Você está aqui:Home » Apologética geral » História » A Igreja Católica foi historicamente uma “inimiga” da Bíblia?

A Igreja Católica foi historicamente uma “inimiga” da Bíblia?

Com frequência, ouvimos acusações nesse sentido: como a Igreja Católica, durante séculos, forneceu apenas algumas “Bíblias encadeadas de difícil acesso” e proibiu as traduções da Bíblia no idioma vernáculo. Este amplo tópico é um dos mitos anti-católicos mais apreciados, mas, de fato, é uma falsidade ultrajante: facilmente revogada por uma investigação histórica justa. Eu tentarei resumir brevemente os fatos que são contrários a esse ponto de vista.

Talvez a melhor e mais decisiva resposta a este mito seja citar o prefácio da tradução inglesa autorizada ou “King James” 1611 da Bíblia, que descreve a longa história das traduções vernáculas na Inglaterra muito antes do protestantismo surgir:

Neste momento [1360], até mesmo nos dias do nosso rei Richard, John Trevisa os traduziu para o inglês, e muitas Bíblias inglesas escritas à mão ainda estão para ser vistas que vários traduziram, como é muito provável, naquela época. . . Pois que, para que as Escrituras na língua materna não seja uma presunção tola ultimamente tomada,. . . Mas foi pensado e praticado de idade, mesmo desde os primeiros tempos de conversão de qualquer Nação; Sem dúvida, porque era estimado mais lucrativo, para que a fé crescesse nos corações dos homens, mais cedo. . .

A história da tradução da Bíblia inglesa (precedida anteriormente por edições na língua comum anterior anglo-saxã) é muito longa, começando com Caedmon no século VII, Aldelmo (c. 700), o Venerável Beda (m. 735), seguido por Eadelmo, Guthlac, e Egberto (todas em saxão, a língua vernácula da Inglaterra à época). O rei Alfredo, o Grande (849-99) traduziu a Bíblia, assim como Aelfrico (m. c. 1020). As traduções do inglês médio incluem aquelas de Orm (século XII) e Richard Rolle (m. 1349).

As Bíblias vernaculares em muitas línguas apareceram ao longo da Idade Média precoce e tardia (depois que o latino deixou de ser uma linguagem comum e difundida). Entre 1466 e 1517, 14 traduções da Bíblia foram publicadas no Alto Alemão e cinco em Baixo Alemão. Raban Maur traduziu a Bíblia inteira em teutônico, ou alemão antigo, no final do século VIII . Entre 1450 e 1520 houve dez traduções francesas, e também Bíblias apresentadas em belga, boêmio, espanhol, húngaro e russo. 25 versões italianas (com sanção expressa da Igreja) apareceram antes de 1500, começando em Veneza em 1471. O artigo de Wikipedia, “Traduções da Bíblia para o alemão” conta a rica história das Bíblias alemãs anteriores a Lutero:

A versão germânica conhecido e em parte ainda disponível mais antiga da Bíblia foi a tradução gótica de Wulfila, no quarto século (cerca de 311- 80 ). Esta versão, traduzida principalmente do grego, estabeleceu grande parte do vocabulário cristão germânico que ainda está em uso hoje. Mais tarde, Carlos Magno  promoveu  traduções bíblicas francas no século IX. Houve  traduções bíblicas  presentes em forma de manuscrito em uma escala considerável já nos séculos XIII e XIV (por exemplo, o  Novo Testamento  na  Bíblia Augsburger  de 1350 e o  Antigo Testamento  na  Bíblia  de Wenceslao de 1389). Há ampla evidência do uso geral de toda a Bíblia alemã vernácula no século XV.  Em 1466, antes de Martinho Lutero ter nascido,  Johannes Mentelin  imprimiu a Bíblia Mentel, uma  Bíblia vernácula de alta Alemanha , em  Estrasburgo . Esta edição foi baseada em uma tradução manuscrita da Vulgata da região de  Nuremberg, que não é mais existe, do século XIV .  Até 1518, foi reproduzida pelo menos 13 vezes. Em 1478- 79 , duas edições Baixo alemão bíblicos foram publicados em  Colônia, um no  dialeto do Baixo Reno   e outro no dialeto do baixo saxão . Em 1494, outra Bíblia da Baixa-Alemanha foi publicada no dialeto de Lübeck , e em 1522, a última Bíblia pré-luterana, a Bíblia da Baixa Saxônia  Halberstadt  foi publicada. No total, houve pelo menos dezoito edições completas da Bíblia alemã, noventa edições no vernáculo dos Evangelhos e as leituras dos domingos e dias sagrados, e alguns quatorze saltérios alemães quando Lutero publicou pela primeira vez sua própria tradução do Novo Testamento.

