Você está aqui:Home » Ciência » 15 notáveis paleontólogos espanhóis ​​católicos e sem medo dos fósseis ou da ciência

15 notáveis paleontólogos espanhóis ​​católicos e sem medo dos fósseis ou da ciência

28596_la_paleontologia_ayuda_a_entender_la_historia_de_las_especies_animales__incluyendo_las_ya_desaparecidas__y_por_lo_tanto_la_grandeza_de_la_creacion_de_dios

A paleontologia ajuda a compreender a história das espécies animais, incluindo os já desaparecidos, e, portanto, a grandeza da Criação de Deus

A Igreja Católica propõe a seus fiéis e todos os homens de boa vontade que a assim chamada teoria da evolução e a fé são compatíveis, desde que não se faça uma interpretação ideológica da mesma.

Já em 1868, poucos anos depois da proposta de Darwin tornar-se pública, o padre católico Raffaelo Caverni viu a compatibilidade entre a evolução e fé em seus Novos estudos em filosofia – Discursos de um jovem estudante. Sua tese – tomada do cientista católica Galileu – de que a Bíblia não contém falsidades e tem mais o objetivo de nos levar para o céu que descrever verdades científicas, se encaixa com um evolucionismo teísta e finalista.

Mais tarde, Pio XII, em 1950, em uma tentativa para reduzir o confronto crescente, mais ideológico do que qualquer outra coisa, fez uma declaração “oficial” da Igreja na Humani generis, dizendo que a evolução era uma teoria que devia ser estudada, e que em nenhum caso a alma veio de outro lugar que não foi o próprio Deus. S. Agostinho (s. IV), já aconselhava a abandonar a interpretação literal quando os fatos empíricos a contrariassem e se esforçou para fazer uma interpretação não literal conciliatória com a ciência.

João Paulo II declarou: “…a evolução pressupõe a criação, e a criação apresentada à luz da evolução como um evento que se estende ao longo do tempo … Não é nenhum obstáculo entre a fé ea teoria da evolução, se bem entendidas…”. A partir das reflexões sobre os fósseis no século XVIII, passando no século XIX, bem como a proposta de Darwin, e entrando no século XX, é fácil de mostrar, pelo exemplo de cientistas espanhóis católicos de alto nível, que a fé católica nunca foi um impedimento para pesquisar sobre a história das espécies na terra.

1. José Torrubia: o primeiro paleontólogo foi um franciscano.
A disciplina científica que estuda os restos fósseis de seres vivos é chamada de paleontologia, fundamental para a compreensão da evolução. Na Espanha, seu fundador é considerado Jose Torrubia (1698-1761), que escreveu o primeiro tratado sobre paleontologia chamado Aparato de História Natural Espanhola, em que pela primeira vez se diz que os fósseis, tidos por curiosidades da natureza, são restos petrificados de seres vivos. Torrubia era frade franciscano.

2. Manuel Torres, descobridor do megatério: padre dominicano
Pouco depois, Manuel Torres (1750-1817), considerado o pai da paleontologia americana, descobriu o esqueleto fóssil de um animal extinto, o megatério, que está em exposição no Museu Nacional de Ciência Natural de Madrid porque ele cuidou de enviá-lo para a Espanha, da Argentina, convencido de sua importância. A descoberta foi crucial para outro cientista também crente, o francês Georges Cuvier (1769-1832), em enunciar a possibilidade de um processo evolutivo pelo qual Deus gerou a diversidade de formas atuais, algumas das quais desapareceram no Dilúvio, o que foi admitido como verdadeiro à época até por instituições científicas da estatura da Royal Society. Manuel Torres era um padre católico, além de frade dominicano.

Pouco depois, Antonio Bergnes (1801-1879), liberal e editor helenista, tornou-se tão interessado em publicar a Bíblia e outros livros de evolucionistas católicos como Lamarck e Buffon, antes de Darwin.

3 . Mariano de la Paz Graells: assumindo as mudanças
Outro mito das ciências naturais espanholas, que foi diretor da MNCN, é Mariano de la Paz Graells (1809-1898) que, com a chegada do darwinismo, passou de uma fixidez moderada, considerando que o animais existentes foram “…chamados para repovoar a Terra… depois do dilúvio” , admitindo sem problemas a nova teoria. Em sua obra, Mastodología Ibérica, Graells declara sua crença em Deus Criador, afirmando que as mudanças de forma são apenas parte da a realidade da vida.

