Você está aqui:Home » Apologética geral » Igreja Católica » Refutações a críticas » A Igreja, uma vítima antiga de “notícias falsas”: 10 exemplos de mentiras contra católicos

A Igreja, uma vítima antiga de “notícias falsas”: 10 exemplos de mentiras contra católicos

Ao longo da história, a Igreja foi submetida a manipulação e distorção para desacreditá-la

O fenômeno de “fake news” (notícias falsas) está crescendo. Cada dia mais ‘informações’ deste tipo, na maioria dos casos com o objetivo de intoxicar, desinformar e manipular a favor ou contra uma causa são fabricados. Alguns deles são lançados na mídia e muitos consideram algo verdadeiro que não deixa de ser uma farsa.

Isto não é novo. A história está cheia dessas manipulações que antes eram um “notícias falsas” e ao longo dos anos tornou-se algo aceito por muitos. A Igreja Católica não escapa desses ataques, além disso, tem sido uma das grandes vítimas. Durante séculos eram os libelos e panfletos e agora estão em redes sociais e páginas web. Desde o nascimento da Igreja no dia de Pentecostes até hoje, inúmeros relatórios têm tentado ferir manipulando, torcendo ou inventando a verdade. Eles são quase incontáveis embora aqui na REL fazemos uma pequena compilação de dez deles cobrindo um certo ponto da história milenar do catolicismo:

1. A mulher não tem alma
Uma das grandes farsas que são reproduzidas ciclicamente é que a Igreja negou que as mulheres têm almas, como o escritor e ex-diretor da Biblioteca Nacional Rosa Regás, disse ele, por exemplo, em seu artigo . E para isso eles se referem como os concílios de Nicéia ou Trento, onde supostamente apenas um voto foi dito que a mulher tinha alma. 


St. Isabel de Hungría foi canonizada em 1235. Poderia ser santa uma mulher sem alma? 

Em primeiro lugar, nenhum desses concílios mencionou nada disso, porque não havia nenhuma dúvida sobre a alma das mulheres. Desde o início do cristianismo, as mulheres participaram nos sacramentos e muitas foram veneradas como santas.  Perpétua e Felicitas, S. Isabel de Hungría, Santa Matilde … e uma grande multidão negam essa mentira de comparar as mulheres com os animais.

Em adição, uma teóloga feminista Uta Ranke-Heinemann, desmontou esta mentira e falou sobre como ela poderia interpretar mal e manipular o que aconteceu no segundo sínodo de Macon (585), em que estava presente Gregorio de Tours. Nele, falou a sua totalidade de uma questão filológica de “homo”, que em latim significou tanto o homem (humano) como macho e um bispo perguntou se a mulher poderia ser designada “homo”. Citando que Deus criou o homem (homo) como macho e fêmea elucidou de modo que se deve chamar a mulher. Nunca se debateu sobre a alma. Há mais informações sobre esta questão neste artigo do ForumLibertas .

Para desmontar as  notícias falsas sobre a relação entre as mulheres e a Igreja é muito recomendável o livro Grande Prostituta. Tópicos da Igreja ao longo da história ‘ e o trabalho do historiador Giulia Galeotti (aqui resumido em uma entrevista). E não se esqueça da importância dos pioneiros católicos para defender os votos das mulheres.

2. A Igreja Católica, inimiga da ciência
Este é um dos mitos mais difundidos e até penetrados no coração da Igreja. Ele surgiu no século XIX, com a teoria do conflito, inspiradora do ateísmo moderno, com os acadêmicos americanos Andrew Dickson White e John William Draper, influenciados também pelo romancista Washington Irving, que em suas obras mostrou seu anticatolicismo e criou o mito do terra plana que Colombo confrontou com a Igreja.

Primeiro durante conferências e mais tarde em livros amplamente distribuídos, esses estudiosos inventaram uma falsa história de uma longa guerra entre religião e ciência falando de uma “grande luta sagrada para a liberdade da ciência, uma luta que aconteceu durante tantos séculos . Foi uma luta dura! Uma guerra longa, com batalhas mais ferozes, cercos mais persistente, com um mais vigoroso do que qualquer das guerras relativamente insignificantes de Alexandre, César ou Napoleão … “. Você pode aprender mais sobre esta mentira neste artigo da ReL .


Gregor Mendel, um frade agostiniano, é considerado o pai da genética

Esta mentira se desmente com dados que mostram como muitos católicos, incluindo muitos sacerdotes foram campeões da ciência e responsáveis por grandes descobertas. Dezenas de prêmios Nobel foram crentes e em campos como astronomia, medicina e genética têm sido destacados os católicos.