A acusação de que a Igreja Católica encadeava Bíblias para mantê-las do povo comum, é igualmente errônea e historicamente mal informada. O oposto é verdadeiro: Bíblias foram encadeadas em bibliotecas de modo a que elas não fossem roubadas, precisamente porque eram tão valiosas e ricas (especialmente antes da invenção da prensa de impressão de tipo móvel, em meados da década do século XV), para que pudesse ser mais acessível a todos. Os protestantes fizeram a mesma coisa por uns 300 anos. Por exemplo, Eton e Merton Colleges (Oxford) não removeram suas Bíblias acorrentados até o século XVIII.

É verdade que a Igreja Católica (pelo menos às vezes) proibiu a leitura da Bíblia no vernáculo: por exemplo, o Sínodo de Toulouse em 1229. Como isso pode ser explicado, exceto como resultado da hostilidade à Bíblia? A objeção protestante foi que se a Bíblia fosse autorizada a ser lida na linguagem das pessoas, isso deixaria a falsa doutrina e não a promoveria. Portanto (assim está concluído), a Igreja Católica deve ter medo de deixar as pessoas lê-la, porque a Bíblia supostamente refuta o que se pensa ser falsas doutrinas na Igreja Católica.

Eu respondo da seguinte maneira: A Igreja Católica, como guardiã da Sagrada Escritura, opôs-se apenas a traduções não autorizadas, que não são diferentes de muitos protestantes hoje que protestam contra várias traduções como “liberais” ou imprecisas, devido a um viés percebido baseado nas crenças religiosas do(s) tradutor(es). Isso decorre de uma preocupação louvável pela transmissão precisa da palavra de Deus.

Da mesma forma, a Igreja Católica tem o direito de ter uma opinião sobre o assunto também, sem ser injustamente acusada de ser ‘anti-bíblica’. Os primeiros protestantes, inclusive o próprio Martinho Lutero, muitas vezes censuraram ou proibiram as traduções católicas em seus distritos, na mesma base (enquanto eles também estavam proibindo a Missa). É um duplo padrão, então, acusar a Igreja Católica de algo que os protestantes sempre fizeram seletivamente também.

A Igreja proibiu a leitura bíblica vernácula em algumas circunstâncias, porque a falsa doutrina já era desenfreada, como em 1229, quando a bizarra heresia gnóstica do catarismo era influente. Os protestantes afirmam que a Bíblia é suficientemente clara para parar tais seitas heráldicas, ainda que nunca alcançaram a unidade doutrinária em suas próprias fileiras com base no “só a Bíblia” como a única fonte infalível de autoridade (ou, Sola Scriptura), esta premissa é altamente questionável.

Além disso, essa objeção negligencia ver que toda a interpretação da Bíblia ocorre dentro de um contexto de um sistema e tradição de crença geral. Se, por exemplo, os batistas lêem a Bíblia juntos, chegarão à doutrina batista, porque os grupos têm uma maneira de preservar suas próprias crenças e preconceitos particulares.

O historiador da Igreja Protestante, James Gairdner, confirma o que escrevi acima:

A verdade é que a Igreja de Roma não se opunha ao fato de fazer traduções da Escritura ou colocá-las nas mãos dos leigos sob o que foram consideradas precauções adequadas. Só foi julgado necessário ver que nenhuma tradução não autorizada ou corrupta chegou ao exterior; E mesmo nesta questão, parece que as autoridades não foram despertadas para uma vigilância especial até que despertaram a difusão das traduções de Wycliff na geração após sua morte.

. . . Para a posse de leigos dignos de traduções licenciadas, a Igreja nunca se opôs; Mas colocar uma arma como uma Bíblia inglesa nas mãos de homens que não tinham nenhuma consideração pela autoridade, e quem a usaria sem ser instruído como usá-la corretamente, era perigoso não só para as almas daqueles que liam, mas para A paz e a ordem da Igreja.

( Lollardy e a Reforma na Inglaterra , Vol. 1 de 4, 1908, 105, 117)

Fonte: http://www.patheos.com/blogs/davearmstrong/2015/09/catholic-church-historic-enemy-of-the-bible.html
Tradução: Emerson de Oliveira

Comentários

Comentários

Sobre o autor

Número de entradas : 1313

© 2011 Powered By Wordpress, Goodnews Theme By Momizat Team

Voltar para o topo