Você está aqui:Home » Ética » Comportamento » 2 Estudos que demonstram violência doméstica são questões LGBT

2 Estudos que demonstram violência doméstica são questões LGBT

Dois estudos refutam o mito de que a violência do parceiro íntimo não é uma crise LGBT.

A pesquisa da Violência Nacional Contra a Mulher revelou que 21,5 por cento dos homens e 35,4 por cento das mulheres que vivem com um parceiro do mesmo sexo experimentaram violência física de parceiro íntimo em suas vidas, em comparação com 7.1 por cento e 20.4 por cento para homens e mulheres, respectivamente, com um história de apenas coabitação do sexo oposto. Os entrevistados transgêneros tiveram uma incidência de 34,6 por cento ao longo da vida de acordo com uma pesquisa de Massachusetts.

O Inquérito Nacional Nacional de HIV e Pesquisa de Violência Sexual do CDC, lançado novamente em 2013 com nova análise, informa em seu primeiro estudo com foco na vitimização por orientação sexual que a prevalência de estupro, violência física ou perseguição por um parceiro íntimo foi de 43,8 por cento para lésbicas, 61,1 por cento para mulheres bissexuais e 35 por cento para mulheres heterossexuais, enquanto 26 por cento para homossexuais, 37.3 por cento para homens bissexuais e 29 por cento para homens heterossexuais (este estudo não incluía identidade ou expressão de gênero).

Esses estudos refutam os mitos de que apenas as mulheres heterossexuais são maltratadas, que os homens nunca são vítimas e que as mulheres nunca batem – em outras palavras, que a violência doméstica não é uma questão LGBT. Na verdade, é um dos nossos maiores riscos para a saúde, afetando números significativos nas nossas comunidades.

“O abuso não é sobre violência; trata-se de controle “, diz Beth Leventhal, diretora executiva da The Network / La Red em Boston. “Você pode ser tão controlador de alguém se você é pequeno – como se você fosse grande. Trata-se de usar a violência ou qualquer outro meio de ganhar e manter o controle “.

Os mitos sobre a violência doméstica, o medo e a vergonha das vítimas, um silêncio que decorre de um desejo de não prejudicar as percepções da comunidade LGBT – tudo isso contribuem para tornar o problema invisível para os outros. Muitas pessoas que sofrem ou não percebem que estão em uma situação terrível ou não sabem para onde ir ou quem contar. Eles se perguntam quem vai ouvir, quem vai acreditar neles.

Mas, graças à combinação de relatórios como estes e, mais importante, como Leventhal observa, o governo Obama sendo ativo em questões LGBT, aumentou o financiamento ao nível da comunidade para serviços para lidar com preocupações LGBT. Além disso, o Escritório de Violência contra a Mulher e o Programa de Prevenção e Serviços de Violência Familiar emitiram diretrizes sobre como lidar especificamente com questões LGBT e são obrigados a tornar esses serviços estranhos e transcomportadores.

Como Leventhal diz: “Nós não precisamos ser perfeitos para ter nossos direitos. Não precisamos viver uma expectativa social para ser tratada como seres humanos. Nós não merecemos morrer “.

O Network / La Red está baseado em Boston, mas oferece ajuda e é especializado em preocupações LGBT em todo o país. Sua linha quente é (617) 742-4911.

Fonte: https://www.advocate.com/crime/2014/09/04/2-studies-prove-domestic-violence-lgbt-issue
Tradução: Emerson de Oliveira

Comentários

Comentários

Sobre o autor

Número de entradas : 1378

© 2011 Powered By Wordpress, Goodnews Theme By Momizat Team

Voltar para o topo