3. Nem os nativos americanos têm alma
Que a Igreja levou séculos para reconhecer que os índios americanos tinham alma é outra manipulação histórica que teve lugar contra a Igreja e que está ligado ao ódio contra a Espanha católica e sua lenda negra. No entanto, já em 1537, apenas 40 anos após chegada de Colombo à América, há um documento oficial da Igreja sobre o assunto. Em 1537, na Bula Sublimis Deus, o Papa Paulo III declarou: “os índios são verdadeiramente homens e que eles não só são capazes de compreender a fé católica, mas, de acordo com nossas informações, estão ansiosos para recebê-la”, e deixou claro que “eles não podem ser privados de sua liberdade, por qualquer meio, nem de suas propriedades. “

Mas se isso foi feito oficialmente, na prática, eles não foram tratados como seres sem alma, mas como nativos ocupados de responsabilidade desde o início. A historiadora Elvira Roca, autora de Imperiofobia e Lenda Negra lembra aqui : “o governador nomeado por Cortes que teve o México na nova ordem cristã se chamou Andrés de Tapia Motelchiuh (1526-1530) e era um asteca que foi batizado” e assim nomes como Paul Xochiquenzin, Diego de Alvarado Huanitzin, Diego de San Francisco Tehuetzquititzin ou Pedro Xiconocatzin.

4. A Igreja Católica apoiou Hitler e permaneceu em silêncio antes do Holocausto
Durante os anos 60, começou a circular a falsa acusação de que o papa Pío XII tinha feito vista grossa ao Holocausto e, portanto, que a Igreja Católica não se opôs nazismo, que chegou aos nossos dias . Mas não são numerosas evidências de que este Papa salvou milhares de judeus da morte , que apoiaram três tentativas de derrubar Hitler e foi um dos responsáveis, com o secretário de Estado do Vaticano, pela Encíclica Mit brennender Sorge de1937 em que ficava clara a incompatível do cristianismo com o nazismo.


Antes e durante a Segunda Guerra Mundial, a Igreja Católica denunciou o nazismo

O livro, cristãos contra Hitler mostra claramente como a Igreja Católica lutou contra o regime nazista  a partir dos bispos, através de milhares de sacerdotes que acabaram em campos de concentração, onde muitos morreram e acabando por simples leigos que arriscaram suas vidas para salvar outras.

5. Os caramelos envenenados das freiras 
Notícias falsas tem sido sempre um elemento de propaganda de primeira ordem e mostra de seu poder em uma época em que não havia telemóveis ou redes sociais é o que aconteceu na Segunda República, embora esta mesma mentira fosse usada em outras ocasiões. 

Os acontecimentos remontam a maio de 1936, quando, em Madri, especialmente nos bairros operários e mais pobres, começou a circular a notícia de que as freiras estavam dando doces envenenados para crianças nesses bairros a fim de acabar com os marxistas. Foi dito que centenas de crianças foram mortas nas escolas e o plano era para fazer isso em todas as áreas de trabalho. Cabe lembrar que muitas dessas crianças iam para escolas católicas e assim uma massa enfurecida por estas “fake news” queimaram conventos, matando e batendo em freiras e todos os que estavam em seu caminho. Não importa que não era verdade. A propaganda tinha surtido efeito.


A queima de conventos foi conduzida por exaltados que tinham sido enganados com falsas informações sobre religiosos 

6. O mito da Inquisição
Filmes, novelas e livros-texto têm espalhado o mito da Inquisição, que combina perfeitamente anticatolicismo e a lenda negra espanhola Apresenta-se à Igreja e como uma bárbara implacável responsável por dezenas de milhares de mortos.

Segundo os historiadores, esses tribunais não eram essas máquinas de matar que eles estavam falando, e foram também muito mais garantistas e menos mortos do que os protestantes. Em adição, a historiadora Elvira Roca acrescenta que “a Inquisição perseguiu dissidentes não só do catolicismo, mas também crimes como lenocínio, abuso infantil, falsificação …”.

O historiador Geoffrey Parker acredita que nos 350 anos da existência do tribunal causou um número estimado de 5.000 mortes. Por seu lado, Jaime Contreras e Gustav Henningsen estudaram o período entre 1540 e 1700 , quando a Inquisição processou 49.000 pessoas. Sentenças de morte foram dadas em 3,5% dos casos, conforme calculado pelo Gustav Henningsen, mas apenas 1,8% dos condenados receberam efetivamente a morte pelo fogo.

