Você está aqui:Home » Apologética geral » Igreja Católica » Refutações a críticas » A Inquisição e a Igreja Católica – respostas aos críticos

A Inquisição e a Igreja Católica – respostas aos críticos

Muitos anti-católicos na Internet falam da Inquisição como se tivesse acontecido na última terça-feira. Eles estereotipam a Igreja Católica como uma instituição inerentemente opressiva e perversa. Essas seitas e/ou religiosos fundamentalistas sem história própria, atacam, no entanto, vários elementos da longa história do catolicismo, atacando o próprio “cristianismo”. Distorcendo a verdade, eles se tornam a própria coisa que eles procuram ridicularizar.

Os fanáticos anti-católicos sobre este assunto são os NOVOS NAZISTAS. 

Um livro maravilhoso sobre esta questão, e a principal fonte para esta página, foi publicado em 1950, A Verdade Sobre a Inquisição, de John A. O’Brien e publicado pela The Paulist Press. Ele escreve:

Em seus esforços para desacreditar a religião e desacreditar a Igreja, propagandistas nazistas ressuscitaram longos incidentes enterrados da Inquisição e enfeitaram-nos com cores horripilantes e terríveis e os desfilaram diante do povo. Lembro de estar de pé diante de uma loja de livros na Maria-Hilfenstrasse, emViena em julho de 1939, quando a propaganda nazista estava em alta velocidade, e vendo a exibição de pôsteres e imagens de cenas imaginárias da Inquisição. “Vejam”, disse Goebels, “isso é o que acontecerá com vocês se não os salvarmos da Igreja”. (O’Brien, página 5)

Bem, aí está. A semelhança vai muito mais profunda, no entanto. Parentes desses mestres no ódio, o fanático anti-católico faz um bode expiatório da Igreja, torcendo os fatos e a verdade em proveito próprio, e até mesmo recorrendo à GRANDE MENTIRA. Nomeie o problema, vemos que ele é repetido.

5 fatos necessários para compreender a situação medieval.

O Dr. O’Brien delineia cinco áreas onde os modernos entendem mal a cristandade medieval (pp. 7-8):

  • A Igreja é uma sociedade perfeita e soberana, com poderes legislativos, judiciais e executivos, encarregada da tarefa suprema de difundir em toda a sua pureza o corpo da verdade religiosa divinamente revelada.
  • A fé era considerada pelo povo da Idade Média (e de hoje também) como um dom de Deus, mais precioso do que todos os tesouros da terra. A fé tinha chegado a eles em sua integridade original porque seus antepassados ​​haviam sofrido perseguição e morte, em vez de modificá-la ou negá-la. Era seu dever salvaguardar sua pureza para que não houvesse nenhuma desvio dos ensinamentos de Cristo e de Seus Apóstolos; Uma vez que era a chave que lhes abriria os portões do Céu, nenhum tesouro terreno poderia compensá-los pela sua perda; Portanto, a ortodoxia deveria ser mantida a todo custo.
  • Existia uma unidade moral, espiritual e jurídica da sociedade medieval, na qual a Igreja e o Estado constituíam uma política bem unida. De estrutura teocrática, o Estado não poderia ser indiferente quanto ao bem-estar espiritual de seus súditos sem ser culpado de traição a seu supremo Senhor e Soberano – Deus Todo-Poderoso. A autoridade espiritual estava inseparavelmente entrelaçada com o secular da mesma forma que a alma está unida ao corpo: o conceito moderno dessas duas autoridades operando em compartimentos separados à prova de água teria chocado a mente medieval, assim como a personalidade esquizofrênica consternada dos moderno.
  • Havia uma severidade do código penal daqueles dias, em que o uso da tortura e da estaca era comum. Os falsificadores foram queimados vivos; Aqueles que deram pesos falsos e medidas foram flagelados ou condenados à morte; Os assaltantes foram conduzidos ao andaime; Os ladrões condenados por uma recaída foram condenados à morte. Todo o código penal se revestia de vingança por aqueles que transgrediram suas leis; Mesmo tão tarde quanto o reinado de Henrique VIII e de Elizabeth, pessoas estavam sendo punidas, estripadas e esquartejadas; Outros estavam sendo fervidos até a morte. Ainda mais revoltante foi a tortura da roda, em que a vítima era deixada com ossos e membros quebrados para morrer uma morte persistente de dor excruciante. João Calvino não teve escrúpulos em ter seu oponente teológico, Miguel Servet, queimado até a morte. As penalidades infligidas pela Inquisição eram simplesmente aquelas em uso corrente em seus dias.
  • O conceito moderno do Estado secular, neutro em relação a todas as religiões e garantindo a seus adeptos direitos iguais e liberdade de consciência e de culto, teria chocado a mente medieval. Poucas pessoas percebem quão comparativamente recente é o desenvolvimento tal como temos nos Estados Unidos. Ver o pensamento e a ação dos povos da Idade Média contra o pano de fundo atual é mal compreendê-los e julgá-los mal. Seria como comparar as carroças cobertas nas quais os primeiros colonos na América viajaram ao oeste com o avião atual.

