” da Igreja de Saddleback que ajudou mais de 27.000 pessoas nos últimos 25 anos. Congregações também fornecem 120.000 programas para ajudar os desempregados. Por exemplo, a Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias tem centros de serviço de emprego em cada uma de suas estacas em todo o país (e em todo o mundo).

Alguns desses trabalhos são contrários aos estereótipos que alguns podem ter sobre os grupos religiosos. Por exemplo, quase 26.000 congregações estão envolvidas em algum tipo de ministério ativo para ajudar as pessoas que vivem com HIV-Aids. Isso torna um ministério HIV-Aids para cada 46 pessoas que são HIV positivo. Apenas no fim de semana passado, no dia 11 de setembro, sob o patrocínio da Walgreen e das “First Ladies” (esposas de pastores) de Chicago, quase 50 igrejas de Chicago forneceram a triagem gratuita para HIV e outras doenças.

De fato, os dados mostram que as congregações esmagadoramente incluem um foco de comunidade, comunidade externa, com mais de 320.000 congregações ajudando a recrutar voluntários para programas fora de suas paredes, para grupos não-religiosos, desde Big Brothers e Big Sisters até a United Way E a Cruz Vermelha americana.

O papel das instituições religiosas

Se estendemos nossa visão para além do que acontece em congregações e escolas locais, podemos encontrar dezenas de milhares de outras instituições de caridade afiliadas religiosamente, instituições de saúde e instituições de ensino superior também fazendo este tipo de boas obras todos os dias. Estes acrescentam mais US $ 303 bilhões de impacto socioeconômico para a economia dos EUA a cada ano.

Estes incluem instituições de caridade como os Cavaleiros de Colombo, cujo 1,5 milhões de membros respondem a desastres e outras necessidades humanas.Uma em cada seis pessoas que visitam um hospital nos EUA é cuidada em uma instituição católica. E não são só católicos. Os serviços de saúde, tais como fornecidos pelo Adventist Health Systems, empregam até 78.000 pessoas em 46 hospitais.

Instituições de ensino superior, como a Universidade Brandeis, afiliada a judeus, é um dos milhares de faculdades religiosas em todo o país. E mesmo pequenas instituições de caridade religiosas podem ter impacto estratégico. A Islamic Relief USA, por exemplo, respondeu à crise da água em Flint, Michigan, contratando 20 funcionários locais e distribuindo 135 mil litros de água durante o auge da crise da água.

O que as empresas fazem

As empresas ligadas à religião adicionam mais US $ 438 bilhões à economia dos EUA a cada ano. Estas incluem empresas baseadas na fé, desde as indústrias de alimentos Halal e Kosher até meios religiosos como a EWTN e a Christian Broadcast Network.

O maior grupo dentro deste setor não são empresas religiosas, per se, mas empresas religiosas ou ligadas à religião. A Tyson’s Foods, por exemplo, emprega uma grande força de capelães para a sua força de trabalho multi-religiosa.

Em todo o país existem associações de CEOs (presidentes de empresas) que procuram colocar os ensinamentos morais e éticos de sua fé para a prática em seus negócios. Uma dessas associações é a C12, com mais de 2.500 membros, alguns dos quais têm negócios no valor de bilhões de dólares.

E a religião que inspira muitas empresas nos EUA também tem uma maneira de transbordar além fronteiras. Um CEO americano, Don Larson, motivado pela sua fé, iniciou uma empresa em Moçambique que não só abastece as prateleiras das principais lojas de alimentos dos Estados Unidos – da Giant e Wegmans a Whole Foods -, mas também empenha dezenas de milhares de pessoas. Seu modelo de negócios inovador é baseado no que ele chama de “dízimo inverso” – onde 90% dos lucros volta para a comunidade local. Isso significa que muitos consumidores americanos estão participando de um esforço de fé, talvez inconsciente.

Fonte: https://www.weforum.org/agenda/2017/01/religion-bigger-business-than-we-thought
Tradução: Emerson de Oliveira

Comentários

Comentários

Sobre o autor

Número de entradas : 1182

© 2011 Powered By Wordpress, Goodnews Theme By Momizat Team

Voltar para o topo