7. A obscura Idade Média propiciada pela Igreja
A Idade Média ainda é apresentada como uma idade escura que retardou o progresso devido ao fanatismo religioso da Igreja Católica. E retratado em filmes e até mesmo no meio acadêmico. No entanto, o historiador de renome e não católico, Rodney Stark diz que “Voltaire e seus colegas criaram a ficção da Idade das Trevas para afirmar que foram eles que fizeram surgir o Iluminismo. Como qualquer historiador competente (e até agora enciclopédias) argumenta, não houve tal Idade das Trevas. Ao contrário, foi durante esses séculos, quando a Europa fez o grande salto cultural e tecnológica que a colocou como a cabeça do resto do mundo. ” 

Guiomar Ruiz, um físico e professor de Matemática Aplicada na Politécnica de Madri, partilha da opinião do físico atômico Peter Livro E.Hodgson intitulado “As origens cristãs da ciência “: a mentalidade cristã é que permitiu buscar leis na natureza. 

Este professor explica com grandes clérigos medievais volvados na ciência: “Os alunos não devem deixar o colégio sem conhecer o bispo Nicolau de Oresme, precursor das funções e cálculo, ou o Frei Roberto Grossateste com suas leis ópticas, ou a lei de máxima economia da natureza, que hoje chamamos de lei de mínima ação: na faculdade me disseram que foi do século XVII, mas Grossateste já utilizou nos séc. XII e XIII. Também deve saber as leis da estática de Jordano Nemorario , ou como Jean Buridan explicou que se o sol estava parado e a Terra estava se movendo sentiríamos que é o sol que se move. Buridan confrontou Aristóteles, durante séculos intocável, mesmo sobre o movimento dos planetas. “


“O Nome da Rosa”, estrelado por Sean Connery, mostra uma Idade Média tenebrosa e obscura com a Igreja Católica em frente

Então Rodney Stark, que também é um sociólogo, diz que os ‘filósofos’ do chamado “Iluminismo” não tiveram nenhum papel no desenvolvimento da ciência, pois os grandes avanços científicos da época vieram principalmente de homens muito religiosos , muitos deles pertencentes aos clérigos católicos”. Um exemplo do século XVIII é Alessandro Volta , o grande pioneiro da eletricidade, católico de missa e rosário diários.

E alguns consideram que a “comunidade científica” (cientistas de diferentes países que compartilham livremente descobertas) nasceu com as reuniões de pesquisadores que organizava o monge Marin Mersenne, colega de Descartes e famoso por seus “números primos de Mersenne” (veja sobre isso aqui em ForumLibertas ).

8. A Igreja, responsável por milhares de mortes por AIDS
Principalmente nos anos 80 e 90, embora atualmente ainda em vigor quando a epidemia de Aids estava em seus níveis mais elevados, se espalhou que a oposição da Igreja contra o preservativo estava expandindo pandemia e culpou por milhares de mortes. 

Organizações como a ONU e várias ONGs estão na mesma linha de distribuição em de contraceptivos, mas o que é mostrado em dados e estatísticas é que o controle de doenças mais eficaz é realizado pela Igreja Católica. Tanto no campo da prevenção e cuidados. Mais de 100.000 escolas católicas servem as pessoas com AIDS em todo o mundo. Ninguém atende a tantas pessoas em tantos lugares. 

A Igreja tem defendido modelos baseados na fidelidade e abstinência , que se manifestaram totalmente bem sucedido em países como Uganda , que em 10 anos reduziu o contágio de 21 a 7%.


Onde quer que a Igreja está, pacientes com AIDS não são abandonados 

9. A Igreja condena homossexual
Uma das mentiras mais utilizadas hoje e exibida tanto em programas, notícias, artigos e meios de comunicação sociais e conversas é que a Igreja Católica condena os homossexuais e pouco mais que os persegue. E tudo isso apesar do Papa Francisco explicar de novo e de novo a posição da Igreja. “Nas missas vimos como a hierarquia católica incita o ódio contra os homossexuais” , disse a porta-voz Irene Montero recentemente. Por ódio entende que não se apoie nem o chamado casamento gay e as práticas homossexuais.

Mas a Igreja separa muito claramente entre a pessoa com tendências homossexuais e práticas homossexuais.  A prática é considerada um pecado como o sexo fora do casamento. Assim,  o Catecismo lembra que as pessoas com essa inclinação “devem ser acolhidas com respeito, compaixão e delicadeza . Se evitará, com respeito a eles, qualquer sinal de discriminação injusta “.