Primeiros três séculos: atitude pró-vida, até mesmo para os hereges.

Repudiando o castigo do apedrejamento como ditado para os profanadores da fé no Antigo Testamento, Deuteronômio 13,6-9 e 17,1-6 , os Apóstolos e seus sucessores mais imediatos adotaram uma postura completamente pró-vida:

  • SÃO PAULO  – (Utilizando uma punição espiritual) “Ao rejeitar consciência, certas pessoas fizeram naufrágio de sua fé, entre eles Himeneu e Alexandre, os quais entreguei a Satanás, para que aprendam a não blasfemar” (1 Timóteo 1,19- 20(deixando os heréticos fora da Igreja) “Quanto ao homem que é faccioso, depois de admoestá-lo uma ou duas vezes, não tenha nada mais a ver com ele, sabendo que tal pessoa é pervertida e pecadora, ele é auto condenado” ( Tito 3,10-11 ).   
  • LACTÂNCIO  – (Ao lado de Orígenes, ele repudiou a própria noção da pena de morte para a heresia) “A religião, sendo uma questão de vontade, não pode ser forçada a ninguém, neste assunto é melhor usar palavras do que golpes. Não há relação entre verdade e violência, entre justiça e crueldade … É verdade que nada é tão importante como a religião e é preciso defendê-la a qualquer custo. É verdade que ela deve ser protegida, mas morrendo por ela, não matando outros, por longanimidade, não por violência, por fé, não por crime. Se você tentar defender a religião com derramamento de sangue e tortura, o que você faz não é defesa, mas profanação e insulto. Pois nada é intrinsecamente uma questão de livre arbítrio como a religião” (De Divinis Institutionibus, 5:10). 
  • TERTURLIANO (Derivado do direito natural, filiação religiosa é uma questão de livre arbítrio e não compulsão) “No entanto, é um direito humano fundamental, um privilégio da natureza, que todo homem deve adorar de acordo com suas próprias convicções: a religião de um homem nem faz mal ou ajuda alguém. Não faz parte da religião obrigar a religião – a qual o livre-arbítrio e não a força deve nos conduzir – as vítimas do sacrifício, mesmo sendo exigido de uma mente disposta” (Ad Scapulam, cap. ). 

O cristianismo é legal: o Estado intervém.

É aqui que os problemas começam. O imperador legitimou o Cristianismo com o Edito da Tolerância em 325 dC. Quase imediatamente, os imperadores, vendo-se como os guardiões divinamente estabelecidos dos assuntos temporais e materiais da Igreja, também se intrometeram em assuntos espirituais. Logo, a Igreja Católica e a fé cristã se tornariam a religião do império. Como tal, seria visto como a COLA do Império. Essa mentalidade rapidamente levou a medidas agressivas para erradicar a heresia.