4. Juan Vilanova: o primeiro caçador de dinossauros na Espanha
Posteriormente, destaca-se a figura de Juan Vilanova Piera (1821-1893) que era ativo nos campos da paleontologia, geologia e arqueologia, e foi Professor de Geologia e Paleontologia da Universidade Central de Madri. Ele descobriu os primeiros fósseis de dinossauros em Espanha e ensinou a conciliação entre a evolução e fé católica em textos onde proclama que “devemos ter em mente que Moisés não tinha a intenção de dar em Gênesis um tratado de geologia ou qualquer outra ciência, mas sim, um termo para que os hebreus compreendessem a grandeza e onipotência de Deus o Criador e, assim, impedi-los de cair na idolatria; era mais fácil de obter isso dizendo que a palavra de Deus “Fiat lux”, “faça-se a luz”, que se tivesse lhes dado um tratado de Óptica” o que demonstra um distanciamento com um literalismo bíblico claramente assumido.

5. Padre Llanas: evolução, sim; ideologia darwinista, não
Outra figura notável da questão evolução – fé foi Eduardo Llanas(1843-) membro da Academia de Belas Artes de Barcelona, ​​padre católico que argumentou contra o uso ideológico das idéias de Darwin, algo que o próprio Darwin advertiu que não se deve fazer, deixando escrito em seu trabalho Sobre a origem das espécies (1859): “Não vejo nenhuma razão válida para as opiniões expressas neste livro ofender os sentimentos religiosos de qualquer um…Um famoso escritor e teólogo escreveu-me dizendo que ele gradualmente aprendeu a ver que é uma concepção tão nobre da Divindade acreditar que Ele criou algumas poucas formas originais capazes de autodesenvolvimento em outras quanto acreditar que Ele precisou de um novo ato de criação para suplementar as lacunas causadas pela ação de Suas leis…”.

Llanas escreveu coisas como “Deus criou o homem no fim da era terciária: tudo estava pronto para recebê-lo: o clima, o estado final dos mares e faunas e floras terrestres que deveriam servi-lo. Nada estava faltando para que ele pudesse desenvolver em boas condições a sua existência… assim, a criação do homem está relacionada com as criações anteriores: tudo contribuiu para essa preparação: A primeira alga, o primeiro infusório existia no momento exato para que o homem pudesse existir”.

6 e 7. Marquês de Cerralbo e Juan Cabré, dois carlistas pela paleontologia
Enrique de Aguilera y Gamboa (1845-1922, XVII Marquês de Cerralbo, foi o presidente fundador da Comissão de Pesquisa Paleontológica e pré-histórica, cujo trabalho agora é comemorado em uma exposição no MNCN.

O marquês de Cerralbo, político católico, carlista e um entusiasta da paleontologia

Colaborou com outro devoto católico, Juan Cabré Aguiló (1882-1947). Ambos eram católicos carlistas. Além disso, a comissão trabalhou com o padre católico francês Henri Breuil (1877-1961)que provou a autenticidade das pinturas de Altamira, e o alemão  Hugo Obermaier (1877-1946) duas eminências de paleoantropologia europeia, ambos professores universitários, associados com o Institut de Paléontologie Humaine em Paris.

Juan Cabre Aguilo, outro difusor da paleontologia difusor e estudos pré-históricos

8 e 9. Telesforo Aranzi e o pe. Barandiaran
Na Espanha também trabalhou à mesma época e linha Telesforo Aranzadi (1860-1945), cuja tese de doutorado foi dirigida por Vilanova Piera a que nos referimos acima. Professor de Antropologia da Universidade de Barcelona, trabalhou ao lado, entre outros, do padre católico José Miguel de Barandiaran e Ayerbe, ambos promotores da criação da Sociedade de Estudos bascos.

Nunca abandonou suas arraigadas crenças religiosas, que conciliou à perfeição, tanto com seu trabalho e com a aceitação da teoria da evolução, sem negar, sim, a existência de um Deus criador que fez as coisas como bem lhe pareceu oportuno.

10. Jesus Carballo García Taboada: Salesiana e pioneiro espeleólogo
O caso de Jesus Carballo (1874-1961) é semelhante aos referidos acima. Além dos estudos eclesiásticos para ser padre católico, cursou Música e Ciências Naturais. Obermier e Carballo salvaram, com o dinheiro do duque de Alba, as cavernas de Altamira e conseguiram a transformá-las em um monumento nacional. Foi o primeiro espanhol a usar a palavra espeleologia, ramo da geologia em que é considerado um pioneiro.

11. Santiago Alcobé: Antropologia e religião indisfarçável
Santiago Alcobé Noguer (1903-1977) substituiu Telesforo Aranzadi no Departamento de Antropologia da Universidade de Barcelona. Seu excelente discípulo, Josep Pons, observou em seu obituário que ele foi um homem “…de uma fé Católica nunca escondida…. “. Introduziu as estatísticas na paleontologia e escreveu o Guia para o estudo antropológico das populações pré-históricas de Espanha.