E, além disso, a Igreja adicionou ao parágrafo 2359 que “pessoas homossexuais são chamadas à castidade . Mediante as virtudes da autodomínio que eduquem a liberdade interior, às vezes pelo apoio de uma amizade desinteressada, pela oração e pela graça sacramental, eles podem e devem de forma gradual e resolutamente se aproximar da perfeição cristã “. Nem ódio ou condenação, mas para cumprir o evangelho como qualquer outra pessoa.


Muitos cristãos foram martirizados nos primeiros séculos do cristianismo 

10. Leões! 
Notícias falsas e fraudes contra os cristãos são tão antigas quanto a própria Igreja. Nem os primeiros cristãos foram poupados estas manipulações, muitos delas criadas especificamente para perseguir-los . No Império Romano se acusava a crescente comunidade cristã de todos os males que aconteceram. Quando algo aconteceu, foi circulando que os culpados eram cristãos.

Tertuliano, um dos pais da Igreja, e contemporâneo, no ano 200 já denunciava em sua Apologia contra os gentios estas “notícias falsas” contra os seguidores de Cristo: “Os cristãos são os culpados de cada calamidade pública e todas as desgraças que se abatem sobre o povo. Se o Tibre sobe até os muros, se o Nilo não sobe e inunda os campos, se o céu retém a chuva, se há um terremoto ou fome, ou peste, o grito surge imediatamente: ‘os cristãos aos leões!'”.

Em adição, em outro ponto, ele acrescentou outras acusações que foi jogada contra eles: “Que na congregação noturna sacrificamos e comemos crianças. Que no sangue do menino degolado mergulhamos o pão e embebido em sangue comemos um pedaço cada um. Que alguns cães que são amarrados aos postes nas colinas lutam para alcançar o pão que jogamos banhados no sangue das crianças. Que à noite incitamos a luta de cães, junto com outros, nós misturamos perversamente com as irmãs ou mães. Desses crimes vêm-nos rios de voz clamorosa popular, e embora há tempo que a fama os imputa, até hoje o Senado não tratou de investigá-los”.

Um exemplo simples do século XX? No romance “Make Room! Make Room!” (“Faça o quarto, faça o quarto”) escrito por Harry Harrison em 1966 e, posteriormente, transformado em um filme sob o título de Soylent Green: Quando o futuro nos chega . De acordo com este romance futurista, em 1999, o planeta está um inferno, porque ele terá 7 bilhões de habitantes. O calor é insuportável, fazem biscoitos com os mortos (esse detalhe tornou-se famoso no filme) e mensagens são transportadas por mensageiros à pé, porque não há gasolina e Harrison em 1966 ele não achava que em 1999 tinha Internet.

Assim fala um personagem que expõe a tese do autor: “as árvores foram derrubadas, os animais foram extintos e 7 bilhões de pessoas lutam com as migalhas, procriam sem controle [do governo] […]. Católicos impuseram suas crenças sobre o resto de nós e agora nós estamos pagando as conseqüências. O ritmo menstrual que permitem não é suficiente. Também não é a pílula, não para todos. Quando eles dão a aprovação para a DIU? Os rios, quem os contaminou? A água, quem a bebeu?” A resposta é “Os católicos fizeram essas barbaridades” .

Esta mentira dos anos 60 ainda foi repetida em 2015 por uma associação ateísta .

Inspirando-se no filme de 1973 “Soylent Green” em português intitulado “No mundo de 2020”, baseado no romance alarmista de Harry Harrison: multidões empurrados por escavadeiras … por causa da oposição Católica à contracepção

A realidade é que em 2017 há cerca de 7.400 bilhões de pessoas, há envelhecimento e o despovoamento em muitos países, ninguém come biscoitos feitos com mortos e há áreas inteiras do mundo inexplorado na agricultura, enquanto que a Igreja, educando na África quase 23 milhões de pessoas, multiplica suas escolas agrícolas do Terceiro mundo (como esta em Moçambique ).

É ainda outro exemplo de como as mentiras colidem com a realidade.

Fonte: http://www.religionenlibertad.com/iglesia-una-victima-milenaria-las-fake-news-ejemplos-58154.htm
Tradução: Emerson de Oliveira

Comentários

Comentários

Sobre o autor

Número de entradas : 1296

© 2011 Powered By Wordpress, Goodnews Theme By Momizat Team

Voltar para o topo