  • Quando os imperadores entraram em aliança com os bispos arianos, eles perseguiram prelados ortodoxos, aprisionando e enviando-os para o exílio.
  • Santo Hilário de Poitiers protestou em vão contra o uso da força em sua região, alegando que as severas sanções do Antigo Testamento foram substituídas pelas suaves leis de Cristo (Liber Contra Auxentium, IV).
  • Sucessores de Constantino emitiu muitos decretos penais contra os hereges, 68 em 57 anos, o que resultou em exílio ou morte.
  • Em 407 dC, uma lei contra os donatistas os considerava traidores à coroa.
  • Santo Agostinho de Hipona, repudiou tal uso da força (contra os maniqueus) e procurou conquistar os hereges por meio da pregação e do diálogo.
  • O imperador Maximus ordenou que Prisciliano, bispo de Avila, declarado culpado de heresia e feitiçaria, fosse condenado à morte em 385 dC de acordo com o apelo dos bispos espanhóis. São Martinho de Tours, São Ambrósio e São Leão repreenderam vigorosamente os bispos espanhóis por terem feito algo tão reprovável. 
  • São João Crisóstomo  pensava que um herege deveria ser privado da liberdade de expressão e que suas assembleias deveriam ser dissolvidas, mas proclamava que “matar um herege seria introduzir na terra um crime inexpugnável” (Homilias 46: 1) . O Dr. O’Brien escreve sobre este santo maravilhoso: Ele declara que Deus proíbe sua execução, assim como Ele nos proíbe de arrancar o joio, mas Ele não nos proíbe de repeli-los, de privá-los de liberdade de expressão ou proibir seus reuniões “(O’Brien, p.13).
  • Em 1022 dC, o rei Robert fez com que treze hereges cátaros fossem executados em Orleans “Porque temia pela segurança do reino e pela salvação das almas”. Depois de 1022 dC, a ação da multidão aumentou contra os hereges. O povo estava tomando a lei em suas próprias mãos e matando hereges. Tal anarquia não podia ser tolerada pela sociedade civil ou pela Igreja. As multidões haviam invadido as prisões.
  • Waso, o bispo de Liege  insistiu contra o uso da força sobre os cátaros, argumentando muito como S. João Crisóstomo tinha feito sete séculos antes.
  • Os bispos durante este período foram virtualmente unânimes contra apelar ao braço secular para a punição dos hereges, e todos eles rejeitaram a pena de morte.
  • Peter Cantor, o homem mais instruído desta era, expressou o sentimento predominante dentro da liderança da Igreja: “Se eles são condenados por erro ou confessam livremente sua culpa, os cataristas não devem ser condenados à morte, pelo menos não quando se absterem de atacarem a Igreja. Pois, embora o Apóstolo tenha dito: “Um homem que é um herege após a terceira advertência, evite-o”, certamente não disse: “Mate-o”. Jogue-os na prisão, se quiserem, mas não os matem” (De investigatione Antichrist  3:42).
  • São Bernardo  derrubou a lei, em oposição direta às turbas, “Fides suadenda, non imponenda”. Os homens devem ser conquistados para a Fé, não pela violência, mas pela persuasão. Ele censurou os príncipes, argumentando que “os obstinados seriam excomungados e, se necessário, mantidos em confinamento para a segurança dos outros” (O’Brien, p.15).
  • As opiniões de Peter Cantor e de São Bernardo foram ratificadas por toda uma série de sínodos durante esse tempo: Reims(1049) sob Leo IX, Tolouse (1119) sob Calisto II, e o Concílio de Latrão de 1139.
  • A execução infrequente de hereges durante este período deve ser considerada a ação arbitrária de governantes seculares e a violência fanática. Eles não foram o resultado da lei ou autoridade da Igreja.

Heresia Albigense: Igreja e Estado Forçados a Serem Mais Graves.