12. Miquel Crusafont e as “mentes fracas”
Miquel Crusafont (1910-1983) foi um cientista católica espanhol especializada em paleontologia e que disseminou a teoria da evolução na Espanha. Fundador em 1969 do Instituto Provincial de Paleontologia em Barcelona, agora chamado de Instituto de Paleontologia Miquel Crusafont. Ele aumentou consideravelmente o registro fóssil de mamíferos e estratigrafia do Terciário espanhol.

Em uma de suas cartas, disse: “Se aqui na Espanha (…) nóa, cientistas, entramos em assuntos filosóficos ou religiosos, fazemos isso para dizer que, do nosso ponto de vista, não há nada na ciência que esteja em desacordo com o Dogma. Isso é algo que somos forçados a afirmar, porque falar da evolução só do ponto de vista científico aqui, seria quase impossível”, alegando em outros lugares que “nunca a ciência, por mais ‘ousada’ que possa parecer para as mentes fracas,  irá contradizer os dogmas da fé cristã católica”.

Trabalhou com Felix Rodriguez de la Fuente para o desenvolvimento do programa no Blue Planet, que em 1971 foi censurado como a qualquer referência à teoria da evolução.

13. Bermudo Meléndez: Um professor e a intervenção de Deus
Com Crusafont colaborou Bermudo Melendez (1912-1999), professor de paleontologia da Universidade de Madri (1949), autor de o Tratado de paleontologia (1947), um livro que afirma que a única evolução possível é aquela que aceita a intervenção de Deus. Defendeu e espalhou a ideia da evolução como “uma lei geral biológica” em sua versão neodarwiniana e finalista, o que pode admitir a intervenção de Deus, e colaborou com o MNCN do CSIC. Teve uma grande família, e celebrou seu casamento de ouro no Mosteiro de Paular.

14. Antonio Prevosti: a geneticista reflete sobre a alma
Antonio Prevosti (1919-2011). Participou das conversas intelectuais de Poblet e Montserrat, o Movimento Internacional de Estudantes Católicos e Pax Romana, em reuniões privadas na Faculdade de Teologia em San Cugat del Valles, e colaborou com revistas religiosas como o apostolado sacerdotal, Orbis catholicus ou Forge. Assim expunha suas crenças sobre a evolução e Deus “capaz de agir livremente, o homem estava pronto para receber a alma e amar a Deus”, aquele que era licenciado de ciências, Seção Natural.

15. Emiliano Aguirre: o ex – jesuíta que descobriu Atapuerca
E, finalmente, o grand finale: o pai da Atapuerca, Emiliano Aguirre (1925). No final da escola secundária, ele se juntou aos jesuítas, determinado a ser um missionário, algo que seus superiores pareciam não permitir.
Em 1942, ele entrou no seminário de Aranjuez, onde estudou dois anos de noviciado e três anos de letras. Entre 1947 e 1950 estudou Filosofia na Chamartin, na Escola Complutensis da Igreja. Por indicação também dos jesuítas, foi direcionado para as ciências naturais, realizando cursos de verão em histologia, anatomia e embriologia microscópica com o padre jesuíta Pe Jaime Pujiula. Ele terminou a carreira em 1955 na Universidade Complutense de Madri, graduando-se com Prémio Nacional End Carrera.
Então ele fez teologia.

Em 1974 ele se tornou secularizado e entrou no MNCN-CSIC, descobrindo trinta novos depósitos. Em 1976, localizou o primeiro resto humano fóssil em Atapuerca .

Todos os cientistas mencionados neste artigo receberam religião na escola, e assim vemos que isso não causou-lhes maior problema para o desenvolvimento mental, científica e espiritual. Os laicistas mentem quando afirmam que a Igreja Católica é contra a teoria da evolução e a ciência.

(O autor deste artigo, Alfonso V. Carrascosa, é cientista no Museu Nacional de Ciências Naturais da Espanha, pertencente a Conselho Superior de Investigação Científica, MNCN-CSIC. As opiniões e crenças contidas neste artigo não expressam necessariamente a posição oficial destas instituições).

Fonte: http://www.religionenlibertad.com/15-paleontologos-espanoles-catolicos-y-notables-sin-miedo-ni-a-los-48095.htm
Tradução: Emerson de Oliveira

Comentários

Comentários

Sobre o autor

Número de entradas : 1246

© 2011 Powered By Wordpress, Goodnews Theme By Momizat Team

Voltar para o topo