É aqui que há uma mudança radical no tratamento da Igreja com os hereges para medidas penais mais graves. É aqui que os fanáticos anti-católicos tratam a história da Igreja da mesma forma que eles consideram a Bíblia. As questões são retiradas do contexto e as verdadeiras ameaças são levadas a luz ou lançadas na palidez do debate protestante/católico. Vejamos as coisas com honestidade.

O Dr. O’Brien sucintamente nos diz o que aconteceu:

Na segunda metade do século XII, contudo, a heresia albigense ou cátara se espalhou por Europa de forma alarmante; Ameaçava não só a existência da Igreja, mas também os próprios alicerces da sociedade cristã e do governo ordenado. Em resposta a esta grave ameaça cresceu na Alemanha, França e Espanha uma espécie de lei prescritiva que visitava a heresia com a morte na fogueira, uma forma de pena capital comum naquela época. Contra essa ação do Estado cristão para se defender, a Igreja não protestou; Na verdade, ela se sentia chamada a sancionar as severas penas da autoridade secular e a cooperar com o Estado em sua execução, pois sua própria existência também estava ameaçada “(O’Brien, pp. 16-17).

Quem eram os albigenses? Como essa heresia ameaçou tanto a Igreja quanto o Estado?

  • Eles se chamavam “Catharii” (puros), achavam as relações sexuais repugnantes e rejeitavam o casamento como abominável.
  • Eles professavam estar praticando o próprio cristianismo primitivo.
  • Eles sustentavam um duplo princípio da criação, um bom e o outro, o mal.
  • A matéria era má e o espírito era bom.
  • Toda existência estava em conflito entre esses dois princípios.
  • Como toda matéria era má, negavam a encarnação (que Cristo assumiu um corpo humano).
  • Considerando a Cristo como o anjo mais elevado, eles negaram sua humanidade e divindade.
  • Negavam que ele pudesse sofrer lesões; Assim, não houve Crucificação ou Ressurreição.
  • Toda a narração de sua Paixão e Morte foi esquecida como ilusão.
  • Eles negaram a “presença real” na Eucaristia e o sacrifício da Missa.*
  • Embora sem pecado, a Virgem Maria tinha um corpo celestial como Cristo, e só parecia ser uma mulher.
  • O Dr. O’Brien escreve: “Eles professavam ódio e desprezo pela Igreja, chamando-a de Mulher Escarlate do Apocalipse”, bêbada com o sangue dos santos e com o sangue dos mártires de Jesus”, o papa era o Anticristo. Os sacramentos eram imposturas infantis e a transubstanciação era uma blasfêmia louca. Particularmente veementes foram aqueles hereges em sua denúncia de todas as formas de simbolismo e da veneração das relíquias e especialmente da Cruz “(O’Brien, p.18).
  • Usurpação da estrutura da Igreja e sacramentos: “Eles tinham bispos como governantes e seus membros foram divididos em ‘perfeitos’, ‘consolados’ e ‘crentes’. Os fiéis foram obrigados a prostrar-se perante os perfeitos e a venerá-los de uma maneira obsequiosa: fizeram um sacramento do batismo, da confirmação, da penitência e da Eucaristia, que eles chamavam de consolamentum, e aqueles que morreram sem receber o consolo passariam para o castigo eterno ou para o corpo de um animal, uma vez que este último poderia ser a morada de uma alma humana, eles se recusaram em todas as circunstâncias a tomar a vida animal “(O’Brien, p.18).
  • Usurpação dos direitos do Estado: “A morte de um ser humano, por qualquer crime, foi considerada errada e, de acordo com a Summa Contra Hereticos, ‘todas as seitas cátaras ensinaram que a acusação pública de crime era injusta e ninguém tinha o direito de administrar a justiça “(O’Brien, p.18).
  • Como um ataque ao componente mais básico da sociedade, a família, eles alegaram que o sexo era o mal no seu núcleo. A procriação foi condenada como uma empresa satânica em que a fêmea grávida era possuída por um demônio. Se ela morresse durante a gravidez ou o parto, ela estava eternamente condenada.
  • O matrimônio era desprezado como um estado perpetuamente pecaminoso, pior do que a fornicação, o adultério, o incesto e a sodomia. O raciocínio aqui era que os casais não sentiam vergonha ou remorso. Além disso, havia a possibilidade de progênie. O aborto foi considerado como algo altamente recomendado.
  • O último sacramento ou consolamentum só poderia ser dado aqueles que renunciaram as relações sexuais; De fato, depois houve severas penas de jejum para um homem que simplesmente tocasse uma mulher.
  • Os albigenses repudiaram o juramento de lealdade que representava o fundamento da sociedade feudal e recusavam todos os impostos.
  • Os membros criticamente doentes receberam o consolamentum e, em seguida, instaram a fazer sua salvação certas pelo endura, nada menos do que suicídio. Muitas vezes traduzia-se em assassinato. Se eles concordassem, perguntaram se eles eram um mártir ou um confessor. Os mártires foram sufocados com um travesseiro enquanto os confessores morreram de sede e fome. Os chamados Perfeitos costumavam enforcar para garantir que a pessoa fosse morta, e deve-se mencionar que oportunistas às vezes exploravam essas situações com fins lucrativos. Em meados do século XIII, eles submetiam cruelmente crianças pequenas ao endura .    

* ATENÇÃO que os três pontos destacados nesta lista são ensinamentos compartilhados com muitos, se não a maioria dos anti-católicos fundamentalistas.

AL Maycock, em sua obra The Inquisitio , afirma que a ENDURA foi responsável por mais mortes em Languedoc que a estaca ou a Inquisição! (Página 42). E. Vacandard, em sua obra de mesmo título, relata, “Todo aquele que lê os atos dos tribunais da Inquisição de Toulouse e Carcassone deve admitir que a endura, voluntário ou forçada, matou mais vítimas do que a estaca ou a Inquisição”(Página 72). Mesmo muitos historiadores não católicos admitem que a ortodoxia na fé e na própria civilização estava em perigo. Os albigenses eram revoltantes, não só contra a Igreja e o Estado, mas contra o domínio do homem sobre a natureza.

A INQUISIÇÃO NASCE.

O Dr. O’Brien nos diz o seguinte:

Durante as três primeiras décadas do século XIII, a Inquisição, como instituição, ainda não existia. Até 1224 não havia lei imperial que ordenasse, ou presumisse como legal, a queima de hereges. O rescrito para Lombardia de 1224 é a primeira lei na qual a morte por fogo é expressamente estipulada como a punição incondicional.

Não há provas de que o Papa Honório III tenha tido qualquer mão na redação dessa ordenança; A queima de hereges na Alemanha não era mais rara e a antiga que a lei romana que castigava a alta traição com a morte, e o maniqueísmo em particular com a estaca, não era desconhecido do imperador, Frederico II. Os rescritos imperiais de 1220 e 1224 foram adotados no direito penal eclesiástico em 1231 e logo foram aplicados em Roma. Foi quando nasceu a Inquisição medieval. É provável, como Lea conjectura, que Gregório não tinha nenhuma intenção de estabelecer um tribunal permanente mas estava simplesmente tomando medidas emergenciais.  (O’Brien, p. 24).

A instituição da Inquisição encabeçou a crescente invasão de Frederico II nos assuntos da Igreja. Isso também daria à Igreja alguma ajuda no controle de situações onde havia uma história de abuso e incompetência. Os juízes especiais e permanentes foram nomeados para tratar em nome do Papa com ofensas contra a fé. Deveriam ser seguidas regras estabelecidas de conduta canônica com sanções estabelecidas. O Estado de Direito deveria ser imposto à loucura da multidão. A tarefa desta Inquisição não era simplesmente realizar interrogatórios secretos e depois fazer acusações; Nem eram fanáticos para implementar a tortura, algo que não seria permitido por muitas décadas; Nem tampouco deveriam aplicar sanções por sanções, prisão, confisco de bens, ou para impor a estaca – eles eram simplesmente juízes papais que foram encarregados de procurar hereges e reconciliá-los, se possível; Ou para pronunciar as penas espirituais usuais para os rebeldes, e entregá-los ao poder secular.

Gregório IX voltou-se para os franciscanos e os dominicanos para fornecer homens teologicamente competentes e santos para este papel. Eles trabalharam em estreita colaboração com os bispos e tiveram de apresentar suas descobertas para aprovação. Muitas vezes os papas os advertiram contra ser excessivamente zelosos e severos. Inocêncio IV em 1254 renovou a proibição contra o encarceramento perpétuo ou a morte na fogueira sem o consentimento dos bispos. Bonifácio VIII e Clemente V declararam nulos todos os julgamentos sem aprovação episcopal.

O inquisidor pregaria um solene sermão de fé. Ajudados pelos fiéis locais de vários graus, os suspeitos de heresia seriam convocados. Seria necessário prometer total obediência aos mandamentos da Igreja; Caso contrário, seriam julgados nos termos dos estatutos. O Dr. O’Brien enumera essas características do procedimento inquisitorial (pp. 27-28):

. . . o tempo da graça, a denúncia de suspeitos, o julgamento, a imposição de sentença sobre hereges arrependidos e o abandono dos mais recalcitrantes ao braço secular. Durante o tempo de graça todos os que livremente tinham confessado e abandonado seus erros ou foram dispensados ​​de todas as penalidades ou receberam apenas uma penitência secreta e muito leve; aqueles cuja heresia tinha sido abertamente manifestada foram isentos das penas de prisão perpétua e à morte. Este tempo não devia, no entanto, ser superior a um mês, depois que começasse a Inquisição. Quando a heresia era considerada a ser erradicada, os inquisidores mudaram-se para outra localidade.

O uso de um conselho consultivo de leigos e sacerdotes era freqüentemente usado para assegurar um veredicto justo e imparcial. Um conselho de outros juízes permanentes ajudou também. Infelizmente, e deve ser admitido, muitas das salvaguardas para a proteção dos direitos do acusado, que hoje valorizamos, ainda não haviam evoluído.

E a tortura?

Sim, é verdade. Enquanto o acusado não era preso durante o período do inquérito, se recusasse a confessar a sua culpa e os seus cúmplices, por vezes as autoridades recorreriam à tortura. Não foi classificado como uma forma de punição, apenas um meio de eliciar a verdade. “Não era de origem eclesiástica e estava há muito proibido nos tribunais eclesiásticos” (p.29). Foi primeiramente sancionada por Inocêncio IV em sua bula Ad exstirpanda, de 15 de maio de 1252. A tortura não era, no entanto, para causar a perda de um membro ou para pôr em perigo a vida. Poderia ser aplicado apenas uma vez, e nem mesmo então, a não ser que o acusado parecesse duvidoso em suas declarações e o peso da evidência se inclinando pesadamente para a convicção. Todos os outros meios tinham que ser esgotados primeiro. O Dr. O’Brien escreve: 

Se essa legislação papal tivesse sido seguida na prática, muitos dos abusos que justamente despertaram tal ressentimento contra a Inquisição teriam sido evitados. No início, a tortura era considerada tão odiosa e tão contrária ao espírito dos Evangelhos que os clérigos estavam proibidos de estar presentes sob a dor da irregularidade.

Usando muitos instrumentos diferentes de tortura, a regra de recorrer a ela apenas uma vez foi contornada. Embora a gravidade da tortura tenha sido freqüentemente exagerada, deve-se admitir que houve casos de excesso terrível. Tal era frequentemente o caso quando as autoridades civis se apoiavam nos funcionários da Igreja para obter resultados. Usando seu selo para a fé como uma desculpa, Frederico II abusou da Inquisição e a tortura para erradicar seus inimigos pessoais. “Santa Joana D’Arc foi enviada para a estaca como uma herege e uma recalcitrante, em grande parte porque seus juízes eram ferramentas da política inglesa. Além disso, os excessos da Inquisição espanhola… eram principalmente rastreáveis ​​à influência do braço secular” (O’Brien, página 31).

A maioria das penas da Inquisição eram leves e destinadas a ajudar a pessoa a crescer espiritualmente. As boas obras eram obrigatórias, como a visitação na Igreja, a peregrinação religiosa, a oferta de uma vela ou vasilha, a participação em uma cruzada, multas, mortificação da carne, etc. As piores punições eram o encarceramento ou a excomunhão da Igreja. Se a Igreja achasse que ela não poderia castigar adequadamente os crimes, ela os entregaria às autoridades seculares. O aprisionamento poderia ser severo, mas a grande maioria viveu uma vida bastante monástica com uma forma de vida comunitária – tomar refeições com os outros, viver com seus cônjuges e desfrutar de liberdade de movimento dentro dos edifícios e terrenos. Os amigos católicos foram até autorizados a visitá-los e trazer-lhes comida, vinho e roupas do exterior. Quanto à prisão mais severa, muitas vezes tomava a forma de confinamento solitário e correntes. Os papas foram finalmente capazes de fazer muito para melhorar as condições para este último grupo. As cadeias foram removidas, os amigos e os alimentos de fora eram permitidos, etc. O Papado, tão frequentemente culpado pela Inquisição, mostrou-se como uma influência para tornar a situação mais humana.

Devemos uma dívida à Inquisição.

Muito poucas pessoas, quando olhamos para os números, sofreram a pena extrema de morte. Isso muda a composição da Inquisição da que se supõe pela cultura popular e foi aclamada pelos anti-católicos. O Dr. O’Brien observa astutamente:

Daí é evidente que a Inquisição marca um avanço substancial na administração da justiça e, portanto, na civilização geral da humanidade; Substituiu o procedimento judicial pela ação da turba e lei de linchamento. Longe de ser um fracasso, a Inquisição conseguiu sua gigantesca tarefa de deter a horda albigense que, como uma praga negra, devastou a cristandade. Apesar de suas deficiências, não só o cristianismo, mas também a civilização humana devem uma pequena dívida ao trabalho da Inquisição (p.34).

As coisas saem de controle: A Inquisição Espanhola.

Aqui o legado da Inquisição se torna uma verdadeira bagunça. Depois de um conflito de 780 anos com os mouros, Ferdinando e Isabela derrotaram os sarracenos e em 1501 ordenaram-nos a se converterem ou a serem expulsos. Sua fé católica e nacionalismo foram focados em uma realidade. Quando muitos dos mouros apostataram ou mancharam o cristianismo com práticas muçulmanas, a situação estava madura para a Inquisição. O povo espanhol viu isso como um meio de cimentar sua identidade nacional. Isso também preparou o terreno para abusos terríveis. A Inquisição foi estabelecida em 1480, mas ao longo de linhas realistas e não de acordo com a forma medieval. O Papa Sixto IV ficou tão preocupado que ele prendeu o embaixador espanhol. Ferdinando retaliou em espécie. Roma cedeu.

A Inquisição na Espanha ignorou Roma e não hesitou em iniciar processos contra bispos e arcebispos. Ligado com a coroa, ele mesmo declarou decisões da Congregação Romana do Index apenas para ser válido, se fosse assinado pelo Santo Ofício de Madri. Até atacou Carranza, arcebispo de Toledo, colocando seu livro sobre o Catecismo de Trento, no Index Espanhol – embora tivesse aprovação de Roma! Foi somente após Carranza ter sofrido oito anos de prisão e uma ameaça de excomungar o monarca que ele foi liberado e enviado para Roma. A Inquisição espanhola prendeu duas vezes Santo Inácio de Loyola, fundador dos jesuítas. Santa Teresa deAvila foi denunciada e uma de suas obras, Conceitos do Amor Divino, foi colocada no Index. Felizmente, ela foi resgatada pela influência pessoal de Filipe II. Infelizmente, o Estado muitas vezes injustamente manipulou e interferiu com a Inquisição Epanhola. Alguns sustentariam, portanto, que era uma instituição política e não eclesiástica. Outros insistiriam que a Igreja estava muito envolvida aqui para ser totalmente absolvida. O Dr. O’Brien escreve: “A Igreja deve, portanto, assumir a sua parte de responsabilidade pelos procedimentos deste tribunal, tantas de cujas ações foram marcadas pela crueldade e selvageria. Eles deixaram manchas negras nas páginas da história e suas sombras sombrias recaem sobre a coroa e o papado e mostra que seus ocupantes eram os filhos de seu tempo “(O’Brien, p.41).  

O Santo Padre tem o dom da infalibilidade em relação à fé e à moral (determinados parâmetros); Entretanto, ele não tem garantia de perfeição na mecânica de administrar um governo ou assegurar a justiça absoluta dos tribunais terrenos. Além disso, ele não é impecável; Um ponto muito importante quando recordamos os abusos que resultam do pecado e as pobres decisões que derivam da fraqueza humana. Além disso, a sua autoridade é moral. Como a história mostra, muitas vezes isso não foi suficiente para mover os outros para ouvi-lo em agir com misericórdia e compaixão. Só podemos esperar que tenha havido um desenvolvimento real em nossa consciência da liberdade religiosa, da liberdade de consciência e do Evangelho da Vida.

Os protestantes mataram muitos mais católicos!

  • Calvino procurou perseguir hereges (particularmente católicos romanos) de modo a manter os crentes protestantes nas terras divididas pela Reforma fiéis aos seus novos ensinamentos. Ele perseguiu viciosamente o espanhol Michael Servet, fazendo com que ele fosse queimado vivo em 27 de outubro de 1553. Já em 1545, Calvino escrevera: “Se ele [Servet] vier em Genebra, eu nunca permitirei que ele saia vivo”. Ele manteve sua promessa.
  • Melancton , um dos reformadores mais suaves e editor das muitas obras e ensinamentos de Lutero, escrevia para Bullinger: “Estou surpreso por algumas pessoas denunciarem a gravidade tão justamente usada nesse caso”.
  • Teodoro de Beza  escreveu: “Que crime pode ser maior ou mais abominável do que a heresia, que anula a palavra de Deus e toda a disciplina eclesiástica? Os magistrados cristãos, cumprem o seu dever para com Deus [falando na Genebra de Calvino em 1554], que pôs a espada em suas mãos para a honra de Sua majestade; Atacam valentemente esses monstros sob a aparência de homens”. Ele continuou a caracterizar aqueles que exigiam liberdade de consciência” pior do que a tirania do papa. É melhor ter um tirano, por mais cruel que seja, do que deixar que todos façam o que bem entender.
  • Martinho Lutero também abanou as chamas da intolerância, “Quem ensina o que não ensino, condena a Deus e deve permanecer um filho do inferno”.
  • Rei Henrique VIII da Inglaterra, que tomou sobre si o papel de grande inquisidor real, tirou a vida de cerca de 72.000 católicos, muitos que foram cruelmente torturados.
  • Rainha Elizabeth, provou-se a filha do anterior colocando à morte mais pessoas em um ano do que a Inquisição tinha feito em 331 anos!

Sim, há mais do que suficiente culpa para reconhecer. Talvez seja hora de respeitar e dialogar e, se necessário, o anátema de caridade, em vez da zombaria e meia-verdade?
Fonte: http://webcache.googleusercontent.com/search?q=cache:http://www.catholicfidelity.com/the-inquisition-and-the-church-by-joseph-jenkins/&gws_rd=cr&ei=89CAWKL0K8mmwATfrp5g
Tradução: Emerson de Oliveira

Comentários

Comentários

Sobre o autor

Número de entradas : 1242

© 2011 Powered By Wordpress, Goodnews Theme By Momizat Team

Voltar para o topo